Acusada no petrolão ela diz defender a Petrobras e combater a corrupção

diplomacao

Título original da Agência Brasil:

Ao ser diplomada no TSE, Dilma defende Petrobras e condena corrupção

A presidenta Dilma Rousseff saiu hoje (18) mais uma vez em defesa da Petrobras, e conclamou a população a firmar um pacto contra a corrupção e afirmar que o crescimento do país vai se acelerar “mais rápido do que alguns imaginam”. Em discurso na cerimônia de diplomação pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE), ela disse também que cabe aos eleitos governarem bem e, ao segundo colocado, exercer o papel de oposição da melhor maneira possível. “Como eleição democrática não é uma guerra, não produz vencidos”, declarou.

Dilma Rousseff discursou logo após receber o diploma – que a habilita a ser empossada no dia 1º de janeiro – das mãos do presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), ministro Dias Tóffoli. Em uma fala voltada a promessas de ações conceituais, de como pretende iniciar o seu segundo mandato, ela fez questão de repetir palavras como “novo”, “mudança” e “esperança”.

Os casos de corrupção da Petrobras foram explicitamente citados pela presidenta em meio à linha de raciocínio de que “alguns funcionários” foram atingidos no processo, mas é preciso “continuar acreditando na mais brasileira das nossas empresas”. O argumento utilizado foi o de que é preciso “punir pessoas, não destruir empresas”. “Estamos enfrentando com destemor, e vamos transformar [o caso] em energia transformadora”, defendeu. Essa luta contra os malfeitos foi exemplificada por Dilma com expressões para “apurar com rigor tudo de errado”, “criar mecanismos que evitem fatos como esse” e “saber apurar, punir”.

“Não podemos fechar os olhos a uma verdade indiscutível. Chegou a hora do Brasil dar um basta à corrupção”, declarou a recém-diplomada, para complementar que um “grande pacto nacional contra a corrupção”, envolvendo todas as esferas da sociedade, “vai desaguar na grande reforma política que o Brasil precisa”. No entanto, não é um conjunto de novas leis que vai resolver os problemas, na opinião da presidenta. Ela disse que a mudança envolve uma nova consciência de moralidade pública na atual e nas próximas gerações. “Quero ser a presidenta que ajudou a tornar esse processo irreversível”, continuou.

“Temos a felicidade de viver em um país onde a verdade não tem mais medo de aparecer”, afirmou. Punir os responsáveis, no entanto, não diminui a importância e a competência da empresa, de acordo com a presidenta reeleita. Para ela, é preciso continuar apostando na governança da Petrobras, no modelo de partilha e na política de conteúdo local. “A Petrobras e o Brasil são maiores que qualquer problema e crise”, acrescentou, e “por isso temos capacidade de superá-los e deles sair melhores e mais fortes”, afirmou.

Após a fala de Dilma, Dias Tóffoli declarou que as eleições são “página virada” e “que os especuladores que se calem”. “Não há espaço para terceiro turno que possa vir a caçar voto desses 54.501.118 eleitores”, frisou.

“Estamos aqui cumprindo o desejo da maioria do povo brasileiro. O povo, na sua sabedoria, escolhe quem ele quer que governe e quem ele quer que seja oposição. Simples assim”, disse a presidenta ao iniciar o seu discurso, antes de dizer que saber vencer é fazer com que todos tenham oportunidades iguais para construir um futuro melhor.

“Ser a primeira mulher eleita e reeleita para ocupar o mais alto cargo da nação deixa minha alma plena de alegria, responsabilidade e destemor”, declarou Dilma Rousseff, para depois complementar que não deve ter medo de mudar a realidade, mesmo que seja difícil. “Nem tampouco medo de mudar a si próprio, mesmo que isso cause algum desconforto”.

Após dizer que as portas a serem fechadas são as da corrupção, e não as do crescimento e do progresso, Dilma anunciou que reserva para o seu discurso de posse, daqui a duas semanas, o detalhamento de “medidas que vamos tomar para mais crescimento, mais desenvolvimento econômico e mais progresso social”. Ao terminar sua fala, convocou todos os brasileiros que a acompanhem “nessa caminhada de transformação e de mudança”.

