dilmc3a3o

PIB brasileiro encolhe 0,2% no 1º trimestre de 2015

A economia brasileira encolheu 0,2% no primeiro trimestre de 2015, na comparação com os últimos três meses do ano passado, registrando recuo nos investimentos pelo 7º trimestre seguido, informou o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) nesta sexta-feira.

Trata-se da primeira queda trimestral do PIB desde o segundo trimestre de 2014, quando a economia encolheu 1,4%.

Em relação ao primeiro trimestre de 2014, o Produto Interno Bruto (PIB) do país registrou retração de 1,6%. Nesta base de comparação, a mediana da pesquisa agência inglesa de notícias Reutersindicava retração de 1,8%, numa faixa de queda de 0,8% a retração de 2,2%.

PLANALTO OFENDE A LEI PARA PROTEGER ROSE NORONHA

O Planalto optou por ofender a Lei de Acesso à Informação, que Dilma sancionou, para esconder o relatório de gastos do cartão corporativo utilizado pela ex-chefe do escritório da Presidência da República em São Paulo, Rosemary Noronha, amiga íntima de Lula. Após 45 dias enrolando, o Planalto alegou ontem, em resumo, que a farra de gastos de Rosemary virou caso de “segurança da sociedade e do Estado”. ( Claudio Humberto)

Uma flor no lamaçal

Por: Gustavo Ioschpe ( VEJA)

A realidade é complexa. Pense no simples ato de ler esta página e na quantidade de áreas e saberes que foram necessários para possibilitar o nosso diálogo. Ele depende de muitos anos da minha formação; do computador em que escrevo e suas centenas de patentes; de toda a tecnologia de plantio e colheita de árvores, do processamento dessas árvores até que se tornem celulose e depois papel; do conhecimento de editores, diagramadores, revisores, fotógrafos mais a equipe que opera o maquinário da gráfica. Ainda há a equipe de logística, de transporte, financeira etc. Tudo isso está embutido no seu simples ato de folhear esta página (para quem a lê on-line, a quantidade de inovações e saberes envolvidos provavelmente é ainda maior).

A escola precisa preparar as pessoas para navegarem a complexidade desse mundo. Que está cada vez mais complicado, mas que já era complexo e multifacetado desde que o mundo é mundo. Seria muito difícil abarcar toda essa complexidade e interdependências em um currículo escolar. O professor teria de dominar todas essas áreas, o que é virtualmente impossível, e também controlar o ambiente para que as crianças só fossem expostas ao nível de complicação que pudessem deglutir. O que o sistema escolar fez, então, foi replicar o reducionismo da ciência: fracionar a complexidade em seus múltiplos elementos e ensiná-­los de forma separada. Ao fazê-lo, garantiu que os pupilos pudessem ter mestres que dominam profundamente o assunto ensinado e que o nível de dificuldade da matéria fosse controlado e ajustado à capacidade de compreensão dos alunos. É um modelo brilhante, que vem produzindo grandes resultados há milênios.

Como em toda atividade de especialização e divisão do trabalho, porém, há um downside: perde-se a visão global. Alguém já disse que um especialista é aquele que sabe cada vez mais sobre cada vez menos. O professor de história precisa mergulhar não apenas nessa disciplina, mas também, provavelmente, nos conteúdos de história das séries em que leciona. A mesma coisa acontece com seus colegas de todas as outras disciplinas. Esse foco no conhecimento gerou grandes avanços, mas acarretou um importante retrocesso: tudo o que está fora do currículo é ignorado, parece desimportante.

Desde a década de 90, pelo menos, com o trabalho do psicólogo Daniel Goleman, tornou-se amplamente difundido o achado de que os fatores não cognitivos são tão ou mais importantes para o sucesso na vida adulta – não apenas profissional, mas também pessoal – que o QI ou a cultura geral. A popularização dessa ideia, chamada de inteligência emocional, também penetrou a área da educação, especialmente em países desenvolvidos, onde muitas escolas criaram programas para ensinar os pequenos a ser pacientes, perseverantes, abertos, respeitosos etc. O movimento é compreensível. Se algo é muito importante na idade adulta, faz mais sentido ensiná-lo ainda na infância, pois depois pode ser difícil ou tarde demais. E também é lógico que a dianteira tenha sido tomada por países desenvolvidos. Primeiro, porque eles já resolveram o bê-á-bá, de forma que têm liberdade para se preocupar com problemas mais avançados. Segundo, porque nosso mundo é regido por uma competição de talentos – e, se houver uma dimensão do talento humano que está sendo cultivada em um lugar mas não em outro, quem ficar para trás terá uma desvantagem estratégica importante. E, terceiro, porque até nos países em que o sistema funciona muito bem há crianças que não aprendem, que abandonam a escola e se rendem ao crime ou às drogas. Um sinal de que mesmo um sistema azeitado pode estar deixando alguma coisa de lado.

Nos últimos anos, começou a emergir uma literatura coesa e robusta, da qual o livro Uma Questão de Caráter (péssima tradução de How Children Succeed), de Paul Tough, oferece um competente resumo, da importância de qualidades não cognitivas como garra e autocontrole para o sucesso de crianças (já mencionei aqui, em outro artigo, o experimento clássico de Walter Mischel com os marshmallows; para quem não conhece, vale a pena dar um Google ou ver twitter.com/gioschpe).

Recentemente, uma ONG deu um passo além: entendeu que a promessa desse novo olhar sobre o desenvolvimento humano não era apenas de incorporar os temas não acadêmicos à educação, mas, de forma mais ambiciosa, trazer todos os conhecimentos da ciência para a sala de aula. Sim, pois paradoxalmente a instituição que forma os futuros cientistas não tem se beneficiado de quase nada do que eles vêm descobrindo ao longo das últimas décadas. Desde a década de 60 do século passado, economistas já buscam quantificar o processo educacional. Mais recentemente tivemos neurocientistas descobrindo muito sobre como o cérebro aprende e psicólogos notando os impactos de questões de higidez mental sobre a capacidade de aprendizado de crianças e jovens. Mas nada disso entra no radar da esmagadora maioria dos professores do mundo todo, que não costumam aprender sobre esses conhecimentos em suas formações. Passam a vida tentando mudar a cabeça de seus alunos mas não têm a menor ideia de como o cérebro funciona. Baseiam sua prática em pensadores teóricos do século XIX. E eis o mais surpreendente: essa ONG não é da Finlândia, da Coreia nem de qualquer outra potência educacional, mas do… Brasil! Trata-se do Instituto Ayrton Senna.

O IAS acaba de lançar uma iniciativa chamada eduLab21, em parceria com o Insper e a Universidade de Ghent, na Bélgica. É um laboratório destinado a trazer o conhecimento em educação para o século XXI e o conhecimento do século XXI para a área de educação. O polo belga será o responsável pela geração de novos estudos, inicialmente usando inputs das áreas de psicologia, neurociência e economia. O polo brasileiro, comandado por Ricardo Paes de Barros, o melhor economista brasileiro de sua geração, terá como responsabilidades a organização do conhecimento gerado (em todo o mundo) e sua implantação e teste em sala de aula. E aqui a coisa fica mais interessante: como o IAS atende milhões de alunos através de parcerias com secretarias municipais e estaduais de Educação em quase todo o país, o que há de mais avançado nessa pesquisa poderá ser quase que imediatamente testado em campo, em centenas de escolas. Poder realizar experimentos em tantos e tão grandes grupos de alunos é o sonho de todo pesquisador; beneficiar-se do conhecimento de ponta em primeira mão é o sonho de todo bom gestor público. O IAS já vinha tomando um papel de liderança internacional na pesquisa do impacto dos aspectos socioemocionais sobre a aprendizagem por meio de uma parceria com a OCDE. Com o eduLab21, não seria surpreendente se virasse a instituição de referência mundial no assunto. Tudo isso sem custar um centavo ao Erário. É quase inacreditável, mas do lamaçal que se tornou a educação brasileira brota uma flor que há de nos orgulhar.

A morte de Ayrton Senna foi um evento traumático para a maioria dos brasileiros acima de 30 anos, entre os quais me incluo. Foi-se num acidente estúpido nosso compatriota que triunfava no mundo das máquinas, da tecnologia de ponta. Seu falecimento institucionalizou o trabalho pelo bem das crianças brasileiras, que Senna fazia de maneira informal e quase escondido. O choque da sua morte e o amor de tantas pessoas mundo afora ajudaram seu instituto a obter as doações de pessoas e empresas que até hoje o mantêm operando. Que doce ironia que agora sua irmã, Viviane, comande uma instituição que também tem pinta de líder mundial em uma área que está na ponta do conhecimento.

P.S. Full disclosure: este articulista está em conselhos do Insper e do Instituto Ayrton Senna, de forma não remunerada.

Nota do presidente do PSDB, Aécio Neves, sobre o fracassado PIB “dilmolulupetista”

Nota 

Os resultados sobre o PIB do primeiro trimestre, divulgados hoje, pelo IBGE, demonstram a gravidade do quadro econômico no Brasil e infelizmente confirmam que o nosso país não atravessa apenas um momento difícil, como o governo do PT tenta fazer crer, e sim uma recessão que não sabemos por quanto tempo vai durar.

Há uma queda generalizada em praticamente todas as atividades econômicas. As únicas e honrosas exceções foram a agropecuária – que vai bem apesar da fraqueza das políticas oficiais para o setor – e as exportações.

Diante da redução de 0,2% no trimestre e do cenário que se descortina, as previsões para o resto do ano que até outro dia pareciam assustadoras agora já soam otimistas. O que já está ruim, infelizmente, deve piorar.

De acordo com prognósticos recentes, só vamos crescer mais do que alguns poucos países no mundo, quase todos assolados por guerras, catástrofes ou severa desordem interna. Não são essas as companhias que os brasileiros merecem.

A questão é que o governo petista simplesmente assiste ao mundo avançar, deitado em berço esplêndido. São 12 anos sem ocorrer ao menos uma das reformas importantes para economia e sem qualquer providência para dinamizar a economia, exceto os remendos feitos. Esses sim, com efeitos passageiros.

Não se muda essa situação buscando culpados imaginários, inventando subterfúgios, nem insistindo em estratégias equivocadas. Hoje é isso que o governo do PT nos oferece. O Brasil se tornou um país ineficiente, pouco produtivo, caro e nada competitivo, como comprovam seguidos rankings.

Vivemos hoje um retrocesso econômico, inflação alta, desemprego em ascensão e crise moral, sufocados pela corrupção e pela ineficácia do Estado na vida da população.

O PSDB mantém-se vigilante e atuante para fazer prosperar iniciativas que ajudem a modernizar o país, ao mesmo tempo em que protagoniza firme resistência a medidas que dificultam ainda mais a vida dos brasileiros, como as que compõem o arrocho recessivo ora em discussão no Congresso.

O Brasil precisa sair do buraco em que foi colocado pelas gestões temerárias do PT. Não há mais tempo a desperdiçar.

Senador Aécio Neves
Presidente Nacional do PSDB

Salvador é a capital com menor número de fumantes do Brasil

 
Dez mil mortes por dia. Esse é o número de óbitos registrados em decorrência do consumo de cigarro em todo planeta, segundo dados da Organização Mundial da Saúde (OMS). O estudo indica ainda que o tabaco é a principal causa de morte no mundo, seguida pelo álcool e pela inalação indireta do fumo, ou seja, que atinge aquele indivíduo que convive com fumantes. Apesar dos números alarmantes, o Ministério da Saúde destaca Salvador como a capital brasileira com o menor índice de fumantes, onde 5,2% da população adulta declara fazer uso do cigarro. 
 
O baixo consumo de tabaco na capital baiana é atribuído, além da conscientização da população, ao intenso trabalho realizado pela Secretaria Municipal da Saúde (SMS), que em 2006 implantou o Programa Municipal de Controle do Tabagismo, tendo tratado aproximadamente cinco mil pacientes nas unidade, sendo que 40% pararam de fumar.
 
O tratamento totalmente gratuito oferecido nas unidades de saúde do município consiste, inicialmente, por uma avaliação clínica e um teste para estimar o grau de dependência química e psicológica dos pacientes. A partir daí, os usuários passam a participar de sessões de grupo para discutir as doenças relacionadas ao tabaco e as vantagens de se parar de fumar. Os dependentes que tiverem necessidade são encaminhados para tratamento uso de medicamentos, também oferecidos gratuitamente pelo SUS.
 
Os interessados em parar de fumar podem se cadastrar em uma das 27 unidades municipais que contam com o Programa de Tabagismo. Maiores informações através do 3202-1050.
 
Data – O Dia Mundial Sem Tabaco – 31 de maio – foi criado em 1987 pela OMS para alertar sobre as doenças e mortes evitáveis relacionadas ao tabagismo. O tabaco mata aproximadamente seis milhões de pessoas por ano. Destas, mais de 600 mil são fumantes passivos. Se nada for feito, até 2030 a estimativa é que a epidemia mate cerca de oito milhões de pessoas por ano. Outro dado alarmante da OMS é que cerca de 80% dessas mortes evitáveis estarão entre as pessoas que vivem em países de baixa e média renda.
AGECOM.

Lula será investigado nos EUA

Lula-Copa
A escolha do Brasil como sede da Copa do Mundo de 2014, anunciada em outubro de 2007, será investigada pela Justiça dos Estados Unidos.
Procuradores americanos confirmaram a informação nesta quarta-feira em Nova York, mas não deram mais detalhes a respeito.
“Não podemos falar mais sobre isso”, afirmaram em entrevista coletiva, horas após a prisão, em Zurique, do ex-presidente da CBF José Maria Marin e outros seis dirigentes da Fifa envolvidos em um esquema de corrupção que movimentou mais de 100 milhões de dólares.
As autoridades também investigam o pagamento de propina envolvendo o patrocínio da CBF por uma grande empresa dos EUA, a escolha da África do Sul como anfitriã da Copa de 2010 e as eleições presidenciais da Fifa em 2011.
Na sede da entidade na Suíça, ainda foram recolhidos documentos em uma apuração relacionada à escolha das sedes das Copas de 2018 e 2022.
Eu sempre achei que Lula não tinha ficado muito surpreso com o anúncio do Brasil como sede.
Mas não vou dizer que, para variar, ele sabia de tudo.

Venezuela abateu avião brasileiro no último final de semana

A Venezuela derrubou um avião brasileiro no último final de semana, causando a morte de dois amazonenses identificados como Klender Hideo de Paula Ida, de 24 anos, e Fernando César Silva da Graça, de 29 anos, que era o piloto. A alegação é de que a aeronave, que transportava 616 pacotes de cocaína, tentou entrar ilegalmente no país.
Após derrubada a aeronave, autoridades encontraram documentos dos brasileiros, US$ 500 e 1700 pesos colombianos. Detectado pelo sistema de inteligência venezuelano, o avião caiu na fronteira entre Venezuela e Colômbia, sendo considerada uma “força invasora”. Segundo as autoridades, ainda, os brasileiros mudaram o prefixo da aeronave para enganar as autoridades.

De acordo com o Itamaraty, o acontecido foi divulgado à Embaixada Brasileira em Caracas na segunda-feira (25) e, desde então, há contato com autoridades venezuelanas para mais detalhes. Os corpos, por sua vez, aguardam liberação no Hospital Central de Valencia para voltarem ao Brasil. Ainda segundo o Itamaraty, não há verba para traslado de corpos do exterior para o Brasil.

NEM LEVY ACREDITA

Para a verdadeira moléstia que aflige o ministro da Fazenda, não há coristina que dê jeito. Joaquim Levy virou o saco de pancadas preferido dos petistas, com Lula à frente

A lâmina do arrocho fiscal cortou fundo no Orçamento da União. Nem isso, porém, deverá ser capaz de dar jeito no desarranjo econômico que o primeiro governo de Dilma Rousseff legou ao atual. As maiores vítimas da tesoura foram os investimentos públicos e os ministérios que lidam com a área social. O ajuste revela-se, cada vez mais, de péssima qualidade.

Os R$ 70 bilhões anunciados na sexta-feira minarão os investimentos do PAC, as obras do Minha Casa Minha Vida, as verbas da saúde e da educação. É o maior corte já feito no Orçamento da União. Na hora em que a população mais se vê em aperto, mais lhe falta o auxílio do Estado.

O PAC, que já vinha se revelando uma miragem, engatou marcha a ré, perdendo quase 40% da verba deste ano. A educação ficou sem R$ 9,4 bilhões, confirmando que a “pátria educadora”, lema do atual governo, não passa de slogan publicitário totalmente vazio de conteúdo. O Minha Casa Minha Vida viu R$ 7 bilhões desmoronarem. No Turismo e na Pesca, as verbas caíram mais de 70%; melhor seria fechar.

Mas o balé do arrocho não ceifou apenas recursos que farão muita diferença na vida de quem mais precisa. O ministro da Fazenda também vai ficando pelo caminho, alvejado pela parca convicção do PT em torno da responsabilidade fiscal e da governabilidade. A presidente e seu partido tentam se dissociar do arrocho que promovem, deixando a Joaquim Levy a exclusiva paternidade das maldades.