Ocorrida no plenário do TSE, a cerimônia de diplomação contou com a presença de autoridades como os presidentes do Supremo Tribunal Federal, Ricardo Lewandowski; do Senado Federal, Renan Calheiros; e da Câmara dos Deputados, Henrique Eduardo Alves; além do procurador-geral da República, Rodrigo Janot; do comandante da Força Aérea Brasileira, Juniti Saito; e dos ex-presidentes da República José Sarney e Luiz Inácio Lula da Siva.

 Agência Brasil

Dilma é acusada por Paulo Roberto Costa de SABER das falcatruas do Petrolão.  PRC também afirma que dezenas de parlamentares RECEBIAM PROPINA (dinheiro desviado da Petrobras) PARA MANTER A BASE DO GOVERNO

Jorge Roriz

Ex advogado do PT antes de ler o processo julga favorável a permanência de Dilma

dias toffoli

O presidente do Tribunal Superior Eleitoral, ministro Dias Toffoli, disse hoje (18) que “não haverá terceiro turno” das eleições presidenciais. A declaração foi feita durante discurso na cerimônia de diplomação da presidenta Dilma Rousseff e do vice-presidente Michel Temer, no plenário do tribunal. Segundo o presidente, as eleições de 2014 são página virada para a Justiça Eleitoral. “Não haverá terceiro turno na Justiça Eleitoral. Que os especuladores se calem. Não há espaço para terceiro turno para cassar o voto de 54.511.118 eleitores˜, disse. Antes da cerimônia de diplomação, o PSDB entrou com ação no TSE para cassar o mandato da presidenta. O partido alega que Dilma cometeu irregularidades como uso da máquina administrativa e abuso econômico, e não poderia assumir o mandato.

André Richter, Agência Brasil

A parcialidade e suspeição do presidente do TSE

 Ao receber o pedido do PMDB para cassar a diplomação de Dilma. Sem ler o processo, sem julgar de forma legal, ele o ex- advogado do PT afirmou:
“Que os especuladores se calem. Já conversei com a Corte e é essa a posição, inclusive, do nosso corregedor-geral eleitoral, com quem conversei, e de toda a composição. Não há espaço, repito, para terceiro turno que possa vir a cassar o voto destes 54.501.118 eleitores”, acrescentou Dias Toffoli, referindo-se ao número de votos dados a Dilma no segundo turno.
Em outras palavras, ele é SUSPEITO PARA JULGAR O PROCESSO. JÁ TEM OPINIÃO FAVORÁVEL A DILMA, sem observar as ILEGALIDADES por ela cometida.
Jorge Roriz.

PSDB entra com ação no TSE pedindo a cassação do diploma de Dilma

psdb

 

O PSDB e a Coligação Muda Brasil pediram, nesta quinta-feira (18), a cassação do registro de candidatura e da diplomação da presidente Dilma Rousseff e do seu vice, Michel Temer. O partido protocolou uma ação no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) em que cita casos de utilização da máquina administrativa e abuso do poder econômico cometidos pela petista. No documento, o PSDB solicita ainda que o tribunal diplome, para os cargos, Aécio Neves e Aloysio Nunes, candidatos a presidente e vice da Muda Brasil, que ficaram em segundo lugar na disputa eleitoral.

No texto, o PSDB menciona desvios que, na avaliação do partido, comprometeram a legitimidade das eleições. Como exemplo, a convocação imprecisa de redes de rádio e televisão para pronunciamentos, a manipulação de indicadores sócio-econômicos, o uso de prédios públicos, entre outros.

“A eleição presidencial de 2014, das mais acirradas de todos os tempos, revelou-se manchada de forma indelével pelo abuso de poder, tanto político quanto econômico, praticado em proveito dos primeiros réus, DILMA VANA ROUSSEFF e MICHEL MIGUEL ELIAS TEMER LULIA, reeleitos Presidente e Vice-Presidente da República, respectivamente.