As premissas dos cortes não param em pé e levaram Levy a se ausentar da entrevista em que o anúncio das medidas foi feito, alegando estar gripado. Para a verdadeira moléstia que o aflige, não há coristina que dê jeito. O ministro virou o saco de pancadas preferido dos petistas, liderados – e liberados para bater – por Lula. Um governo assim não se sustenta.

Para fechar as contas que Nelson Barbosa apresentou ao país na tarde de sexta-feira, o expediente parece ser um só: aumento de impostos. Até agora, as medidas tomadas pelo governo do PT já elevaram a carga tributária em R$ 25 bilhões neste ano. É possível que a facada no bolso sangre muito mais.

O governo do PT agora admite oficialmente que o PIB vai derreter 1,2% neste ano, na maior recessão em 25 anos. Os sinais da pindaíba se fazem notar, como na queda de 2,7% das receitas com tributos acumulada no ano até agora e a eliminação de quase 100 mil empregos num único mês. Mesmo num cenário desastroso como este, os prestidigitadores do Orçamento federal contam com alta de 5% na arrecadação até dezembro.

É tanta ficção que nem Joaquim Levy parece acreditar no plano anunciado. É melhor segurar a carteira, porque o governo vai avançar com força sobre ela. O arrocho está só começando. ( Instituto Teotônio Vilela)

Eduardo Cunha aprova financiamento privado para Campanha eleitoral

Após bate-boca entre deputados nos microfones do plenário, a Câmara dos Deputados aprovou, nesta quarta-feira (27), a proposta que inclui na Constituição Federal a doação de empresas privadas a partidos políticos. A proposta foi aprovada por 330 votos a favor, 141 votos contra e uma abstenção.

A aprovação do financiamento privado de campanha aconteceu após uma manobra executada pelo presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), que contou com o apoio de partidos de oposição, entre eles o PSDB.

A PEC (Proposta de Emenda Constitucional) da reforma política começou a ser votada nesta semana. Na última terça-feira (26), o plenário rejeitou uma propostaque incluía na Constituição a permissão para que empresas fizessem doações para candidatos e partidos.

Segundo o PT, PC do B e PSOL, existia um acordo entre as legendas prevendo que se a proposta fosse apreciada, outros projetos sobre financiamento não seriam levados a votação. O presidente da Câmara chegou a declarar que as outras propostas estariam “prejudicadas”, ou seja, não seriam votadas, mas nesta quarta-feira, Cunha, que defende o financiamento privado de campanha, voltou atrás.

Nesta quarta-feira, com o apoio de deputados da oposição e do PMDB, Cunha costurou um novo acordo para que pudessem ser votadas outras propostas de modelo de financiamento de campanha.

O “fruto” desse acordo foi uma proposta apresentada pelo deputado federal Celso Russomanno (PRB-SP) determinando que: empresas privadas só podem doar para partidos políticos e não para candidatos; além de receber doações de empresas privadas, os partidos também podem receber doações de pessoas físicas; candidatos só podem receber doações de pessoas físicas; os limites das doações de pessoas físicas e jurídicas deverão ser regulamentados por lei.

A principal diferença entre o texto rejeitado na última terça-feira e o aprovado nesta quarta-feira é que o texto rejeitado ontem permitia que empresas privadas doassem tanto a partidos quanto a políticos. No texto aprovado nesta quarta-feira, porém, empresas só podem doar a partidos.

O médico Roberto Lenox, da Coalizão pela Reforma Política e Eleições Limpas, entidade da sociedade civil que organizou um abaixo-assinado pelo financiamento público exclusivo de campanha, classificou a decisão da Câmara como “tragédia”. “Empresa não investe à toa. Que retorno haverá para milhões de reais investidos em uma candidatura? Corrupção. Ou vai comprar o parlamentar. É o pior dos mundos”, disse.

Supremo

Na prática, o texto aprovado nesta quarta-feira pouco altera o sistema de financiamento de campanha em vigor, mas tem um impacto significativo junto ao STF (Supremo Tribunal Federal).

A Corte julga, desde o ano passado, uma ação de inconstitucionalidade movida pela OAB (Ordem dos Advogados do Brasil) que pede o fim das doações de empresas privadas para campanhas eleitorais. Seis dos 11 ministros já se posicionaram a favor da proibição das doações privadas. Caso a proposta aprovada nesta quarta-feira entre em vigor, as doações passam a ser consideradas “constitucionais” e o julgamento do STF, paralisado por um pedido de vistas feito pelo ministro Gilmar Mendes, deverá ser revisto.

O financiamento privado de campanha é visto por analistas políticos como uma das “portas” para a corrupção. Em 2014, por exemplo, empresas investigadas pela operação Lava Jato, que investiga desvios de recursos públicos da Petrobras,doaram R$ 98,8 milhões às campanhas presidenciais de Aécio Neves (PSDB) e Dilma Rousseff (PT).

Ao falar sobre doações feitas por empresas a campanhas, o ex-diretor de Abastecimento da Petrobras Paulo Roberto Costa, um dos principais delatores da operação Lava Jato, disse que as empresas que doam a campanhas políticas buscam recuperar o valor por meio de contratos. “Não existe almoço grátis”, disse Costa.

Ainda nesta quarta-feira, a Câmara dos Deputados rejeitou a proposta que previa o financiamento de campanha 100% público. A proposta, apresentada pelo deputado federal Leonardo Picciani (PMDB-RJ) e inicialmente apoiada pelo PT, foi rejeitada por 343 votos contra, 56 votos a favor e 58 abstenções.

Na última terça-feira (26), os deputados rejeitaram a proposta que previa a mudança do sistema eleitoral no Brasil do atual proporcional com lista aberta para o chamado “distritão”. Atualmente, os votos para cargos legislativos (exceto o Senado) são direcionados às legendas. Quanto mais votos a legenda consegue, mais parlamentares ela consegue eleger.

No modelo chamado distritão, defendido por Cunha, Estados e o Distrito Federal seriam transformados em “distritos eleitorais” e os candidatos eleitos seriam os que obtivessem o maior número de votos, da mesma forma que prefeitos, governadores, presidentes e senadores são eleitos”.Notícias Uol. (Colaborou Bruno Lupion)

Aécio questiona as açoes de Dilma e as falsas promessas de Campanha

“A presidente Dilma tem o compromisso com a manutenção do texto que ora chega da Câmara dos Deputados e que poderá ser aprovado pelo Senado Federal em consonância com aquilo que disse na campanha eleitoral? Ou mais uma vez o discurso da campanha eleitoral terá uma desconexão forte com a ação da presidente da República?”, questiona Aécio Neves na votação esta tarde da MP 664, que mudou regras da previdência social.

imagem_materia

Senado aprova MP que altera regras de pensão por morte, auxílio-doença e fator previdenciário

O Senado aprovou nesta quarta-feira (27) a Medida Provisória 664/2014 que altera as regras para o recebimento do auxílio-doença e da pensão por morte, impondo carências e tempo de recebimento conforme a faixa de idade do beneficiário. A MP faz parte do pacote de ajuste fiscal do governo federal e segue para a sanção presidencial.

O texto-base é o relatório do deputado Carlos Zarattini (PT-SP), acatado pelo relator revisor no Senado, Telmário Mota (PDT-RR), com três emendas aprovadas na Câmara: alternativa ao fator previdenciário; regulamentação da pensão por morte para pessoas com deficiência; e exclusão do prazo de pagamento sobre o auxílio-doença.

Para o líder do PT no Senado, Humberto Costa (PE), o relatório conseguiu eliminar as possibilidades de gerar qualquer tipo de prejuízo aos trabalhadores e a proposta vai corrigir distorções e contribuir para o esforço do ajuste.

Garibaldi Alves Filho (PMDB-RN) afirmou que votou a favor da matéria “de cabeça erguida” por considerar que se trata de uma minirreforma da Previdência Social do Brasil.

– É preciso corrigir o que está errado, porque o Brasil é um dos poucos países onde não há carência do número de contribuições para se ter direito à pensão – observou.

Apesar de apoiar a proposta de flexibilização do fator previdenciário, mas impedido regimentalmente de votar o texto em separado, o líder dos democratas, senador Ronaldo Caiado (GO), acusou a medida de prejudicar as viúvas e os trabalhadores com problemas de saúde.

O líder do PSDB, Cássio Cunha Lima (PB), também chamou o governo de “perdulário, ineficaz e ineficiente”, transferindo a conta dos seus erros para os trabalhadores. Ele ainda criticou a interferência do Estado nas relações familiares.

– O governo do PT quer escolher a data da morte das pessoas e definir com que idade elas devem escolher seus parceiros, mesmo dentro de um regime de contribuição – disse.

Pensão por morte

A proposição prevê regras mais duras para a concessão de pensão, determinando que o direito só seja concedido ao cônjuge que comprove, no mínimo, dois anos de casamento ou união estável. A intenção é evitar fraudes e casamentos armados com pessoas que estão prestes a morrer. Atualmente, não há exigência de período mínimo de relacionamento.

O texto do relator mantém a exigência de 18 contribuições mensais ao INSS e/ou ao regime próprio de servidor para o cônjuge poder receber a pensão por um tempo maior. Se não forem cumpridos esses requisitos, ele poderá receber a pensão por quatro meses. A MP original não permitia esse curto período de benefício.

Apenas o cônjuge com mais de 44 anos terá direito à pensão vitalícia. A intenção é acabar com a vitaliciedade para os viúvos considerados jovens. Para quem tiver menos, o período de recebimento da pensão varia de três a 20 anos.

Para o cônjuge com menos de 21 anos, a pensão será paga por três anos; na faixa de 21 a 26 anos, por seis anos; entre 27 e 29, por dez anos; entre 30 e 40 anos, por 15 anos; na idade de 41 a 43, por 20 anos; e para os com 44 anos ou mais ela continuará vitalícia como era para todas as idades antes da edição da MP.

Esses números foram estabelecidos de acordo com a expectativa de vida definida pela Tabela Completa de Mortalidade do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) vigente na ocasião.

A parte da pensão que couber aos filhos ou ao irmão dependente deixará de ser paga aos 21 anos, como é hoje, sem qualquer carência. Os inválidos receberão até o término dessa invalidez.

Exceções

No caso do cônjuge considerado inválido para o trabalho ou com deficiência, o texto aprovado permite o recebimento da pensão enquanto durar essa condição.

Deverão ser observados, entretanto, os períodos de cada faixa etária, assim como os quatro meses mínimos de pensão caso as carências de casamento ou contribuição não sejam cumpridas.

Outra exceção à regra geral da pensão por morte é para o segurado que morrer por acidente de qualquer natureza ou doença profissional ou do trabalho. Mesmo sem as 18 contribuições e os dois anos de casamento ou união estável, o cônjuge poderá receber a pensão por mais de quatro meses, segundo as faixas de idade, ou por invalidez ou por ter deficiência.

As mesmas regras para a concessão e revogação da pensão por morte serão aplicadas no caso do auxílio-reclusão, um benefício pago à família do trabalhador ou servidor preso.

A MP também inclui na legislação previdenciária e do servidor público a previsão de perda do direito à pensão por morte para o condenado, após trânsito em julgado, pela prática de crime que tenha dolosamente resultado a morte do segurado, como já previsto no Código Civil.

Auxílio-doença

Foi mantida a regra atual para o pagamento do auxílio-doença. Ou seja, as empresas pagam os primeiros 15 dias de afastamento do trabalhador e o governo federal paga pelo período restante. A proposta original da MP era que a responsabilidade pelo pagamento dos primeiros 30 dias do benefício fosse do empregador.

O cálculo para limitar o valor do auxílio-doença será feito segundo a média aritmética simples dos últimos 12 salários de contribuição. Fica proibido o pagamento desse auxílio ao segurado que se filiar ao Regime Geral da Previdência Social com doença ou lesão apontada como causa para o benefício, exceto se a incapacidade resultar da progressão ou agravamento dela.

Perícia médica

Segundo o texto aprovado, a perícia médica para a concessão dos benefícios da Previdência não será mais exclusiva dos médicos do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS).

Nos locais onde não houver perícia do INSS ou se o órgão não for capaz de dar um atendimento adequado aos usuários, a perícia poderá ser realizada em órgãos e entidades públicos que integrem o Sistema Único de Saúde (SUS) ou por entidades privadas vinculadas ao sistema sindical e outras de “comprovada idoneidade financeira e técnica”.

Caberá aos peritos médicos da Previdência Social a supervisão da perícia feita por meio desses convênios de cooperação.

Flexa Ribeiro (PSDB-PA) criticou o que considera a terceirização para os peritos médicos. Na opinião do senador Walter Pinheiro (PT-BA), no entanto, a medida trará um “novo perfil para a área” e deve acabar com todo tipo de manipulação, o que seria uma luta da categoria.

Fator Previdenciário

Alternativa ao fator previdenciário, emenda incorporada ao texto-base da MP foi consenso no Plenário e estabelece que o trabalhador receberá seus proventos integrais pela regra do 85/95. No cálculo da aposentadoria, a soma da idade com o tempo de contribuição deve resultar em 85 para a mulher e 95 para o homem.

O fator previdenciário, aprovado em 1999, tem o objetivo de retardar as aposentadorias dentro do Regime Geral da Previdência Social. Pela regra do fator, o tempo mínimo de contribuição para aposentadoria é de 35 anos para homens e 30 anos para mulheres. O valor do benefício é reduzido para os homens que se aposentam antes de atingir os 65 anos de idade, ou, no caso das mulheres, aos 60 anos.

Para o senador Otto Alencar (PSD-BA), a modificação do fator previdenciário é necessária porque ele é “perverso” para o aposentado ao incluir a expectativa de vida no cálculo do benefício.

Paulo Paim (PT-RS), Randolfe Rodrigues (PSOL-AP), e vários outros senadores favoráveis à aprovação da proposta, questionaram a possibilidade de a presidente Dilma Rousseff vetar essa parte da medida provisória. Ao contrário de Omar Aziz (PSD-AM) e Jader Barbalho (PMDB-PA), que defenderam um voto de confiança no governo, acima das questões político-partidárias.

Vigência

Os principais dispositivos da Medida Provisória entraram em vigor em 1º de março de 2015. A maioria das alterações afeta tanto o Regime Geral de Previdência Social (RGPS) quanto o Regime Próprio de Previdência Social (RPPS), referente aos servidores civis da União. Não são afetadas as pensões militares.

Agência Senado (Reprodução autorizada mediante citação da Agência Senado)

TCU PODERÁ RESPONSABILIZAR DILMA PELA COMPRA DA REFINARIA DE PASADENA

O ministro Vital do Rêgo determinou que a área técnica do Tribunal de Contas da União (TCU) reavalie a responsabilidade da presidente Dilma Rousseff e de demais ex-integrantes do Conselho de Administração da Petrobrás em prejuízos na compra da Refinaria de Pasadena, no Texas (EUA). O ministro também requereu que se analise eventual culpa de representantes da Astra Oil, antiga sócia da estatal brasileira no negócio. Um comunicado sobre os novos passos da investigação será feito por Vital aos demais ministros da corte de contas em sessão marcada para esta quarta-feira, 27. Vital é relator dos processos que apuram dano ao erário na compra da refinaria americana. A inclusão de Dilma e demais conselheiros entre os responsáveis é um pedido do ministro substituto André Luís de Carvalho. Já a implicação da Astra foi solicitada pelo presidente do tribunal, Aroldo Cedraz, em despacho do fim do ano passado. Questionado, Vital explicou que a avaliação da área técnica a respeito não foi concluída. Os pareceres vão subsidiar futura decisão da corte sobre a entrada, ou não, de novas pessoas na lista de responsáveis.
O TCU apontou em julho do ano passado prejuízos de US$ 792 milhões na compra de Pasadena, feita em duas etapas, entre 2006 e 2012. A presidente Dilma Rousseff era presidente do Conselho de Administração da Petrobrás em 2006, quando o colegiado autorizou a aquisição dos primeiros 50% da refinaria, por US$ 360 milhões. Um ano antes, a Astra Oil havia adquirido 100% dos ativos por menos de US$ 50 milhões. Em nota ao Estado no ano passado, Dilma justificou que só deu aval ao negócio porque se embasou num parecer técnico e juridicamente falho, que omitia cláusulas do negócio consideradas por ela prejudiciais. No entanto, a presidente tinha acesso a outros papeis que traziam detalhes do processo. O parecer técnico classificado como omisso fora elaborado pelo então diretor Internacional da Petrobrás, Nestor Cerveró, hoje preso por suposto envolvimento no esquema de corrupção investigado na Operação Lava Jato. Em 2012, após um desacordo judicial com a sócia, a estatal brasileira pagou quantia superior a US$ 820 milhões pela segunda metade dos ativos. Ao fim, a refinaria, sucateada e de baixa produtividade, acabou saindo por mais de US$ 1,2 bilhão. O TCU, em julho, decidiu responsabilizar e bloquear bens apenas de ex-diretores e funcionários da Petrobrás, deixando a avaliação sobre a responsabilidade de conselheiros para a hipótese de surgirem novos elementos a respeito.