Baixe AQUI a ação: http://migre.me/nAuAO

Posse de Dilma poderá ser tumultuada

Petistas estão convocando militantes de todo Brasil para a posse de DIlma. O governador de Brasília fará um revellion especial para aproveitar o povo da festa na posse.O objetivo é legitimar a posse por “apoio” popular. A oposição também está organizando protestos para o dia da posse. O dia 01/01 promete ser agitado em Brasíla.

“O importante é que a posse mostre que ela (Dilma) tem legitimidade e apoio popular e, com isso, desencorajar eventuais aventureiros que queiram trabalhar a ideia de deslegitimar o governo dela”,

“Vai ser uma posse de caráter marcadamente político, no sentido de uma disputa, de uma festa, de uma celebração de uma vitória”, afirmou Gilberto de Carvalho.

Bolsonaro X Rosário

O Bolsonaro errou. Ele empurrou Rosário, xingou ela de “vagabunda”. Não vi Rosário xingando ele de estuprador.  No vídeo ele diz que ela xingou ele de estuprador, mas isto não foi filmado. Politicamente sempre apoei e apoio Bolsonaro, mas ele errou. Agora ressalto que o fato dele dizer que não a estupraria, não significa apologia ao estupro. Não significa que ele estupraria outra pessoa. De forma simbólica, o que ele quis dizer  de  foi: ” a senhora é tão feia e desprezível  que nem estuprador te deseja”.

Mas ele expressou isto de forma inadequada. Claro que NENHUMA MULHER, MERECE SER ESTUPRADA. (Nem Maria do Rosário e nenhuma outra mulher) O estupro é não é uma questão de merecimento……..

Como o governo comunista tem Bolsonaro um grande inimigo, vão usar de todos os meios para usar o fato de forma que possa prejudica-lo.

Jorge Roriz

A pesca

 por Rildo Silveira

Os oceanos fornecem milhões de toneladas de peixes e crustáceos anualmente e apenas uma parte é consumida pelo homem. Outra parte, tartarugas, golfinhos e moluscos caídos nas redes, não têm valor comercial, sendo descartados ou usados como ração para outros animais.

A pesca industrial e predatória esgota as cadeias alimentares marinhas, danificando seriamente os ecossistemas oceânicos e pluviais.

Estudos declararam que os peixes sentem dor e estresse, tendo semelhante quantidade de terminações nervosas em suas bocas que os humanos têm em seus genitais.

Eles usam a boca como órgão sensor geral e de alimentação. Fisgar um peixe pela sua boca, garganta ou olhos e trazê-lo à superfície, causa-lhe dor imensa, asfixia e sangramento das guelras, sendo extremamente sofrível para um animal senciente. Os peixes possuem um sistema nervoso complexo, demonstrando inteligência. Seus sistemas de defesa, espetaculares, sugerem consciência para fugir do pescador.

Na modalidade de pesca esportiva, acha-se normal pescar e retorná-los à água. Muitas vezes o peixe engole o anzol, e mesmo se retirado, causa lesões, infecção e dor, que os impedem de alimentar, levando à inanição e morte. Também o sangramento atrai outros predadores. Quando a pesca esportiva se difundiu, imitando os norte americanos, passou-se a imagem de ser uma boa ação devolver à água os peixes capturados,

desconsiderando a dor e o estresse provocados no animal, até sua morte.

Os peixes criados em tanques são submetidos às mesmas atitudes e são expostos em muitos restaurantes para serem escolhidos pelos fregueses.

Em muitos pesque pagues, os peixes são descamados, cortados e são eviscerados ainda vivos!

Caranguejos e lagostas são grelhados vivos! A lagosta é retirada de um tanque e colocada diretamente na brasa com um peso por cima. Ela passa da cor verde/azul para vermelha. A carne dos peixe e crustáceos possui proteínas, vitaminas, minerais e ômega 3. Muitas toxinas, inclusive a botulínica, adrenalina e hormônios atenuadores da dor. Existem alternativas saudáveis e gostosas a estas carnes, como bons pratos preparados com legumes, verduras e temperos verdes. Divertir-se com o sofrimento e a dor alheios, só faz aumentar a violência em nossa sociedade, tornando-nos frios e insensíveis.