Fábio Fabrini, Estadão

A CAIXA-PRETA DO BNDES

Na era petista, o BNDES transformou-se numa espécie de Tesouro paralelo, financiando obras escolhidas pelos donos do poder e emprestando aos amigos do rei e da rainha

O governo do PT, mais uma vez, demonstrou seu pouco apreço pela transparência e pelo interesse público ao vetar a proposta que acabava com o sigilo nas operações de empréstimos e financiamentos feitas pelo BNDES. Aos petistas o que interessa mesmo é manter tudo longe da ação detergente da luz do sol.

A emenda com a proposta foi apresentada pelo PSDB no Congresso e propugnava que “não poderá ser alegado sigilo ou definidas como secretas as operações de apoio financeiro do BNDES, ou de suas subsidiárias, qualquer que seja o beneficiário ou interessado, direta ou indiretamente, incluindo nações estrangeiras”.

A proposta foi vetada, segundo o governo, porque “feriria sigilos bancários e empresarias e prejudicaria a competitividade das empresas brasileiras no mercado global de bens e serviços”.
Não é a primeira vez que a presidente opta pelo sigilo amplo, geral e irrestrito em relação ao BNDES. No ano passado, proposta com mesmo teor apresentada pelo PSDB, e aprovada pelo Congresso, também foi rejeitada por Dilma. O que tanto temem?

As desconfianças em torno dos desembolsos do BNDES têm sua razão de ser. Na era petista, o banco transformou-se numa espécie de Tesouro paralelo, financiando empreendimentos escolhidos pelos donos do poder e emprestando aos amigos do rei e da rainha. Com quase nenhuma transparência.

Trata-se de uma montanha de dinheiro movida à margem do escrutínio do público. Entre 2007 e 2014, os repasses do Tesouro aos bancos públicos passaram de R$ 14 bilhões (0,5% do PIB) para R$ 545 bilhões (10,6% do PIB). Deste valor, mais de 80% foram para o BNDES. Como estes recursos foram aplicados, ninguém sabe ao certo, mas desconfia-se.

São dezenas de operações sob suspeita, tanto aqui, quando no exterior, sempre com um traço comum: os beneficiários se tornam, em algum momento, pródigos doadores do PT e das campanhas eleitorais do partido. Apenas para lembrar algumas, há o porto de Mariel e o aeroporto de Havana em Cuba e o metrô de Caracas, na Venezuela.

Mas o governo petista quer mais. Na mesma medida provisória, foram autorizados mais R$ 30 bilhões para o orçamento do BNDES neste ano. Não contente, tentará – e possivelmente conseguirá – lançar mão de R$ 10 bilhões do FGTS para o banco, em reunião marcada para hoje. Na realidade, o que o governo do PT quer mesmo é um cheque em branco para gastar o dinheiro do contribuinte como bem entender.

Apenas estas duas operações darão ao governo Dilma o direito de dispor a seu bel-prazer de um valor próximo ao que foi cortado do Orçamento Geral da União na última sexta-feira. Ou seja, o governo retira da vigilância dos brasileiros o mesmo que pretende gastar longe dos olhos do público. Este sigilo é o mesmo que move as engrenagens da corrupção, tão azeitadas nas gestões do PT.

Este e outros textos analíticos sobre a conjuntura política e econômica estão disponíveis na página do Instituto Teotônio Vilela

petrobras

Diversos Processos contra a Petrobras – Lula e Dilma são inocentes?

size_810_16_9_Hugo_Chaves_presidente_da_Venezuela_o_então_presidente_Luiz_Inácio_Lula_da_Silva_e_o_presidente_da_Petrobras_Sergio_Gabrielli_na_refinaria_Abreu_Lima_uma_associação_com_a_venezuelana_PDVSA

Mais dois processos individuais foram abertos contra a Petrobrás na Corte de Nova York, de dois fundos de pensão, um dos funcionários do Estado de Ohio e outro de Estados do centro, sudeste e sudoeste dos Estados Unidos. A empresa brasileira já enfrenta seis ações individuais na Justiça americana e mais uma ação coletiva. Apenas nos últimos dias, quatro novos processos foram abertos na Corte, de investidores de vários países, incluindo EUA, Austrália, França e Luxemburgo.

 

Ações. Em maio foram abertas quatro ações individuais contra a Petrobrás na Corte de Nova York. Além dessas, foram abertos mais dois processos de fundos em março e cinco ações coletivas desde dezembro – estas últimas foram unificadas em uma ação em fevereiro.

Os fundos têm optado por abrir processos individuais contra a Petrobrás para conseguir indenização maior. Na ação coletiva, o investidor líder é responsável por representar os demais e participar das negociações.

Fonte: Informações do Jornal “O Estado de Sâo Paulo”

 

A Petrobras foi usada pelo PT e  seus aliados para ser roubada. Para alimentar Campanhas políticas e patrocinar a perpetuação do poder luludilmopetista e seus países comunistas aliados ao Foro de São Paulo. O prejuízo é irrecuperável. A empresa vai precisar de  no mínimo  uma década para tentar alcançar a posição que já possuia antes da ingerência política petralha. Mas se neste momento possuisse o que tinha, após dez anos, estaria em situação melhor. Por este motivo, repito: o prejuízo é irrecuperável.

( Jorge Roriz)

 

Curiosidade sobre o ex- tesoureiro do PT, João Vaccari – O homem da mochila (Moch)

Curiosidades sobre João Vaccari Neto, o “Moch”:

1) Era presidente da Bancoop (Cooperativa Habitacional dos Bancários de São Paulo) quando ela quebrou em 2006, deixando 32 obras inacabadas e mais de 3.500 famílias na rua da amargura.

2) A Bancoop quebrou, segundo o Ministério Público, com um rombo de pelo menos 100 milhões de reais, porque seus dirigentes desviaram dinheiro pago pelos mutuários para “fins escusos”.

3) Parte do dinheiro, segundo o promotor José Carlos Blat, foi para financiar campanhas eleitorais do PT.

4) Vaccari é um dos cinco réus que respondem na Justiça por estelionato, formação de quadrilha, lavagem de dinheiro e falsidade ideológica.

5)Lula comprou um tríplex no edifício Solaris, no Guarujá (SP), em uma das oito obras assumidas pela OAS depois da quebra da Bancoop.

6) Vaccari pagou por um apartamento nesse mesmo prédio de Lula, como mostra o documento de 2006 abaixo.

7) O fato de o edifício onde o ex-presidente tem apartamento ter sido um dos poucos que ficaram prontos irritou cooperados que continuam até hoje sem ver a cor dos imóveis pelos quais passaram anos pagando.

8) No início da gestão petista, Vaccari era presidente do Sindicato dos Bancários de São Paulo e secretário de finanças da Central Única dos Trabalhadores (CUT), o exército de Lulaprestes a sair às ruas no dia 13

contra a tosse da vaca do governo Dilma.

9) Em 2003, Vaccari foi nomeado por Dilma para o Conselho de Administração da usina hidrelétrica Itaipu Binacional.

10) A nomeação foi uma espécie de prêmio de consolação, já que Vaccari havia sido preterido na disputa da presidência da Caixa Econômica Federal.

11) No mesmo dia, foi nomeada para o cargo de diretora financeira executiva de Itaipu a senadora Gleisi Hoffmann (PT-PR), “companheira” também presente agora na lista do petrolão.

12) No cargo de Itaipu, Vaccari recebia R$ 21 mil por mês para comparecer a seis reuniões por ano. Sim: você leu direito.

13) Dilma o manteve no cargo mesmo após Alberto Youssef e Paulo Roberto Costa o acusarem de intermediar negócios entre fundos de pensão de estatais e empresas ligadas ao doleiro. Costa disse que da propina recolhida em sua diretoria (de 3% sobre os contratos), dois terços ficavam com o PT, arrecadados justamente pelo tesoureiro do partido.

14) Vaccari teve seu nome citado por Aécio Neves em vários debates presidenciais por conta disso.

15) No do SBT, o tucano questionou: “Se a senhora não tem receio e diz aqui que quer apuração, por que o seu partido essa semana impediu que o senhor Vaccari fosse à CPI depor? E vou lhe dizer mais, candidata, ele ainda é o tesoureiro do seu partido e é responsável por transferir recursos para a sua campanha. Terá sido por isso que ele não foi afastado? Porque pelo menos quatro milhões de reais foram transferidos, com a assinatura do senhor Vaccari nessa campanha eleitoral para sua conta de campanha. De onde veio esse recurso, candidata? Vamos investigar logo.”

16) Curiosamente, Vaccari sóperdeu a boquinha

depois das eleições, em janeiro de 2015, um dia após o vice-presidente da construtora Engevix, Gerson de Mello Almada, preso na sétima fase da Operação Lava Jato, denunciar “a arrecadação desenfreada de dinheiro para as tesourarias dos partidos políticos”.

17) Dos 200 milhões de dólares roubados pelo PT na Petrobras, segundo Barusco, pelo menos 50 milhões teriam passado pelas mãos do “Moch”. (Entenda o esquema –AQUI

.)

18) Em fevereiro, agentes da PF tiveram de pular o muro de sua casa para levá-lo à delegacia.

19) Eles apreenderam documentos, aparelhos de telefone celular e arquivos eletrônicos, nos quais nada encontraram de relevante. Vaccari, concluíram os agentes, já limpara o terreno.

20) José Dirceu recebeu quase 4 milhões de reais de três construtoras ligadas ao petrolão por servicinhos de “consultoria”, aquele velho eufemismo para “tráfico de influência” no Brasil. E o dono de uma delas revelou à VEJA que os contratos foram assinados a pedido de Vaccari.

21) Um laranja de Youssef depositou em 2008:

,

400 mil reais na conta da mulher de Vaccari, Giselda Rousie de Lima. Quem pagou, na verdade, foi a Toshiba, depois de assinar um contrato com a Petrobras para as obras do Comperj.

22) A cópia do extrato bancário é uma das provas que favoreceram a sua inclusão na lista da Lava Jato.

Em suma: Moro e Janot abriram a mochila de Vaccari. Lula e Dilma já não conseguem mais dormir.

http://veja.abril.com.br/blog/felipe-moura-brasil/2015/03/07/moro-e-janot-abrem-mochila-de-vaccari-tremei-lula-e-dilma/

O Brasil precisa saber quem é o verdadeiro chefe do mensalão e petrolão

Revista Veja – José Dirceu poderá denunciar Lula..

Magoado e desprezado por Lula e desejando reduzir à condenação que poderá receber, DIrceu, PODE CONTAR TUDO QUE SABE………

O ex-ministro chefe da Casa Civil José Dirceu estaria disposto a falar da participação do ex-presidente Lula tanto no mensalão, quanto na Lava Jato. A informação é da revista  Veja desta semana.

Segundo a Veja. Dirceu “jamais se voltou contra o antigo chefe, que lhe prometeu ajuda — e recursos — para desmontar a ‘farsa do mensalão’. Deu em nada”.

“Investigado no escândalo do petrolão, o ex-ministro agora emite sinais de que pode contar o que sabe sobre os dois esquemas de corrupção usados pelo governo para comprar o apoio de partidos aliados. Seus amigos garantem que, se cumprir a promessa, o magoado e abandonado Dirceu vai fritar o antigo chefe”, ressalta a revista.

A última edição da Veja, que chegou nas bancas na sexta-feira ( 19/05), informa: Lula somente não foi implicado no escândalo do mensalão porque o operador do esquema, o publicitário Marcos Valério, pediu propina ao PT para não comprometer o ex-presidente no caso. O pedido de propina ocorreu durante uma conversa entre ele e o senador Delcídio do Amaral (PT-MS), na época presidente da CPI dos Correios, que investigava o caso. Amaral negou qualquer conversa neste sentido.

Assista: Pastor Malafaia “detona” Lula

“Você está enganado, Lula. Nós sabemos que o diabo é um ser que odeia o ser humano. Mas nós não tiramos as responsabilidades das pessoas de suas ações”, afirma o pastor. “O mensalão não foi o diabo, foi o PT. A roubalheira escandalosa da Petrobras, não é o diabo não, é o seu partido, é o PT”.

Malafaia disse ainda que Lula estaria mentindo. “Quando o homem mente descaradamente ele se parece com o diabo. Lula, que tal você falar toda a verdade e deixar de enganar o povo brasileiro?”, afirmou Malafaia.

COLETIVA DO PRESIDENTE DO PSDB, SENADOR AÉCIO NEVES

PARA OUVIR, Clique AQUI

Trechos da entrevista:

Qual foi o resultado da reunião?

Uma ação conjunta das oposições, que, na terça-feira da próxima semana, estarão atuando junto à Procuradoria-Geral da República. Portanto, entrando com uma ação de crime comum contra a presidente da República pelas chamadas pedaladas fiscais. O que é mais importante é que daqui por diante as oposições trabalharão sempre juntas e esse crime foi comprovado, não pelas oposições, foi comprovado pelo próprio Tribunal de Contas da União. O parecer do ex-ministro Miguel Reale é extremamente consistente para que a Procuradoria-Geral abra um processo de investigação contra presidente da República.


Há expectativa de grandes cortes em todas as pastas. Isso vai ser mais uma prova de que a presidente mentiu disputando a reeleição?

Acho que o Brasil inteiro já compreende isso. Para vencer as eleições, o governo do PT e a presidente Dilma cometeram irresponsabilidades que hoje penalizam os mais pobres porque o governo sabia da necessidade correções e não as fez no tempo certo e a um custo muito menor. Preferiu deixar que a situação do país se agravasse como se agravou e, agora, 90% da conta desse ajuste serão pagos pelo trabalhador brasileiro, pelas famílias brasileiras. E ao mesmo tempo em que o governo deveria estar dando exemplos de enxugamento da máquina, de racionalização da máquina pública, de contenção de cargos, diminuição de cargos de livre nomeação, a presidente da República os utiliza da pior forma possível. O que voltou foi o balcão de barganha.

Distribuição de cargos federais

Estamos vendo o prenúncio de novos escândalos no futuro porque agora, neste instante, enquanto conversamos aqui, o Palácio do Planalto, disse alguns gabinetes, que tem uma planilha de cargos e uma fila de parlamentares da base esperando a nomeação de seus apadrinhados. Para quê? Será que esta é a lógica para tirar o Brasil desta dificuldade? Não é. Por isso, nós da oposição estaremos contra o ajuste fiscal porque o governo, perdulário como o atual, que não reconhece as causas da crise que foram construídas por ele mesmo não merece que os trabalhadores brasileiros paguem quase que solitariamente a conta deste ajuste.

PT: TEU PRESENTE TE ENCARCERA

Os petistas querem que os brasileiros olhem para um passado de ficção para esquecerem um presente de realíssimas agruras, com suas roubalheiras e penúria econômica

Os petistas ficaram incomodados com o programa de televisão

que o PSDB levou ao ar na noite da última terça-feira. Dita com tanta contundência e objetividade, a verdade doeu-lhes fundo na alma. A reação do PT não tardou, repetindo sua velha estratégia de sempre: tentar forçar os brasileiros a olharem para um passado fictício e se esquecerem de um realíssimo presente de agruras. Não cola.

Ressuscitar fantasmas do passado até poderia funcionar se as pessoas não estivessem mesmo é preocupadas com os monstros do presente. Que palavras o PT tem a dizer sobre o pior momento econômico desde Fernando Collor? Sobre a maior inflação em mais de 20 anos? Sobre o maior corte orçamentário na saúde e na educação da história? Sobre o desemprego em alta? Aparentemente, nada.

A tentativa diversionista é tão extemporânea quanto esdrúxula. Transposta no tempo, equivaleria, por exemplo, a vermos Fernando Henrique Cardoso, ao assumir a presidência do país em 1995, culpar as mazelas produzidas pelo governo do general João Baptista Figueiredo. Todos se lembram que, quando chegou ao poder, a preocupação do tucano foi outra: construir um novo futuro para o país.

Os petistas também omitem que o passado ao qual condenam é o mesmo que legou ao presidente Lula as condições para que conduzisse o país nas boas ondas da bonança econômica global e expandisse as conquistas sociais. Sem esta herança bendita, talvez a gestão petista não tivesse passado de um breve interregno na história do país.

O PT diz que irá recorrer à Justiça para conseguir direito de resposta. Será ótimo se a obtiver. O partido dos mensaleiros poderá aproveitar a oportunidade para tentar explicar a roubalheira na Petrobras, as mentiras da campanha eleitoral e o arrocho recessivo que está asfixiando os brasileiros. Até porque o horário de TV a que os petistas também têm direito foi todo usado para fantasias.

O partido também poderá usar sua prerrogativa para defender seus encarcerados. Chamar, em rede nacional, os condenados José Dirceu, José Genoino, João Paulo Cunha e Delúbio Soares de “guerreiros do povo brasileiro”. E, ainda, advogar a inocência de João Vaccari Neto, de Paulo Roberto Costa, de Renato Duque e de Nestor Cerveró, expiando-os da culpa pelos bilhões de reais que a Petrobras inscreveu em balanço como perdas com a corrupção e a má gestão.

O que os petistas podem ter certo é que a crítica ao que o governo deles faz de errado não irá cessar. Em ditaduras, o contraditório é calado; em contos de fadas, às vezes é o passado quem prevalece. Na realidade brasileira de hoje, o que importa é proteger o país dos males – atuais e reais – que o PT continua a promover, aparentemente de maneira ilimitada e sem nenhuma chance de autocrítica. Até de dentro de prisões.

Este e outros textos analíticos sobre a conjuntura política e econômica estão disponíveis na página do Instituto Teotônio Vilel

ESTUPRADORA

Mulher estupra homem – A vítima dormia e acordou “atacado” pela tarada

Nos Estados Unidos, uma mulher foi acusada de estuprar um homem – que estava dormindo -, após invadir seu apartamento no meio da noite.

Chantae Marie Gilman, de 28 anos, admitiu o estupro, mas afirmou não conhecer o homem e não se lembrar de nada do que aconteceu naquela noite.

A mãe de três filhos, que diz sofrer de transtorno bipolar e psicose, subiu na cama da vítima enquanto ele dormia.

O homem contou a polícia que acordou por volta das 2 horas da manhã e encontrou a mulher, que pesa aproximadamente 100 quilos, tendo relação sexual com ele enquanto segurava suas mãos sobre sua cabeça.

Após muitas tentativas, ele conseguiu expulsar Chantae de sua casa e procurou a polícia para relatar o ocorrido. Os oficiais confirmaram a acusação de estupro depois que o DNA da acusada foi encontrado na vítima.

O caso aconteceu em junho de 2014. Este ano, Chantae Gilman foi declarada culpada e será sentenciada no dia 19 de junho. Seu acordo judicial exige que ela cumpra dois anos de liberdade condicional, após libertação da prisão preventiva.

FACHIN: CHEQUE EM BRANCO PARA O PT

O novo ministro deixou muitas perguntas sem respostas. A questão é: prevalece o que ele ardorosamente defendeu no passado ou o que, por conveniência, professou no Senado?

O PT conseguiu ontem emplacar seu indicado à vaga aberta por Joaquim Barbosa no Supremo Tribunal Federal quase dez meses atrás. Luiz Edson Fachin chega à corte sem dirimir dúvidas que marcaram sua atuação durante os 34 anos em que exerceu a advocacia. Os brasileiros não sabem se o que vale é o que ele defendeu a vida inteira ou o que convenientemente tentou professar diante dos senadores.

A aprovação de Fachin foi a mais apertada entre todos os atuais integrantes do STF. Votaram contra sua indicação 27 senadores. Para ser bem sucedido, o indicado do PT contou com estrutura cara e inédita – ninguém sabe quem pagou por ela – e com uma mobilização política que incluiu até o atual presidente do Supremo, Ricardo Lewandowski. Por que tanto interesse em emplacar Fachin no tribunal?

Ao comentar o resultado, o novo ministro do STF afirmou

que a vitória de ontem é “a concretização de uma trajetória que a partir de hoje se converte em compromisso com o presente e o futuro”. A questão é: afinal, prevalece o que Fachin ardorosamente defendeu no passado ou o que, por conveniência, professou na sabatina da última semana?

Na terça-feira passada, ele evitou, durante todo o tempo, manifestar claramente sua posição em relação à lista de temas polêmicos com os quais se envolveu ao longo de sua vida profissional. Limitou-se a frases bem comportadas, mas nenhum comprometimento real em relação aos muitos temas com os quais terá de se deparar no Supremo. Nenhum esclarecimento sobre suas reais ideias, passadas ou presentes.

O traço principal de suas intervenções foi a generalidade. Seu maior objetivo durante aquelas 11 horas de sabatina foi conciliar posições antagônicas. Sua campanha foi de defesa, não de elucidação. Luiz Fachin deixou muitas perguntas sem respostas e só agora, já empossado como 11º ministro do Supremo, será possível saber o que de fato professa.

Fica a dúvida, por exemplo, sobre se o que prevalece são suas convicções históricas simpáticas ao MST e à imposição de limites ao direito de propriedade ou a “ética da responsabilidade” de agora, que diz ter “superlativizado” no passado a legitimidade das lutas sociais.

Também persiste a incógnita sobre ter sido mera “coincidência” Fachin ser escalado como porta-voz dos advogados que apoiavam Dilma Rousseff em 2010, quando, na verdade, ele foi um dos artífices do documento e o terceiro a assinar o manifesto.

O novo ministro diz-se um respeitador da Constituição. Mas como explicar sua interpretação tão elástica quanto enviesada e interessada da vedação expressa na Constituição paranaense ao duplo exercício da advocacia por quem ocupa cargo de procurador do Estado? Diante da prevalência de tantas suspeitas, os 52 senadores que ontem aprovaram o nome de Luiz Edson Fachin deram um cheque em branco ao PT.

Este e outros textos analíticos sobre a conjuntura política e econômica estão disponíveis na página do Instituto Teotônio Vilela

Grupo Globo é única empresa de mídia brasileira em lista das maiores do mundo

Em 17° lugar, o Grupo Globo é o único a figurar no relatório Top Trinta Proprietários Global Media. O estudo feito pela ZenithOptimedia lista as empresas de acordo com as receitas de mídia e estimativa da pesquisadora. Assim como no ano passado, o Google permanece no topo e é, agora, 136% maior do que a Disney.

Leia Mais:
Sobre o Grupo Globo, no relatório do ano passado, a empresa apareceu em 20° lugar. O desempenho no novo posicionamento a coloca como a terceira de maior crescimento no mundo. O avanço foi de 15%, atrás apenas de Facebook (63%) e do Baidu (43%). O estudo explicou que o grupo se beneficiou da presença no mercado de publicidade emergente, porém, “as recentes dificuldades econômicas do país podem limitar o crescimento em curto prazo”.

“O rápido crescimento da mídia digital e dos mercados de publicidade emergentes fortaleceu a posição dos donos de mídia, tais como Google, Facebook, Baidu e Grupo Globo, em detrimento dos proprietários de meios de comunicação tradicionais nos mercados desenvolvidos”, disse o chefe de Forecasting do ZenithOptimedia, Jonathan Barnard.

Portal Comunique-se

Dianelys San Roman 02

A médica cubana Dianelys San Roman Parrado fugiu do Brasil para Miami (EUA)

 Ela estava sendo pressionada pelo governo de Cuba para que seu marido e seu filho de cinco anos voltassem à ilha prisão.

Dianelys havia chegado ao Brasil em dezembro de 2013, no contexto do plano “Mais Médicos”, bandeira petista para instalar cidadãos cubanos como profissionais da saúde no interior do País e na periferia de grandes cidades. Ela trabalhava em Jandira, na Grande São Paulo.

Pelo acordo, os médicos cubanos podem receber a visita dos familiares. Mas muitos deles, nem é preciso dizê-lo, não gostam da ideia de voltar à miserável ilha socialista.

Então Cuba ameaça substituir os médicos ou cassar os seus diplomas, para que os familiares dos escravos não permaneçam no Brasil. Também segura na ilha os médicos que voltam de férias, pois eles não podem escolher: o patrão absoluto exige quem vai a Cuba, pois teme as deserções.

Dianelys confirmou sua fuga em mensagem ao seu supervisor, o médico Gustavo Gusso, professor da USP. Disse não ter aguentado a pressão para o regresso do marido e do filho.

Dianelys disse à Folha que em Cuba o filho estudava numa escola bilíngue e o marido trabalhava numa fábrica de parafusos. “Gosto do meu trabalho, mas não quero me separar deles por nada”, disse ela. Marido e filho haviam chegado ao Brasil em novembro.

Dianelys escondeu seu projeto: o temor é de que entre os “médicos” haja membros da polícia secreta cubana que os espionam para prevenir fugas à liberdade.

A Dra. Dianelys fugiu do Mais Médicos para salvar a união familiar..

A Dra. Dianelys fugiu do Mais Médicos para salvar a união familiar..

“Ela fazia um ótimo trabalho, contou o professor Gusso. Ficou felicíssima quando o marido e o filho vieram. Ultimamente, estava muito nervosa com a pressão [do governo cubano]. Tinha medo, chorava”, acrescentou.

A Secretaria da Saúde de Jandira informou laconicamente que a médica não foi trabalhar. E, em nota, o Ministério da Saúde disse aguardar um comunicado oficial da ausência. Se a médica não aparecer, será desligada do programa. A medida seria radical se não fosse o fato que ela está livre em Miami.

Até dezembro, dos 14.462 profissionais trabalhando no Mais Médicos, 11.429 (79%) eram cubanos. Desde o início do programa, ao menos 40 desertaram.

A Folha tentou se comunicar com o governo cubano, mas seus e-mails e ligações não tiveram retorno. Entende-se bem por quê.

O Ministério da Saúde alega não poder interferir nas relações trabalhistas entre os profissionais e Cuba. Acontecesse algo semelhante num país não socialista e até hoje estaríamos ouvindo o berreiro.

As informações tem como fonte a Folha de São Paulo

A petezada cada vez mais suja

Os empresários  Eduardo Leite e Dalton Avancinida da empreiteira Camargo Corrêa, confirmaram nesta segunda-feira (18) ao juiz Sérgio Moro, na 13ª Vara Federal em Curitiba (PR), que a construtora fez pagamentos milionários de propina em diretorias da Petrobra

Eles acusaram o tesoureiro do PT João Vaccari Neto de  recebeu dinheiro de propina através  de contratos fraudados ligados as refinarias de Presidente Getúlio Vargas (Repar), e de Paulínia (SP) em Araucária (PR).

Eles  fizeram acordos de delação premiada e são  testemunhas de acusação envolvendo o processo a que Vaccari, o ex-diretor Renato Duque e outras dezoito pessoas respondem por lavagem de dinheiro, corrupção e formação de quadrilha.

JR

Lula será candidato ao governo paulista ?

Edição do Alerta Total – www.alertatotal.net
Por Jorge Serrão – serrao@alertatotal.net
Luiz Inácio Lula da Silva pode ser candidato à Prefeitura de São Paulo em 2016. A eleição municipal, dada como perdida em São Paulo se Fernando Haddad concorrer à reeleição, serviria de teste de popularidade para Lula disputar o Palácio do Planalto em 2018. Este é o mais recente factóide ou boato plantado pela cúpula petista nos informes produzidos por grandes escritórios de lobby. O raciocínio-brincadeira dos boateiros é: se Jânio Quadros, ex-Presidente da República que renunciou em 1961, venceu a Prefeitura paulistana na disputa contra FHC, por que o companheiro $talinácio não pode fazer o mesmo?
O PT está rachado para a próxima disputa municipal na capital paulista. Um grupo defende a natural reeleição de Haddad, apesar do desgaste de imagem que ele sofre. Ele teria como candidato a vice o ex-senador Eduardo Suplicy, para disputar o voto da periferia. Outro grupo já briga, intestinamente, para que Aloísio Mercadante seja o candidato, mesmo sabendo que o chefão Lula estaria rompido com o filho do General Oliva. Mercadante teria o apoio do diretório estadual, manobrado pelo ministro Edinho Silva. Uma outra banda deseja trair o PT, apoiando uma quase certa candidatura da quase-ex-petista Marta Suplicy, pelo PSB.
Um aliado do PT já figura com grandes chances de tentar um retorno ao Edifício Matarazzo: Gilberto Kassab, do PSD. Já se sabe que o PSDB não teria um candidato com densidade para a eleição de 2016, e pode até apoiar o aliado que se bandeou para o lado petista em troca do Ministério das Cidades. O jogo pode mudar de figura se Luiz Inácio Lula da Silva se tornar a “grande novidade” na disputa para o cargo de alcaide. Pode ser mais um factóide, igual ao que Lula concorreria ao Senado, em 2014, para garantir foro privilegiado. Lula preferiu correr o risco de ficar onde estava, a disputar um pleito contra a máquina estadual tucana.
Lula vive um momento delicadíssimo. Apesar de sua impressionante blindagem, sabe que corre o risco concreto de ter problemas judiciais, por causa da Lava Jato ou da Porto Seguro. Por isto, sua máquina de informação age, nos bastidores, para acuar adversários e impedir que seja alvo de denúncias, apesar da vontade da maioria opositora nas redes sociais. Infelizmente, a pretensa oposição política só bate em Lula no discurso. Na prática, de concreto, não se consegue uma maioria parlamentar com coragem e disposição para confrontá-lo. Se os políticos não batem, o Ministério Público também não tem a mesma ousadia.
Assim, Lula segue em frente, mais mordendo que assoprando, com risco de sobreviver e avançar. Ele já posa de grande crítico do modelo econômico atual para se credenciar como candidato ao Palácio do Planalto do 2018. Dilma Rousseff e ele têm um acordo tático. A Presidenta arca com o desgaste das medidas impopulares. Se a situação melhorar, fica bom para ambos. Se piorar, Lula, o crítico de plantão, fica descolado dela. Nos bastidores, os dois se amam como sempre, apesar da fofoca de que Dilma não dá bola para o que Lula fala. Tudo jogo de cena da pior qualidade…
A crise econômica se intensifica e ganha ares de impopularidade. Isto, sim, abala Dilma mais que a eclosão de escândalos sem fim. O maior inimigo de Dilma – e do Brasil – chama-se Joaquim Levy. O porta-voz operacional dos banqueiros e rentistas comanda a economia. Dilma fica de refém da política levyana (perdão pelo trocadilho infame). Ontem, na domingueira para definir como será o ajuste fiscal, uma tal “Junta Orçamentária” já falou de se elevar mais tributos, a partir de decretos, para compensar medidas de elevação de gastos aprovadas pelo Congresso que também mantém Dilma como refém. A Presidenta, Levy e os ministros do Planejamento, Nelson Barbosa, e da Casa Civil, Aloizio Mercadante passaram quatro horas em reunião no Palácio da Alvorada.  

O Globo informa que Levy defende um contingenciamento de gastos próximo a R$ 80 bilhões, segundo fontes do governo. O ministro estaria disposto a sacrificar os investimentos para garantir o cumprimento da meta de economia para pagar juros da dívida pública, o chamado superávit primário, de R$ 66,3 bilhões, ou 1,2% do Produto Interno Bruto (PIB) deste ano. Ou seja, a prioridade levyana é que os bancos não sofram um calote e recebam em dia os juros que sobem cada vez mais, com a desculpa esfarrapada de combater a inflação. No final, quem pagará a conta do arrocho fiscal é o cidadão-eleitor-contribuinte. Como costumeiramente acontece no Brasil Capimunista…

Em resumo: A gente vai levando… E os políticos e corruptos (perdão pela redundância) vão rindo da nossa cara…

Lula poderá ser incluído no processo do mensalão

Nesta segunda-feira, o defensor de Jefferson, Luiz Francisco Barbosa, pedirá ao Supremo Tribunal Federal a inclusão do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva como réu no processo do mensalão.

Roberto Jefferson ao sair da prisão afirmou: ” Está aqui  emgasgado ( apontando para a garganta) .Se eu falar, Barroso manda me prender.

RICARDO PESSOA DELATA A GRÁFICA QUE “PRODUZIU” MILIONÁRIAS CAMPANHAS PARA DILMA E JAQUES WAGNER

 

A reportagem a seguir é da revista IstoE deste sábado (16/05)

Revelações comprometem diretamente Dilma Roussef e o seu ministro da Defesa, Jaques Wagner.

Leia:

Aos procuradores, o dono da UTC teria indicado que parte dos R$ 26,8 milhões que o PT pagou a VTPB Serviços Gráficos e Mídia Exterior teve origem no Petrolão. Só a campanha de Dilma injetou na VTPB quase R$ 23 milhões, dinheiro que daria para imprimir 368 milhões de santinhos do “tipo cartão”, modelo descrito nas notas fiscais anexadas à prestação de contas. O montante é duas vezes e meia o total de eleitores habilitados no País. Denunciada pela mídia como uma “gráfica fantasma”, a VTPB também recebeu R$ 3,5 milhões das campanhas do deputado federal Arlindo Chinaglia (PT) e do governador da Bahia, Rui Costa (PT).

O dono da VTPB é o empresário Beckembauer Rivelino de Alencar Braga. Criador de cavalos de raça, ele diz que a VTPB encomenda de outras gráficas a produção e usa o citado endereço apenas para comprar matéria prima e pagar os encargos. “É de conhecimento público e notório que a empresa VTPB prestou efetivamente todos os serviços para os quais foi contratada, em representação e parceria com empresas do setor, inclusive para outros candidatos e partidos, a exemplo do PSDB e do PMDB, e todo o material de campanha produzido foi devidamente auditado pelos partidos e aprovado pela Justiça Eleitoral”, disse o empresário em nota. De fato, a gráfica também prestou serviço a campanhas tucanas, mas os valores são bem inferiores aos pagos pelo PT. Em suas conversas com os procuradores, Pessoa afirmou que a gráfica foi usada para que dinheiro fruto do Petrolão chegasse à campanha petista como se fosse uma doação oficial. Com isso, endossou a tese de investigadores da Lava Jato sobre a possibilidade de o caixa oficial da campanha ter sido ferramenta para lavar dinheiro de corrupção.

 

A suspeita sobre o uso da VTPB levou o vice-presidente do TSE, o ministro Gilmar Mendes, a oficiar a Procuradoria Geral da República, a Receita Federal, a Secretaria de Fazenda de São Paulo e o Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf). Em seu despacho, Gilmar alegou “indícios de irregularidades” nas contas da “gráfica fantasma”. A iniciativa, que agora terá o apoio do Ministério Público, servirá para rastrear a origem do dinheiro e seu destino final, saber se a UTC bancou diretamente os custos de impressão dos santinhos ou se o dinheiro passou pela conta do PT, e se os serviços foram realmente prestados

Operação dos EUA na Síria matou 32 jihadistas do EI, incluindo quatro líderes

A operação militar americana na Síria na qual um chefe do grupo Estado Islâmico (EI), Abu Sayyaf, morreu, matou 32 membros da organização, incluindo outros três líderes, afirmou neste domingo uma ONG.

Além de Abu Sayyaf – responsável pela venda de petróleo e gás do EI – morreram o vice-“ministro da Defesa” do grupo, um encarregado de comunicação e um quarto líder não identificado, segundo o Observatório Sírio de Direitos Humanos (OSDH).

Um funcionário da Defesa americana comunicou no sábado que as forças especiais americanas haviam matado Abu Sayyaf e uma dúzia de combatentes nesta operação terrestre na Síria. Os jihadistas não forneceram, por sua vez, nenhum balanço de mortos.

O responsável de comunicação era de nacionalidade síria, enquanto Abu Sayyaf e os outros dois líderes abatidos eram originários do Magreb, disse Rami Abdel Rahman, diretor do OSDH, uma ONG com sede em Londres que se apoia em uma rede de informantes na Síria.

Esta operação terrestre, a primeira reivindicada pelos Estados Unidos contra o EI para capturar um de seus líderes, foi realizada em Al Omar, um dos maiores campos petrolíferos da Síria, que está nas mãos do Estado Islâmico.

Abu Sayyaf morreu “em uma troca de tiros com as forças americanas”, disse a Casa Branca, ressaltando que nenhum militar americano morreu ou ficou ferido.

Segundo Washington, Abu Sayyaf era um funcionário de alto escalão do grupo jihadista, que proclamou um califado entre Iraque e Síria, e “desempenhou um papel chave na supervisão das operações ilícitas do EI (relacionadas com) o petróleo e o gás”, uma fonte de financiamento primordial para a organização extremista.

A farsa Luludilmopetralha

A situação econômica do Brasil  é de crise, mas isto não é algo recente. O que ocorreu foi um estelionato eleitoral, falcatruas e roubos feito pelo Lulupetismo ( Lula, Dilma e o PT) que enganaram  milhões de brasileiros.

Promesas de baixar valor da  conta de luz, grandes progressos com o pré-sal, milhões que saíram da miséria, controle da inflação, milhões de casas populares, 6000 creches, gasolina com preços congelados ( gerando prejuízos a Petrobras), imunidade a crise internacional ( que para Lula era uma marolinha) quitação da dívida interna, pobres nas faculdades ( que se formam sem saber escrever?), e muitas outras promessas, foram falcatruas de Lula e Dilma e o PT para se perpetuarem no poder.

Após a eleição de DIlma, com a Operação Lavajato, a farsa da falsa prosperidade, chegou ao conhecimento do povo brasileiro. Os eleitores de Lula Dilma e os não eleitores ( todos) sentem no bolso, o golpe eleitoral  petista.

Será que com tudo isto, Lula – PT vence em 2018?

Jorge Roriz

 

As trapalhadas dos petralhas na diplomacia brasileira

Por Ernesto Caruso
As trapalhadas dos governos petistas de Lula e Dilma são de morrer de rir, misto de indignação e gozação para não enfartar, e poderiam compor quadros de humor do “Zorra total” ou “A Praça é nossa”. As duas figuras estão presentes nas charges de toda a ordem com autores e atores profissionais e amadores. Vídeos em profusão. Humor negro.
Do apoio a Zelaia que pretendia se perpetuar no poder em desacordo com a Lei Magna de Honduras, fiasco da diplomacia ao transformar a Embaixada do Brasil em palanque do “companheiro”, ao livro do Mujica com destaque na confissão de Lula sobre o mensalão. Do gesto obsceno do assessor Marco Aurélio, face ao desastre da TAM, que lhe valeu o apelido de TOP TOP, à devolução dos pugilistas cubanos ao ditador Castro, perpassando pelo asilo ao terrorista italiano Cesare Battisti, pela declaração do “vamos expulsar do partido os petistas corruptos”, pela ação da Petrobrás a pretender indenização face aos prejuízos provocados pelas empreiteiras, etc.
A penúltima trapalhada vem da expressão jeitinho brasileiro como incentivo e criatividade aos mais de 11 mil brasileiros participantes do programa Ciências sem Fronteiras nos Estados Unidos. Não é que o Institute of International Education parceiro do Governo brasileiro no intercâmbio sugere que os alunos se virem como puderem enquanto não chega a verba destinada ao transporte, estada e alimentação que lhes é destinada como suporte fundamental à permanência naquele país.
Claro que reina descontentamento e revolta entre os estudantes. O Ministério da Educação pediu que se desconsiderasse a nota anterior e que a verba já foi depositada. Mas, não deixa de ser uma trapalhada no planejamento e por em risco os estudantes que podem dispor ou não de recursos para tais fins.
As famílias reclamam dos desagradáveis avisos de cobrança enviados pelas Universidades, alegando que as mensalidades não estão em dia, que a responsabilidade é do Governo Federal além do baixo valor da bolsa, questionando como alguém de baixo poder aquisitivo poder fazer uso do programa.
O mais grave, no entanto é a absorção da expressão “jeitinho brasileiro” como meio de resolver qualquer dificuldade momentânea mesmo empregando desvios de conduta. Já tão corriqueiros nas atividades governamentais a tal ponto que um político da base de apoio, ex-ministro do Lula e Dilma, Carlos Lupi, presidente do PDT, disse que os petistas roubaram demais, que o PT esgotou-se, que o PT não inventou a corrupção, mas roubaram demais…
Em se tratando do esforço no mote Pátria Educadora, os exemplos das cúpulas administrativas do país não são bons. Dar “jeitinho” soa remendo, falta de escrúpulo e desrespeito como no balanço ajeitado da Petrobrás.
Criatividade como incentivo ao crescimento, vencer a rotina e ultrapassar obstáculos, sim, burlar normas, não.
O fiasco do FIES demonstra a falta de planejamento no longo prazo a considerar que sustentar um curso superior custa caro e o abandono no meio do caminho sem condições financeiras de prosseguir às próprias expensas deixou milhares de estudantes frustrados.
Pior, desiludidos com as instituições e esquecidos por suas entidades estudantis que no passado engrossavam os protestos nas ruas a lembrar contra o aumento do preço na refeição do restaurante do Calabouço. Nos dias atuais a falta de higiene geral em uma das maiores universidades públicas do país, a UFRJ, não incomoda as entidades estaduais e nacional dos estudantes.
Hoje, a UNE​ é governo. Foi tempo que significou o esforço maior no impeachment do Collor pelo Fiat Elba à frente dos caras pintadas.
Ernesto Caruso é Coronel de Artilharia e Estado Maior, reformado.

Lula desanimado e com medo da cadeia: projeto petralha está sendo destruído

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva admitiu, nas conversas que teve com políticos em Brasília anteontem, que não atravessa uma boa fase. Lula disse estar preocupado com o andamento do governo de sua sucessora, Dilma Rousseff, e com os desdobramentos da Operação Lava Jato, em especial a decisão do dono da empreiteira UTC, Ricardo Pessoa, de ter fechado um acordo de delação premiada em troca de eventual redução de pena.

“Não estou numa fase muito boa, não”, afirmou o ex-presidente. Com ar abatido, o petralha comentou que está desesperançoso com as perspectivas para a economia brasileira, tidas por ele como muito ruins.

Lula sabe que não pode mais mentir e iludir o povo com suas bravatas. O Povo brasileiro sabe da real situação de caos no país, devido pessíma condução  do governo Dilma ( apoiada e indicada por ele)

Em conversas reservadas ele reconhe que o PAC não saiu do papel

Segundo publicou o jornal O Estado de São Paulo:

“No giro por Brasília, o ex-presidente chegou a confessar também que o projeto político dele está “esfarelando”. Ontem, Lula almoçou na embaixada de Cuba.”

Outra preocupação do chefão do mensalão e petrolão é a delação premiada de Ricardo Pessoa,   do dono da UTC, que na quarta-feira assinou com Procuradoria-Geral da República o acordo. Pessoa é apontado nas investigações como o chefe do cartel de empreiteiras que atuou na Petrobrás.

. O ex-presidente temia que o empreiteiro possa dizer o que sabe …… Lula teme a cadeia em cela comum. Não possui foro privilegiado e não tem nível superior.

Jorge Roriz

A farsa dos Ianomâmis

Recebemos a mensagem abaixo do leitor Adão Ramires:

 

“DAQUI A ALGUNS ANOS VAI SURGIR UM GRUPO DE ÍNDIOS QUE FORMADOS EM FACULDADES DOS EEUU E DA EUROPA, COM ESTUDOS PAGOS POR CORPORAÇÕES INTERNACIONAIS, PEDIRÃO A INDEPENDÊNCIA DAS ÁREAS IANOMÂMIS. ALEGARÃO QUE POSSUEM DIALETO PRÓPRIO, SÃO UM POVO DISTINTO E TEM TERRITÓRIO PRÓPRIO JÁ RECONHECIDO PELO PRÓPRIO BRASIL. ESSES
INDÍGENAS FORMADOS NAS MELHORES FACULDADES, SELECIONADOS EM SUAS TRIBOS PARA SERVIREM AOS INTERESSES INTERNACIONAIS, EDUCADOS E MUITO BEM ORIENTADOS PARA ESSA MISSÃO DE LIDERAREM A LUTA PARA A SEPARAÇÃO DESSAS TERRAS DO BRASIL. A PERDA DESSAS TERRAS SERÁ RÁPIDA E FÁCIL. A ONU E OUTRAS ENTIDADES INTERNACIONAIS APOIARÃO E APROVARÃO AS REIVINDICAÇÕES INDÍGENAS, OS BRASILEIROS NÃO PODERÃO FAZER NADA. E ASSIM NUM FUTURO PRÓXIMO PERDEREMOS A AMAZÔNIA, PEDAÇO POR PEDAÇO. AS GRANDES NAÇÕES BÉLICAS ESTARÃO PRONTAS A INVADIREM ESSAS TERRAS COM A MENTIROSA PRETENSÃO DE DEFENDEREM OS INDÍGENAS, E AINDA POSARÃO DE HERÓIS. AS NOSSAS FORÇAS ARMADAS NÃO PODERÃO LUTAR CONTRA TODOS OS EXÉRCITOS DO MUNDO. E ASSIM OS BRASILEIROS PERDERÃO GRANDE PARTE DO TERRITÓRIO DEIXADOS COMO HERANÇA PELOS HEROICOS PORTUGUESES. E MUITOS BRASILEIROS PSEUDO INTELECTUAIS CONTINUARÃO DISCUTINDO E OPINANDO O FUTURO DO PAÍS NOS BARES DAS PRAIAS DESSE, POR ENQUANTO, GRANDE BRASIL.”

LEIA MAIS AQUI

Sérgio Moro aplaudido, Lula escondido

Moro na livraria
Edição do Alerta Total – www.alertatotal.net
Por Jorge Serrão – serrao@alertatotal.net
Imagem é tudo. Bombam nas redes sociais cenas e fotos do juiz Sérgio Moro e sua esposa Rosângela sendo aplaudidos no lançamento do livro “Bem vindo ao Inferno”, prefaciado pelo herói da Lava Jato, ontem, no conjunto Nacional da Avenida Paulista. O Jornal Nacional da Rede Globo, editorialmente, preferiu mostrar outro acontecimento político, ocorrido mais cedo, em Brasília: o poderoso Luiz Inácio Lula da Silva saindo, com a fisionomia bem séria e formal, bem escondidinho, de um almoço indigesto com Renan Calheiros, Edson Lobão e Delcídio Amaral.
Por acaso a cena guarda alguma coincidência com o fato de delações premiadas da Operação Lava Jato citarem os santos nomes ligados à Família Sarney? Eis a ironia da história. O magistrado Sérgio Moro é tratado, popularmente, como um presidenciável – uma referência de líder para o Brasil. Humildemente, ele não aceita a fama de herói. Já o ex-Presidente Lula, em descarada campanha para retornar ao Palácio do Planalto em 2018, enfrenta o maior desgaste de imagem nunca antes visto em sua história pessoal. Lula nem pode sair a rua, sem ser vaiado ou xingado. Já Sérgio Moro, que não é político, consegue atravessar a Avenida Paulista sob aplausos.
Será com os aliados prestigiados ontem por Lula que o PT vai criar uma nova frente política de esquerda no País com vistas as eleições de 2016 e 2018 – conforme o petista gaúcho Tarso Genro anunciou esta semana no Rio de Janeiro? Em debate na Universidade Estadual do Rio de Janeiro, Tarso Genro praticamente respondeu que não. Ainda mais quando falou da crise vivida pelo Partido dos Trabalhadores e proclamou que o ciclo desenvolvimentista iniciado por Lula está esgotado: “Nós, que somos minorias dentro do partido, não temos ninguém a nos opor, porque não há hegemonia partidária hoje. Há um condomínio administrativo e um partido em crise, que está se segurando para não entrar numa depressão profunda. Não existe grupo dirigente. Existe um acordo de funcionalidade partidária e um projeto de estado vencido.”
O ideólogo Tarso Genro defende que o Brasil saia de uma posição dependência subordinada e partir para uma relação de cooperação recíproca com o capital financeiro internacional. Pregando “acabar com o monopólio da mídia”, Tarso também repetiu o discurso nazistalinista de atacar o que chama de “classes dominantes” (as zelites a que Lula sempre se refere). Tarso espancou: “Eles são contra as ousadias dessas poucas reformas populares que foram feitas. A classe média brasileira está se ‘paulistinizando’, está cada vez mais paulista. O cara tem 50 mil no banco e acha que é o Ermírio de Moraes. Ele não quer pobre perto dele, ele não quer o negro na universidade, ele não quer aceitar a diversidade sexual. Pensa que é rico; não sabe o que é riqueza”.
O grave problema estrutural e conjuntural é que a política brasileira não dá sinais de mudanças, embora seja esta a vontade do cidadão-eleitor-contribuinte. Assim, em 2018, existe o risco concreto de Lula retornar ao poder federal. Ainda não aparece no horizonte quem possa confrontá-lo. As lideranças continuam as mesmas. O debate continua ideologizado e sem ideias para colocar o Brasil nos eixos.
Assim, o País continua aquela velha vanguarda do atraso. Lula, um mito em decadência, segue em frente. E o Brasil fica esperando que outros Sérgios Moros apareçam para cumprir seu dever cívico, em qualquer dos três poderes, contaminados pela corrupção sistêmica.    

Petrobras tem lucro de R$ 5, 3 bilhões e a dìvida aumentou R$ 51 bilhões

A Petrobras teve um lucro líquido de R$ 5,3 bilhões no primeiro trimestre de 2015. O resultado é 1% inferior a igual período do ano passado.

Este é o pior resultado para um primeiro trimestre desde 2007, quando a empresa registrou lucro de R$ 4,1 bilhões.

Os investimentos totalizaram R$ 17,8 bilhões, 13% inferior aos do 1º trimestre de 2014.

Por conta do resultado negativo de 2014, a Petrobras não pagou aos acionistas os dividendos relativos a esse ano.

O endividamento de 282 BILHÕES subiu para 333 BILHÕES, isso vendendo gasolina “batizada ” 3,60 com 27% álcool!

Segundo a revista Forbes  a Petrobras  ocupava a posição 30 entre as maiores do mundo e com a administração “Luladilma” passou para a posição 416.

 

Jorge Roriz

RETROCESSO – MEDIDA PROVISÓRIA 664/14 RETIRA DIREITOS DO POVO

O líder da Oposição, deputado federal Arthur Virgílio Bisneto (PSDB-AM), pontuou, durante discurso na tribuna da Câmara Federal nesta quarta-feira, dia 13, as mudanças que serão impactadas com a aprovação da Medida Provisória 664/14, que muda as regras de pensão por morte, que impõe carências e tempo de recebimento conforme a faixa de idade do beneficiário.

Segundo ele, a medida irá suprimir e restringir direitos sociais conquistados com muita luta pelos trabalhadores.

De acordo com o tucano, em relação aos requisitos por pensão de morte, antigamente não existia tempo mínimo, agora são 18 meses de contribuição mais dois anos de casamento e união estável. “Se isso não é maldade, o que é maldade?”, frisou o parlamentar.

Ele pontuou ainda que a duração por pensão por morte antes era vitalícia, independente da idade do cônjuge, agora vai depender da idade do cônjuge. Em relação ao auxílio-doença, onde os empresários eram responsáveis pelo pagamento dos primeiros 15 dias, agora, com essa medida, os empresários serão responsáveis pelo pagamento dos 30 primeiros dias. “Isso é ruim para o trabalhador, isso tira a responsabilidade que é do Governo Federal, isso é ruim para o empresário que está tocando seu negócio. E vamos ser bem claros, pode ser o grande empresário, o médio empresário, o pequeno ou o micro empresário”, afirmou.

O cálculo do auxílio-doença, segundo Bisneto, antes era um valor encontrado considerando 80% dos maiores salários de contribuição. Hoje, o valor não pode ultrapassar a média dos últimos 12 salários de contribuição. E por último, de acordo com o deputado, é a questão da perícia médica, que antes era realizada estritamente pelos peritos do INSS, agora, se não houver capacidade do INSS, a medida permite a terceirização para esse serviço.

“É triste nós vermos a história de um partido que nasceu sob duas premissas: a premissa da ética, e não existe na história deste país, como diria o ex-presidente Lula, governo mais corrupto do que esse dos últimos 12 anos. Existia o princípio da defesa do trabalhador, e está aí o Partido dos Trabalhadores atentando contra aqueles que sempre foram a sua grande base. PT e seu governo, governo corrupto, governo covarde, respeitem o povo brasileiro!”, concluiu.

Mesmo após o pedido de retirada do texto, o plenário aprovou por 277 votos a 178, o relatório do deputado Carlos Zarattini (PT-SP), para a Medida Provisória 664/14, que muda as regras de pensão por morte.

Armadilha caseira contra mosquito da dengue

Matéria do Bom Dia Rio: rjtv.globo.com/Jornalismo/RJTV/0,,MUL347­258-9101,00.html

Armadilha caseira contra Aedes aegypit: Com uma garrafa pet, dessas de refrigerantes de dois litros, é possível fazer uma armadilha que prende e mata o mosquito. A invenção é do professor Maulori Cabral, da UFRJ.

Prevenir a dengue deve ser uma obrigação de cada cidadão. Não deixar pneus, embalagens e recipientes que podem acumular água jogados nos terrenos são cuidados importantes para evitar a proliferação do mosquito Aedes aegypit. Com uma garrafa pet, dessas de refrigerantes de dois litros, é possível fazer uma armadilha que prende e mata o mosquito.

A invenção é do professor Maulori Cabral, da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), que ensina como fazer.

Para construir uma Mosquitoeira genérica (mosquitérica) é muito simples. O segredo é a motivação para executar as 10 etapas apresentadas a seguir:

  1. Junte os seguintes materiais: uma garafa pet de 1,5 ou dois litros; uma tesoura; uma lixa de madeira nº 180; um rolo de fita isolante preta; um pedaço (7 x 7 cm) de tecido chamado micro tule, também conhecido como véu-de-noiva; quatro grãos de alpiste ou uma pelota de ração felina;

  2. Tire a tampa da garrafa e, com um jeitinho especial, remova o anel do lacre. Este será usado como componente da sua mosquitérica;

  3. Dobre o pedaço de tule e cubra a boca da garrafa. Use o anel do lacre como presilha. Esta fase exige o jeitinho especial, pois é necessário forçar a presilha para alcançar, pelo menos, a segunda volta da rosca. Para melhorar o visual, você pode aparar o excedente da malha que ficou aparecendo;

  4. A próxima etapa é cortar a garrafa em duas partes. Antes de iniciar o corte, amasse a garrafa até obter uma dobra. Com o plástico dobrado fica mais fácil cortá-lo. Agora, use esse corte como furo para posicionar a tesoura e cortar o restante da garrafa; Uma das partes vai servir de copo e a outra, como um funil, será a tampa;

  5. Agora você vai lixar toda a superfície da tampa, que corresponde à face interna da boca do funil, até torná-la completamente áspera e fosca. Essa peça constituirá a tampa da mosquitérica;

  6. Para estabelecer a altura ideal do nível da água na mosquitérica e preciso encaixar a tampa, com o bico para baixo, dentro do copo. Identifique, de cima para baixo, o intervalo de altura que vai da boca do copo até o fundo fosco da tampa. O ponto médio desse intervalo deve ser considerado como a altura do nível da água na sua mosquitérica. Marque esse nível com um pedaço de fita isolante, bem fino, como se fosse uma linha, colada pelo lado de fora do copo. Essa marca também delimitará o espaço de ar que ficará acima da água, entre as duas peças da mosquitérica, como você viu nas fotos da Mosquitoeira;

  7. Chegou a hora de começar a montagem da mosquitérica: encher a parte do copo com água até o nível; colocar o alimento (quatro sementes de alpiste trituradas ou a pelota de ração felina) dentro d’água; posicionar a tampa, de maneira simétrica, com o bico para baixo.

  8. Use a fita isolante para fixar as duas peças da mosquitérica e, ao mesmo tempo, vedar o espaço entre a borda do copo e a face externa da tampa;

  9. Coloque a armadilha em local fresco e sombreado. Após uma semana, verifique a altura da coluna de água. Se estiver abaixo do nível, complete-a. Com o nível da água mais alto, os ovos que foram depositados na superfície áspera da tampa ficarão dentro d’água e, em poucos dias, será possível visualizar larvas de mosquitos nadando na mosquitérica. De agora em diante, observe-a todos os dias, acrescentando água à medida que esta for evaporando. As larvas se alimentarão dos micróbios presentes na água, que são alimentados pelos grãos ou sementes adicionados. As larvas eclodem do ovo, no estágio 1 e crescerão passando pelos estágios 2, 3 e 4, até se transformarem em pupas. Estas, por metamorfose, se transformarão na forma alada de mosquito.

  10. Você pode saber se as larvas que apareceram são da espécie Aedes aegypti. Use o foco de luz de uma lanterna. Se as larvas fugirem da luminosidade, ou seja, se demonstrarem o fotatactismo negativo, são Aedes aegypti. Então, você pode ter certeza, tem alguém na redondeza criando esses “bichinhos”, como animais de estimação (mascote).

 

OUTRO MÉTODO:

Em apenas duas coletas, as armadilhas retiraram mais de 71 mil ovos e cerca de 800 mosquitos da dengue de circulação

Pesquisadores da Fiocruz, no Recife, desenvolveram uma nova armadilha para combater o mosquito da dengue. Um primeiro teste já demonstrou excelentes resultados.

O alvo dos pesquisadores era a muriçoca, o mosquito que transmite a filariose, uma doença que provoca inchaço nas pernas, febre e dor de cabeça. Recife é a capital campeã de casos da doença. Mas esta nova armadilha, instalada pelos pesquisadores da fundação Oswaldo Cruz, atraiu um mosquito ainda mais perigoso.

“Veio a surpresa do Aedes, do mosquito da dengue está rodeando, está sempre dentro da armadilha”, conta Rosângela Barbosa, pesquisadora da Fiocruz.

As armadilhas, instaladas em 175 casas em Olinda, apareceram cheias do Aedes aegypti. Eles são atraídos pela água que está dentro da caixa.

A armadilha é feita com uma caixa de plástico preto que tem uma abertura na frente, por onde entram os mosquitos. E é lá dentro que está o segredo: logo na entrada uma borda adesiva com uma cola bem forte, resistente. Se a fêmea não ficar grudada logo na entrada e depositar os ovos no tecido, dentro do recipiente tem uma solução com larvicida biológico encarregada de matar as larvas assim que elas eclodem.

Os técnicos fazem a manutenção de dois em dois meses e recolhem o material pra avaliar a eficácia do equipamento.

Em apenas duas coletas, as armadilhas retiraram mais de 71 mil ovos e cerca de 800 mosquitos da dengue de circulação. A nova arma está pronta pra ser usada em qualquer cidade do país.

“O que está faltando é uma empresa que se interesse na produção em larga escala. A nossa produção é uma produção artesanal, é uma produção de pesquisa”, explica a pesquisadora.

Pra Dona Zilda, que já teve dengue e testou a armadilha, ela é mais do que bem-vinda.

“Eu queria que eles botassem no quarto, no banheiro, na cozinha, ali do lado de fora em todos os cantos, pelo menos ficava livre desses insetos”, diz a aposentada Zilda da Silva.

Fonte: Jornal Nacional  09/05/2015

Para assistir o vídeo, clique aqui

 

Colegio Militar do Rio de Janeiro possui orientação comunista

Por Percival Puggina
Relato feito por mãe de aluna do CMRJ. 
Olá Percival. Queria lhe comunicar algo, ou mesmo pedir ajuda, pois sei que muitos o escutam. Bom, minha filha estuda no Colégio Militar do Rio de Janeiro, que hoje, inclusive, faz aniversário – o famoso 6 de Maio do Colégio Militar – e até Jacques Wagner, o Ministro da Defesa, veio para festa.
No entanto, o Exército enfrenta uma verdadeira guerra silenciosa contra suas escolas, e os CMs são os primeiros a sentir seus efeitos. Há anos, esses colégios adotam livros de História e Geografia escritos por historiadores militares e publicados pela BibliEx. Os livros eram ótimos e atendiam perfeitamente as convicções da grande maioria das famílias cujos filhos frequentam os Colégios Militares.
Pois bem, uma professora concursada e com forte tendência marxista veio a público, em 2014, reclamar sobre o termo contra-revolução de 64 ao invés de golpe militar usado nos livros adotados até então nos CMs. O governo, que já vinha pressionando, aproveitou a oportunidade. Fez uso da força que tem e impôs aos colégios a adoção de material bem diferente para 2015.
Consequência: desde fevereiro deste ano, minha filha está sendo levada a acreditar, como aluna do Colégio Militar, que o capitalismo é a mal do mundo e o socialismo só caiu por força da pressão americana. Esse é o conteúdo do livro de Geografia, mas o de História é muito pior, é nauseante! O autor consegue a proeza de transformar todo e qualquer conteúdo em luta de classes.
Estou muito triste e não sei o que fazer. Já passei mensagens para vários amigos cujos filhos estudam lá pedindo que na sexta, dia 8/5, durante reunião de pais e mestres, discutam com os professores, avisem aos mesmos que não aceitaremos gramscismo na sala de aula de nossos filhos. Sei que muitos profissionais não compactuam com essas ideias; há alguns professores que inclusive não estão usando o material imposto pelo governo. Infelizmente, porém, há profissionais que abraçam o marxismo e devem estar usando e abusando dos livros esquerdistas impostos a todos nós, alunos e seus familiares.
Esses professores marxistas são nada mais nada menos que capitalistas vulgares que se vendem ao contracheque e permanecem atuando em uma instituição centenária à qual repudiam. São hipócritas vendidos. O que fazer? Será que o Exército está perdendo essa guerra? Estou muito preocupada. Claro que gostaria muito que você escrevesse sobre isso alertando a todos. Posso lhe mandar o nome dos livros adotados. Muito obrigada. (Omito o nome da mãe, em proteção a ela e à filha).
Percival Puggina (69), membro da Academia Rio-Grandense de Letras, é arquiteto, empresário e escritor e titular do site www.puggina.org, colunista de Zero Hora e de dezenas de jornais e sites no país, autor de Crônicas contra o totalitarismo; Cuba, a tragédia da utopia e Pombas e Gaviões, integrante do grupo Pensar+ 

Retrato de Mãe

_20150510_102526
Alzira Cursino Roriz –

 

HOMENAGEM A MINHA MÃE, ALZIRA CURSINO RORIZ, E A TODAS AS MÃES.

Autor: Dom Ramon Angel Yara, bispo de La Serena, Chile

Uma simples mulher existe que,
pela imensidão do seu amor,
tem um pouco de Deus,
e pela constância de sua dedicação
tem um pouco de anjo;
que, sendo moça, pensa como uma anciã
e, sendo velha,
age com todas as forças da juventude;
quando ignorante,
melhor que qualquer sábio
desvenda os segredos da natureza,
e, quando sábia,
assume a simplicidade das crianças.

Pobre, sabe enriquecer-se com a felicidade dos
que ama e, rica, empobrecer-se para que seu
coração não sangre, ferido pelos ingratos.

Forte, entretanto, estremece ao choro duma
criancinha, e fraca, não se altera
com a bravura dos leões.

Viva, não sabemos lhe dar o valor
porque à sua sombra todas as dores se apagam.

Morta, tudo o que somos e tudo que temos
daríamos para vê-la de novo,
e receber um aperto de seus braços
e uma palavra de seus lábios.

Não exijam de mim que diga o nome dessa mulher,
se não quiserem que ensope de lágrimas este álbum:
porque eu a vi passar no meu caminho.

Quando crecerem seus filhos,
leiam para eles esta página.
Eles lhe cobrirão de beijos a fronte,
e dirão que um pobre viajante,
em troca de suntuosa hospedagem recebida,
aqui deixou para todos o retrato de sua própria MÃE.

(Tradução de Guilherme de Almeida)

Foto: de  Alzira Cursino Roriz

 

Dom Ramón Ángel Jara nasceu em Santiago do Chile no dia 2 de agosto de 1852. Começou os seus estudos como os padres franceses no Colegio dos Sagrados Corações de Valdivia e em 1862 incorporou-se no seminario de Santiago, onde alcançou o grau de bacharel em humanidades. Posteriormente ingressou na Universidade do Chile para seguir advocacia, mas em 1874 abandonou os estudos de direito para ser sacerdote. Foi ordenado no dia 16 de setembro de 1876. Cheou a ser o quinto bispo de San Carlos de Ancud e também o quinto bispo de La Serena. Distinguiu-se pela sua grande eloquência, a qual lhe valeu os títulos de “primeiro orador eclesiástico do Chile”, “primeiro orador católico do século”, “cisne da eloquência sagrada” e “o Crisóstomo chileno”. Faleceu na cidade de Serena no dia 9 de março de 1917, sendo sepultado na catedral diocesana.

RICARDO PESSOA: O HOMEM BOMBA LIGA DILMA AO PETROLÃO

REINALDO AZEVEDO

“Em reportagem publicada em janeiro, VEJA revelou o conteúdo de um manuscrito de autoria do empreiteiro Ricardo Pessoa, dono da UTC e amigo — ou ex-amigo (sente-se abandonado…) — de Luiz Inácio Lula da Silva. Lá se podia ler:

“Edinho Silva está preocupadíssimo. Todas as empreiteiras acusadas de esquema criminoso da Operação Lava-Jato doaram para a campanha de Dilma. Será que falarão sobre vinculação campanha x obras da Petrobras?”

Segundo informa a Folha deste sábado, Pessoa afirmou a procuradores da Operação Lava Jato que doou R$ 7,5 milhões à campanha da reeleição de Dilma porque temia ser prejudicado em seus negócios com a Petrobras.

Não foi só isso, não. Pessoa revelou ainda ter doado R$ 2,4 milhões, por fora, para a campanha à reeleição de Lula em 2006. O dinheiro teria sido trazido do exterior e repassado em espécie ao PT. Em 2012, também pelo caixa dois, sem registro na Justiça Eleitoral, ele teria arcado com outros R$ 2,4 milhões referentes à campanha de Fernando Haddad à Prefeitura de São Paulo.

LULA51

Ex- presidente do Uruguai confirma: Lula confessou que o mensalão existiu

Uruguai
LULA DIZIA QUE NÃO SABIA DE NADA E  NEGOU  A EXISTÊNCIA DO MENSALÃO. ELE  ACUSOU A ELITE E A IMPRENSA COMO “CRIADORA DO MENSALÃO PARA NÃO DEIXAR ELE E O PT GOVERNAR PARA OS POBRES”. O STF COMPROVOU A EXISTÊNCIA DO CRIME E ALGUNS FORAM CONDENADOS E PRESOS ( EMBORA A MAIORIA ESTEJA  SOLTOS OU EM PRISÕES DOMICILIARES)
MAS O  EX- PRESIDENTE DO URUGUAI  AFIRMOU QUE O CRIME CONTRA O ESTADO  BRASILEIRO E CONTRA A DEMOCRACIA, EXISTIU E JUSTIFICOU SER A ÚNICA MANEIRA DE LULA GOVERNAR: COMPRANDO PARLAMENTARES ( REPRESENTANTES DO POVO) PARA VOTAR NOS INTERESSES DO PT E DO FORO DE SÃO PAULO……..
O PRESIDENTE DO URUGUAI É TESTEMUNHA DE  QUE O CRIME CONTRA O ESTADO BRASILEIRO  EXISTIU. SEGUNDO MUJICA, LULA CONFESSOU  QUE SABIA DE TUDO………. ( JORGE RORIZ)
Por Jorge Serrão – serrao@alertatotal.net
Lula não apenas sabe de tudo – como confidenciou seu “amigo” uruguaio José Mujica. Lula sabe tudo… Quem tem tanta informação como ele consegue ter a blindagem mágica que permite que denúncias graves até o atinjam, mas jamais prejudiquem ou o inviabilizem politicamente. Tanto é assim que Luiz Inácio Lula da Silva precipitou a campanha presidencial de 2018. Já tem um roteiro para percorrer o Brasil, fazendo sua campanha pessoal. Desistiu e se descolou da Dilma – acusada de não lhe dar ouvidos e contrariar seus valiosos “conselhos”. Dilma já era! Lula, não! Pelo menos ainda, não…
Quem é o candidato capaz de se contrapor a Lula em 2018? Tudo bem que essa eleição presidencial ainda está muito longe de acontecer. No entanto, é fato objetivo e lamentavelmente notório que ninguém desponta como favorito ou alternativo na previsível disputa contra o companheiro $talinácio. O nome oposicionista surgirá… O problema é se terá densidade para derrotar Lula – que já está em campanha descarada e leva uma vantagem cínica perante o eleitorado idiotizado.
Como Dilma se mostra um desastre completo, na interpretação popular, Lula sai vencedor na simplória comparação entre o caótico agora e o passado dele – muito bem construído imageticamente por uma caríssima e impecável campanha de marketagem. Uma coisa é a torcida contra, e outra é a análise crua da realidade. Lula nunca esteve tão desgastado como agora. No entanto, embora mais velho e aparentemente menos saudável – fragilidades que a malhação de ferro na academia tentam esconder -, Lula ainda é uma figuraça acima do execrado PT – do qual é e sempre foi o chefão.
O maior erro de avaliação que se pode cometer agora é cogitar que o PT tenha chegado ao fim. Não chegou. Transformado em “Partido da Traição”, o PT tem todos os recursos econômicos disponíveis para se reinventar. Fica a dúvida se será rápido ou demorado o processo de reversão da atual desmoralização. No Brasil da memória fraca e do analfabetismo político, tanto da massa ignara quanto da arrogante zelite de visão meramente rentista, é menos complicado fazer Lula voltar aos tempos de glória.
O processo de reconstrução da mítica imagem de $talinácio obedece ao mesmo modelo de propaganda adotado pelos “nazifascismos” da história. O salvador da Pátria foi inventado, e, no consenso da maioria burra, foi considerado um governante bem avaliado. Por isso, os marketeiros petistas têm fé e esperança de que conseguem reverter o assustador quadro presente de impopularidade. A falta de uma oposição consistente facilita o trabalho dos ideólogos petistas.
O modelo político brasileiro também facilita a estratégia de Lula. Neste sistema em vigor, ele continua sendo uma estrela de grande magnitude. A governança institucionalizada do crime, em conluio e simbiose com a gestão do processo político, não permite o surgimento de novas lideranças saudáveis. Como não há previsão de mudança no atual regime partidário e nem na alteração radical do processo de escolha do representante político, admitindo-se candidaturas avulsas de cidadãos-eleitores-contribuintes, as oligarquias partidárias continuarão parindo os mesmos monstros de sempre com a ajuda da dedada eletrônica em um processo moderníssimo de votação que peca por não ter seu resultado auditável por recontagem física do voto.
Nesse cenário de mesmice, não ocorrem mudanças efetivas na velocidade demandada pela sociedade. O máximo que acontece é a troca do famoso seis pelo tradicional meia-dúzia. Sai a Dilma, impedida, por renúncia ou por vencimento do prazo de validade, e entra um Lula – ou algo muito parecido. No distante cenário de 2018, aquele raio de luz que parece surgir no final do túnel é um trem que vem em sentido contrário para bater de frente com os idiotas. Alguma mudança concreta só tem chances de ocorrer se houver alguma radicalização no processo político institucional gerada pelo agravamento da violenta crise econômica em que estamos mergulhados até acima do pescoço.
Não há previsão de mudança – sobretudo na forma de governar o Brasil. Situação e sua suposta oposição não conseguem desenhar um projeto claro de Nação. O País continua refém do modelo rentista, improdutivo, especulativo e sempre sujeito a crises cíclicas. O modelo em vigor não facilita a produção e o desenvolvimento. Só alguns setores que conseguem subverter a visão meramente rentista, como uma parte do agronegócio autofinanciado pelo reinvestimento de seus lucros em cooperativas de crédito, têm demonstrado sucesso econômico efetivo. Os demais setores, que dependem do usurário crédito bancário ou dos favores dos cartórios e cartéis comandados pela máquina estatal capimunista, alternam sucessos efêmeros com fracassos retumbantes.
Enfim, sem previsão de mudança efetiva do sistema capimunista que controla o Brasil, que nos impõe esta “única forma de governar”, baseada no patrimonialismo e na troca de favores com a corrupta máquina política estatal, um personagem como $talinácio tem tudo para voltar a brilhar como no passado recente.
O jogo é desigual. Enquanto nós, ingênuos, batemos panela, os políticos e os rentistas continuam batendo nossa carteira, e Lula prepara seu cardápio para 2018. A ameaça está aí… Quem se dispõe ou tem competência para enfrentar $talinácio?
Mensalão como paradigma
Vale a pena dar uma lida no trecho do livro “Una Oveja negra ao poder”, escrito pelos jornalistas uruguaios Andrés Danza e Ernesto Tulbovitz, no qual o ex-presidente José Mujica revela ter ouvido de Lula, em 2010, a agora polêmica explicação cínico-pragmática para tentar explicar o esquema de corrupção política do Mensalão (aliás, transformado em roubo de galinha pelo Petrolão):

“Lula teve que enfrentar um dos maiores escândalos da História recente do Brasil: o mensalão, uma mensalidade paga a alguns parlamentares para que aprovassem os projetos mais importantes do Poder Executivo. Compra de votos, um dos mecanismos mais velhos da política. Até José Dirceu, um dos principais assessores de Lula, acabou sendo processado pelo caso.

‘Lula não é um corrupto como Collor de Mello e outros ex-presidentes brasileiros’, disse-nos Mujica, ao falar do caso. Ele contou, além disso, que Lula viveu todo esse episódio com angústia e com um pouco de culpa. ‘Neste mundo tive que lidar com muitas coisas imorais, chantagens’, disse Lula, aflito, a Mujica e Astori, semanas antes de eles assumirem o governo do Uruguai. ‘Essa era a única forma de governar o Brasil’, se justificou. Os dois tinham ido visitá-lo em Brasília, e Lula sentiu a necessidade de esclarecer a situação.”
Por tais declarações, o senador Ronaldo Caiado, que tenta se despontar como presidenciável pelo DEM em 2018, promete fazer um requerimento, na semana que vem, convidando José Mujica para prestar esclarecimentos sobre o que o amigo Lula lhe desabafou em 2010…

REINALDO AZEVEDO:

Luiz Inácio Lula da Silva, sim, ele mesmo!, tem tanta intimidade com as grandezas do universo que já se referiu à Terra como “planetinha”. Tudo é uma questão de ponto de vista, não é mesmo? Pensem bem: o que é o universo perto de Lula? Mera distração de Deus nas horas intersticiais do tédio. O Senhor pensou grande mesmo quando deu à luz o Babalorixá de Banânina. Aí desafiou: “Agora eu vou mostrar para Michelangelo quem é o verdadeiro Michelangelo…”.

O Altíssimo se referia, claro!, àquele momento em que o artista, depois de esculpir Moisés, deu-lhe num toquezinho no joelho e disse: “Parla” (“fala!), tal era a perfeição da obra. Sim, meus caros, Lula é um Moisés que rivaliza com o próprio — ele também abre os mares se preciso — e supera o de Michelangelo: afinal, fala! Pelos cotovelos! Por isso mesmo, dada essa grandeza, Lula deve agora explicações ao mundo.

Como o mundo não se interessa mais pelas coisas que ele diz e pensa; como ninguém mais se importa com a personagem acidental que Marilena Chaui achava poder revolucionar a filosofia, basta, então, que se explique à CPI do Petrolão. Convocá-lo passou a ser, agora, um imperativo moral. E por quê?

José Mujica, o esquisito que já governou o Uruguai, e que também fala pelos cotovelos, revelou num livro-depoimento chamado “Una Oveja Negra al Poder” — “Uma ovelha negra no poder” —, escrito pelos jornalistas Andrés Danza e Ernesto Tulbovitz, que, em 2010, o Moisés de Garanhuns e de São Bernardo lhe confidenciou que o mensalão “era a única forma de governar o Brasil”. Vale dizer: Mujica afirma em seu depoimento que Lula lhe confidenciou um crime contra o Estado brasileiro.

Notem: o que foi o mensalão? Consistia no uso de recursos públicos e privados para formar uma espécie de estado paralelo. O que é o petrolão? Trata-se de um mensalão muito mais ousado, em que, da mesma forma, recursos públicos e privados são empregados para capturar o estado.

Mujica e Lula são companheiros à esquerda. Ambos se dizem socialistas, ainda que um cultive o socialismo à brasileira, e o outro, à uruguaia. Refiro-me, claro!, a dois exotismos sem paralelo no mundo, hoje ou em qualquer tempo. Em comum, no entanto, eles têm aquele papo furado contra as elites, contra os conservadores, contra a tradição…  Cada um deles, também, é irresponsável a seu modo. De toda sorte, duvido que Mujica esteja mentindo. Lula certamente lhe fez mesmo aquela “confidência”, até porque é os que petistas vivem dizendo por aí.

Num debate eleitoral na televisão, em 1986, o empresário Antônio Ermírio de Moraes, que morreu no ano passado, afirmou que “a política é a arte de pedir voto aos pobres, dinheiro aos ricos e mentir aos dois”. Lula, como ninguém, levou adiante essa máxima.

Em entrevista recente ao jornal espanhol El País, afirmou Mujica: “A esquerda morre quando a cobiça de se fazer dinheiro entra na política. Por que a corrupção prolifera tanto? Parece sensato que pessoas de 60, 70 anos se emporcalhem com uns pesos imundos? Eles sabem que têm pouca vida pela frente. O tema de ter dinheiro para ser alguém pode ser uma ferramenta de progresso no mundo do comércio, onde se correm riscos empresariais, mas estamos fritos quando se mete na política. Isso aconteceu na Itália, em parte da Espanha. É inexplicável o que se passa no Brasil”.

Não é inexplicável, não! É muito explicável! Mujica, mesmo sendo meio doidivanas, não assumiu o poder com o propósito de aniquilar as demais forças políticas, de se estabelecer como partido único, de eliminar a oposição. Também não tinha e não tem a ambição de liderar a esquerda latino-americana.

O nosso Moisés tinha propósitos maiores, não é? Tanto é assim que criou o Foro de São Paulo, com Fidel Castro. Lula deveria ter feito outra confissão a Mujica: “É impossível dar um golpe nas instituições, como queremos, sem recorrer a coisas como o mensalão”. Aí, sim, estaria a dizer a verdade.

 

 

POLÍBIO BRAGA:

A revista uruguaia “Búsqueda”, onde trabalham os jornalistas Andrés Danza e Ernesto Tulbovitz, publicou na edição que chegou às bancas na quinta-feira uma resenha do livro “Una oveja negra al poder”, que foi escrito pela dupla e narra uma “confissão” que o ex-presidente José Mujica teria ouvido do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva em 2010, ao falar sobre o escândalo do mensalão. Intitulado “Lula: el mensalão era la única forma de gobernar Brasil”, o texto traz alguns trechos da obra que foi lançada nesta semana. Entre eles, está aquele em que Mujica lembra que, ao falar sobre o esquema de compra de apoio parlamentar descoberto em 2005, Lula teria lhe contado que teve que “lidar com muitas coisas imorais, chantagens” e teria justificado o mensalão afirmando, textualmente:

  •  Essa era a única forma de governar o Brasil.

A reportagem a seguir é do jornal O Globo deste sábado:

graça-foster

Graça Foster disse que obras da refinaria foi acelerada por causa do ano eleitoral

Em reunião do Conselho de Administração da Petrobrás realizada em 14 de novembro de 2014, a então presidente da estatal, Graça Foster, afirmou que nunca houve motivos técnicos para que as obras de Abreu e Lima fossem aceleradas, “a não ser terminar a refinaria no ano de 2010”.

Em 2010, a presidente Dilma Rousseff foi candidata à Presidência e, naquela eleição, menos de 30% da obra estava pronta e a refinaria não foi concluída.

As obras de Abreu e Lima começaram em 2007, sem a conclusão dos projetos básicos, e o valor do parque industrial instalado no litoral sul de Pernambuco saltou de US$ 2,5 bilhões para US$ 18 bilhões, com uma série de aditivos contratuais. A primeira parte da refinaria, que é alvo de investigação por suspeita de desvios para pagamento de propinas, só começou a operar no fim de 2014. A previsão inicial de conclusão era 2011.

O áudio da reunião do conselho obtido pelo Estado é uma das gravações que a Petrobrás entregou à CPI da Câmara que apura corrupção na estatal.

Na reunião, um dos conselheiros insistiu em saber se a diretoria da Petrobrás poderia ter feito o Plano de Antecipação da Refinaria (PAR), que foi autorizado em 2007, quando a petroleira era presidida por José Sergio Gabrielli. Graça Foster, sucessora de Gabrielli, foi taxativa ao afirmar que não havia razões “mercadológicas e econômicas” que justificassem a manobra, que, na prática, afrouxa os mecanismos de controle de custo e o planejamento das obras.

“Tem que ter uma razão mercadológica, uma razão econômica para você poder antecipar alguma coisa (…) Não havia uma demanda para o PAR a não ser terminar a refinaria no ano de 2010”, afirmou Graça. Este trecho do áudio não consta na ata da reunião. Já em outra parte da gravação que está na ata, ela diz: “Na época, não sei quais foram as premissas que a diretoria adotou”.

A executiva disse ainda que, hoje, não permitiria que o plano de antecipação fosse colocado em prática. “Hoje, não poderia ter feito (a antecipação) porque você não pode começar um projeto sem ter concluído o projeto básico. (…) Tem uma sequência de eventos que não pode deixar de cumprir. Tem que olhar tudo para subir para a diretoria. Este é o ponto”, afirmou a ex-presidente no áudio. Este trecho também foi incluído na ata da reunião do conselho.

O Estado não conseguiu localizar nem Gabrielli nem Graça Foster. A Petrobrás informou que não comentaria “informações supostamente oriundas de vazamentos ilegais”.

As gravações, assim como as atas, são consideradas sigilosas pela estatal. / DANIEL CARVALHO, ANDREZA MATAIS, ERICH DECAT, FÁBIO FABRINI, ISADORA PERON, LORENA RODRIGUES E LUCI RIBEIR.

( Estadão)

O BRASIL ESTÁ SEM GOVERNO

A  presidente  Dilma perdeu sua autoridade e capacidade política,  econômica, social, moral e ética  de governar, nestes três meses do seu segundo mandato.

Abriu mão da coordenação política, no Congresso, entregando-a ao seu Vice- presidente, Michel Temer, que também é o presidente do PMDB, principal adversário do PT, que é o partido da presidente.

Entregou também a coordenação da política econômica do país ao  ministro da Fazenda Joaquim Levi, que aplica  a política econômica pregada pelo adversário de  Dilma , na última eleição, Aécio Neves.

Moral e eticamente, afastou-se do discurso defendido para chegar ao governo e encontra-se envolvida com o seu  PT nos crimes de corrupção, de subversão de valores  constantes do “Mensalão”, da “Operação Lava Jato”, da “Operação da  Terceira Usina de Angra dos Reis” ,etc., e nos atrasos e superfaturamentos da maioria das obras do PAC I  e PAC II.

No campo social, notabilizou-se pelas políticas de saúde, de educação, de segurança, do crédito fácil e irresponsável que podem ser consideradas  caóticas e são  motivos de descontentamento das massas populares e responsáveis por milhares de mortes. Também estão ameaçados  os  seus programas:  “minha  casa minha vida”, “energia para todos”, o “FIES”, “Brasil Carinhoso” e mesma a política de “valorização do salário mínimo”, etc..O governo está sem crédito.

Na área econômica, a conjuntura não é menos caótica:  a inflação está fora da meta, beirando os 8,3%; o crescimento econômico, nestes últimos 4 anos  veio caindo e já será negativo em 2015; o superavit,  primário do primeiro trimestre, foi pífio e tudo faz  crer que não atingirá  meta de 1,2% do PIB, estabelecida pelo  próprio governo; o orçamento, foi aprovado com 90 dias de atraso,  está ameaçado de contingenciamento em todas as áreas e até mesmo nas da  saúde, do ensino e  das segurança interna e externas.

As reformas Política, Tributária e Administrativa, Providenciária e da Remuneração do Trabalho, reclamadas há anos por toda a Nação, e apenas para citar as mais urgentes e  inadiáveis, são olvidadas  pelo governo,  mesmo contando  com uma maioria de mais de  3/5  do Congresso, no chamado governo de coalizão, que nem mesmo aprova as matérias  do interesse do governo.

A Nação precisa acordar e forçar a organização de um Pacto Nacional, afastando a Dilma e o Temer do Executivo e sob uma nova liderança política  formada das partes sadias dos Três Poderes,

das  Instituições do Estado,  apoiadas pelas massas populares, pelas  Forças Armada (FFAA), pelas elites e pelo empresariado não contaminados, a fim de formar um Governo de Salvação Nacional para restabelecer a Ordem e o Progresso e fazer o Brasil crescer e desenvolver-se.

Precisamos de um “Estado Necessário”, nem arbitrário, nem liberal, de tamanho, de custo, de pessoal, reduzidos de 1/3, em face do atual, que seja democrático representativo de partidos múltiplos, com os Três Poderes  e Instituições do Estado fortalecidas,  respeitadas pelo povo e capaz de garantir o Bem Estar Popular e transformar o nosso País numa potência mundial.

Fortaleza 03 de maio de 2015

Roubalheira petralha: Empreiteiro pilantra afirma ter dado dinheiro de propina do petrolão para Lula, Dilma, Haddad e Dirceu

Publicado originalmente em Abobado:

O empresário Ricardo Pessoa, dono da empreiteira UTC, disse a procuradores da Operação Lava Jato que doou R$ 7,5 milhões à campanha à reeleição da presidente Dilma Rousseff por temer prejuízos em seus negócios na Petrobras se não ajudasse o PT.

Segundo Pessoa, a contribuição da empresa foi tratada diretamente com o tesoureiro da campanha de Dilma, o atual ministro da Secretaria de Comunicação Social da Presidência, Edinho Silva. Preso desde novembro do ano passado e hoje em regime de prisão domiciliar, o empresário negocia desde janeiro com o Ministério Público Federal um acordo para colaborar com as investigações em troca de uma pena reduzida.

Nos contatos com os procuradores e no documento em que indicou as revelações que está disposto a fazer caso feche o acordo, Pessoa descreveu de forma vaga sua conversa com Edinho, mas afirmou que havia vinculação entre as doações eleitorais e seus negócios na Petrobras.

Ver original 386 mais palavras

PEC DA BENGALA – MAIS UMA DERROTA IMPOSTA POR EDUARDO CUNHA Á DILMA

Numa articulação reservada patrocinada pelo presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), o plenário da Casa aprovou há pouco uma proposta de Emenda à Constituição (PEC) que eleva de 70 para 75 a idade para a aposentadoria de ministros de tribunais superiores e do Tribunal de Contas União (TCU), a chamada PEC da Bengala. A proposta, apresentada pelo ex-senador Pedro Simon (PMDB-RS) há 10 anos, será promulgada.

Na prática, a proposta é uma derrota ao Palácio do Planalto e retira o direito de a presidente Dilma Rousseff de indicar até cinco ministros do Supremo Tribunal Federal até o final do seu mandato, em 2018. No período, a presidente poderia indicar substitutos para os ministros Celso de Mello, Marco Aurélio Mello, Ricardo Lewandowski, Teori Zavascki e Rosa Weber.

Outro efeito colateral da PEC é postergar a aposentadoria dos atuais integrantes da Corte. O ministro Dias Toffoli, por exemplo, foi indicado para o STF em 2009 aos 41 anos. Antes da proposta, ele poderia ficar no Supremo até 2037, ou seja, por 29 anos no tribunal. Com a emenda, ele poderá ficar até 2042, isto é, 34 anos de Supremo.

A decisão de se votar a PEC da Bengala ocorreu no momento em que a Câmara estava prestes a iniciar o processo de votação da Medida Provisória 665, a primeira das duas MPs que fazem parte do ajuste fiscal. Eduardo Cunha encerrou a sessão de análise da MP, que alteram regras de concessão de benefícios previdenciários e trabalhistas, para, em seguida, abrir uma sessão extraordinária em que colocou como primeiro item da pauta a PEC. Ele fez uma rápida reunião com líderes para anunciar a votação da proposta.

A justificativa pública de aliados de Cunha para colocar, de última hora, a votação da PEC da Bengala é o de que havia um quórum elevado no plenário da Câmara para votar a proposta. As PECs dependem de apoio em plenário de 308 deputados, conforme previsto nas regras da Casa. A proposta passou com 333 votos a favor, 144 contra e 10 abstenções. Os deputados rejeitaram um destaque ao texto que forçaria uma eventual extensão do aumento da aposentadoria compulsória para todo o serviço público. A PEC da Bengala havia sido aprovada pela Câmara em primeiro turno no início de março.

Contudo, aliados do presidente da Câmara afirmaram reservadamente ao Broadcast Político que Eduardo Cunha queria, com a aprovação da emenda constitucional, dar um troco em desafetos. Uma das queixas de Cunha seria o fato de ele ter se tornado alvo da Operação Lava Jato sem que o governo tenha atuado para impedir. Com a medida, o presidente da Câmara também quer, segundo aliados, se tornar mais ainda um fiador da votação da MP 665. “O ajuste só vai passar se ele quiser”, afirmou um peemedebista do grupo de Cunha.

O deputado Alessandro Molon (RJ), um dos vice-líderes do PT, criticou duramente a proposta e a classificou de “casuísmo vergonhoso”. “Não se trata de quais ministros a presidente Dilma vai indicar”, afirmou. “É uma forma de indicação que ocorre desde a Constituição de 1988″, completou.

A sugestão de Molon está alinhada ao que propôs o ex-ministro do STF Joaquim Barbosa, ao renunciar ao posto no ano passado com 59 anos. “Acho que os cargos têm de ser ocupados por um determinado prazo e depois deve se dar oportunidade a outras pessoas”, disse Barbosa, na ocasião.

Durante a votação, Alessandro Molon chegou a propor que em troca da retirada da matéria de pauta fosse discutida uma proposta para fixar mandato para ministros do STF de até 10 anos. O próprio Eduardo Cunha disse que esse assunto está sendo discutido por uma comissão especial da Câmara.

O líder do PV, Sarney Filho (MA), defendeu a aprovação da PEC. Segundo ele, a Câmara deveria aprovar a ampliação no limite da aposentadoria seria uma consequência natural da melhoria na qualidade de vida da sociedade. “A vida melhorou e a expectativa de vida aumentou para todos”, disse.

O líder do PPS, Rubens Bueno (PR), também defendeu a proposta como algo positivo para a previdência social ao esticar o prazo de aposentadoria dos magistrados. Bueno afirmou também que a medida daria “bons juízes” ao País devido ao tempo maior de trabalho. Ele ressaltou, contudo, que a medida deixava em aberto a decisão de se aposentar antes da idade limite.”Eles podem se aposentar antes dos 75 anos, não precisa esperar”, sugeriu.Com informações do Estadão Conteúdo.

Coordenador da Campanha de Dilma recebeu R$ 38 milhões de “consultorias”

A revista VEJA  teve acesso à lista de todos os clientes que contrataram consultoria do ex-ministro da Fazenda. A maior parte da receita caiu no ano em que Palocci, PT, foi escolhido coordenador da campanha de Dilma. 73 empresas estão na lista de “consultoria” de Palocci. Ele recebeu R$ 36 milhões só no ano de 2010, quando foi coordenador da campanha de Dilma.

Foi o que  reveloiu reportagem assinada por Rodrigo Rangel e Hugo Marques.

 

COMO NÃO EXISTE ALMOÇO GRÁTIS, AS EMPRESAS FINANCIARAM A CAMPANHA DE DILMA PARA RECEBER BENEFÍCIOS EM PREJUÍZO AOS INTERESSES DO ESTADO BRASILEIRO…….. OU PALOCCI É REALMENTE UM GRANDE CONSULTOR É OS VALORES RECEBIDOS NO ANO ELEITORAL  DE 201O FOI APENAS COINCIDÊNCIA?

A ratoeira vai pegar o ratão – Verdadeiro chefe do mensalão está sendo investigado pelo MP

Integrantes do Núcleo de Combate à Corrupção do Ministério Público do Distrito Federal deverão se debruçar nos próximos 30 dias em investigação contra o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, suspeito de ter cometido tráfico de influência internacional. A investigação terá como base uma representação recebida pelos procuradores no início desta semana.

Segundo integrantes do órgão ouvidos pela reportagem, há suspeita de que Lula teria ajudado a construtura Odebrecht a obter contratos na América Latina e na África com recursos do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES). O tráfico de influência teria sido iniciado logo após Lula deixar a presidência da República, em 2011, e durado até 2014. A informação do início das investigações foi revelada pela Revista Época na noite desta quinta-feira.

 

Como não possiui nível superior, se ele for preso vai para cadeia comum……

Medo do barulho das panelas: Dilma não usa cadeia nacional e deixa mensagem no Youtube

POVÃO SEM INTERNET NÃO VAI PODER ASSISTIR………….

 

NO DIA DIA TRABALHADOR O SILÊNCIO PREGUIÇOSO DA “PRESIDENTA” QUE NÃO MAIS GOVERNA E TEM MEDO DO SOM DAS PANELAS (JR)
ELA RESOLVEU NÃO FAZER PROUNCIAMENTO EM CADEIA NACIONAL, 
MAS USOU O YOUTUBE

A TV E O RÁDIO  FICARAM LIVRES DO PINOQUISMO. SOBROU PARA O YOUTUBE.. DILMA  DISSE QUE “O TRABALHADOR NÃO VAI PAGAR IMPOSTOS MAIORES. TUDO ISTO VEM GARANTINDO UM BRASIL MAIS JUSTO ” ( NA REALIDADE ELA NÃO AJUSTOU A TABELA IR)

” O salário mínimo creceu 14.8% acima da inflação. Mas de 14 milhões de trabalhadores são benediciados por meu governo em meu primeiro mandato. E NO SEGUNDO?”
Só se for na inflação medida por ela.

A presidenta Dilma Rousseff não fará pronunciamento em cadeia nacional de rádio e televisão nesta sexta-feira (1º), Dia do Trabalho. A decisão foi tomada na reunião de coordenação política do governo no início da noite de segunda-feira (27). Será a primeira vez que a presidenta não fará o pronunciamento na TV no Dia do Trabalho, em seu quinto ano de governo.

Em 1940 Getúlio Vargas aproveitou as comemorações do dia do trabalhador para anunciar a criação do salário mínimo. Sarney, no 1.º de maio de 1986, regulamentou o seguro-desemprego (criado pelo decreto 2.284 de fevereiro daquele ano). O presidente Lula, em seus oito anos de governo, fez discurso
( ESTADÃO)

Carta de um general para o MInistro do STF Teori Zavascki

EXCELENTÍSSIMO SENHOR MINISTRO  E AO  SUPREMO  TRIBUNAL FEDERAL

Ministro Teori Zavascki

CARTA ABERTA

                Sempre fui defensor ardoroso do PODER JUDICIÁRIO. Aprendi com meu professor de direito, na ESCOLA MILITAR DE RESENDE, que, qualquer sociedade organizada tem seu pilar principal, no CUMPRIMENTO DA LEI. Sem lei ou a não existência de quem a defenda sofrerá a influência da demagogia, do populismo, que são formadores do caos.

       Estamos vivendo o caos e a falência do Poder Judiciário. Há Poder Judiciário para defender poderosos e, não, para defender a sociedade brasileira. Diariamente, estamos assistindo a assaltos aos Cofres da União, dos Estados e dos Municípios. Não são quantidades pequenas, chegando aos bilhões de reais ou mesmo de dólares. Este dinheiro falta na saúde e os ladrões estão soltos, quando cometeram um crime hediondo. Roubaram o seu povo.

       Estamos assistindo à desgraça da mentira prevalecer nos processos, derrotando a verdade. A MENTIRA é o maior câncer de uma sociedade. Como pode uma pessoa ir depor no SENADO FEDERAL e ter garantido o direito de ficar calado? Ela pode ficar calada de livre e espontânea vontade e não ser garantida pelo STF. O STF, defensor da JUSTIÇA, deveria dizer que o depoente não pode MENTIR e se mentir, deveria ser preso. O STF é defensor da VERDADE.

       Magistrado, a manchete da folha de São Paulo, de 29 de abril de 2015, diz bem o que pensa o brasileiro: “SUPREMO LIVRA DA CADEIA EMPREITEIROS DA LAVA JATO.”  É bendito: SUPREMO DEFENDE LADRÃO. É isso que o povo passa a pensar. O BOM DIA BRASIL, de 30 de abril de 2015, foi direto e disse verdades que mostram a decepção com a Justiça. Será que os milhares de presos não poderiam estar presos em casa, com tornozeleira eletrônica. Perguntaram? “são todos iguais”?

       No mesmo dia, 29 de abril de 2015, no Estado do Ceará, vamos encontrar, no jornal Diário do Nordeste, a SEGUINTE NOTÍCIA: “Quatro presos por fraudes na Caixa Econômica são liberados”. São ladrões de mais de 20 milhões reais.

       Excelentíssimo Senhor Ministro, por que soltar quem não presta? Quem rouba bilhões não é pior do que ladrão de galinha? E por que quem rouba pouco é preso e quem rouba muito é solto? É por essas coisas que há um ditado que diz: ”se vai roubar, roube muito, que não vai ser preso”.

       Antigamente, todos tinham o respeito sagrado pela Justiça. Este respeito está indo para a lata do lixo, Exmo. Senhor Ministro. Um dos juízes que votou não poderia fazê-lo. Deveria se julgar impedido.

       Estou enviando esta carta para STF, para Vossa Excelência e amigos.  É uma carta aberta.

É uma carta de revolta.

Sabe  por que  desta  revolta,  Senhor Ministro? Por ter sido PROVEDOR DA SANTA CASA DE FORTALEZA e vivi a pobreza de perto e falta de apoio dos governos.

Sabe  por que  desta  revolta,  Senhor Ministro? Por ter sido dirigente de uma Casa de apoio ao Idoso. Ser idoso neste país é merecer o desprezo dos órgãos públicos. Velho não vota é o que falam os politiqueiros.

Sabe por  que  desta  revolta,  Senhor Ministro? Por ter enterrado três crianças, em TERSINA, mortos pela fome, quando comandante da Polícia Militar do Piauí.

Sabe por   que    desta    revolta,  Senhor Ministro? Porque quase todo dia alguém bate à minha porta, pedindo socorro e eu vou ajudá-lo . Alguém pobre bate à sua porta?

Sabe por que     desta     revolta,  Senhor Ministro? Porque assisto aos noticiários, às Sessões do Judiciário, às Sessões da Câmara e do Senado e fico comparando com outros países, onde ladrão vai para a cadeia ou é fuzilado por ser traficante de droga. Primeiro Ministro Inglês vai para o Parlamento de Metrô e milhares de carros oficiais servem aos poderosos desta desgraçada República.

Estou  perguntando a  Vossa  Excelência se já viu jovens destruídos pela droga.

Estou  perguntando a Vossa Excelência se já viu lágrimas de mãe por ver o filho destruído pela droga.

Estou  perguntando a  Vossa  Excelência  se teve que segurar um pobre homem que desejava matar o filho por ser traficante de droga.

Eu já vi tudo isso quando comandei, também, a Polícia Militar de São Paulo.

Termino perguntando a Vossa Excelência se já ouviu o soluço profundo de uma mãe e o grito desesperado, afirmando que seu filho era ladrão e que roubava para não ser preso.

Eu vi. Ainda sinto o olhar profundo daquela mãe que procurava Justiça.

Excelentíssimo Senhor Ministro, procuro Justiça, apenas Justiça.

Vossa Excelência e os dois outros Juízes, ao soltarem os criminosos empreiteiros, que cometeram crime HEDIONDO, DEPRAVADO, VICIOSO, SÓRDIDO, IMUNDO, REPELENTE, REPULSIVO, HORRENDO, SINISTRO, PAVOROSO, MEDONHO, contribuíram para o desprestígio do SAGRADO PODER JUDICIÁRIO.      

GENERAL DE DIVISÃO REFORMADO

FRANCISCO BATISTA TORRES DE MELO

COORDENADOR DO GRUPO GUARARAPES

DIA 30 abril DE 2015

       ESTAMOS AUTORIZANDO A QUEM ACHAR QUE DEVA REPASSAR QUE O FAÇA.

PRESTE ESTE SERVIÇO AO BRASIL