Precisamos respeitar mais aqueles que nos cercam, para que possamos também ser respeitados. Precisamos dar o respeito para sermos respeitados.

Será nosso paladar tão importante assim na ordem das coisas?

Nos divertimos de forma tão primitiva, assim? Nós, humanos, temos direito a isso?

Rildo Silveira -

FONTE: www.direitoanimal.org

Psicopatia e histeria

Psicopatia e histeria

SÃO PAULO, 11 DE DEZEMBRO DE 2014

POR OLAVO DE CARVALHO

Uma elite de psicopatas sobe ao poder e se cerca de adeptos e militantes que, no afã de enxergar as coisas como seus chefes mandam, acabam desenvolvendo todos os sintomas da histeria.

A saúde mental de uma comunidade pode ser aferida pela dos indivíduos que ela eleva aos mais altos postos e incumbe de representá-la. O mais breve exame do Brasil sob esse aspecto leva a conclusões que já ultrapassam a escala do alarmante e se revelam francamente aterrorizantes.

Já tivemos um presidente que achava lindo fazer sexo com cabritas, se gabava de haver tentado estuprar um companheiro de cela – prova de macheza, segundo ele – e confessava entre risos as mais cínicas mentiras de campanha. É claro que a tropa dos seus guarda-costas e marqueteiros corria, nessas ocasiões, para dar a essas declarações o sentido de meras brincadeiras, mas, supondo que o fossem, é igualmente evidente que pessoas adultas normais não se divertem com gracejos tão torpes.

Qualquer que fosse o caso, no entanto, a conduta desse cidadão não sugeria nenhuma doença mental e sim propriamente uma psicopatia – a deformidade moral profunda que sufoca a voz da consciência e autoriza o indivíduo a viver de manipulações, trapaças e crimes sem nunca enxergar nisso nada de anormal.

Já mencionei, em outros artigos, o livro do psiquiatra Andrew Lobaczewski, Ponerologia: Psicopatas no Poder (Vide Editorial, 2014), em que uma equipe de médicos poloneses condensa os resultados de décadas de observação da elite comunista que dominava o país, e descreve tecnicamente o fenômeno da “patocracia”, o governo dos psicopatas.

Mas, como explica o próprio dr. Lobaczewski, quando uma elite de psicopatas sobe ao poder, ela se cerca de adeptos e militantes que não são psicopatas, mas que, no afã de enxergar as coisas como seus chefes mandam em vez de aceitar os dados da realidade, acabam desenvolvendo todos os sintomas da histeria. A histeria é um comportamento fingido e imitativo, no qual o doente nega o que percebe e sabe, criando com palavras um mundo fictício cuja credibilidade depende inteiramente da reiteração de atitudes emocionais exageradas e teatrais.

Um exemplo, já antigo, esclarecerá isso melhor.

Todo mundo conhece o deprimente episódio da discussão feia na qual a deputada Maria do Rosário xingou seu colega Jair Bolsonaro de “estuprador”. Incrédulo, o deputado perguntou:

– Agora sou eu o estuprador?

A deputada, fria e pausadamente, confirmou:

– É sim.

O deputado, que não é lá muito famoso pelas boas maneiras, deu-lhe uma resposta brutalmente sarcástica (“não vou estuprar você porque você não merece”) e a adversária ameaçou dar-lhe uns tapas, deixando de cumprir o intuito ante a promessa de um revide, sendo então chamada de “vagabunda” e tendo um dos mais célebres chiliques da história política nacional.

Está tudo gravado.

As circunstâncias que precederam o acontecimento são muito reveladoras. Bolsonaro tinha apresentado um projeto de lei que previa penas mais severas para os estupradores, inclusive antecipando o prazo de maioridade penal para que a punição pudesse alcançar tipos como Roberto Aparecido Alves Cardoso, o Champinha, um dos estupradores e assassinos mais cruéis que este país já conheceu.

Maria do Rosário era contra a antecipação da maioridade e defendia penas mais brandas para estupradores e assassinos de menos de dezoito anos.

O projeto do deputado Bolsonaro era aprovado por mais de 90% da população.

Defensora de uma causa impopular, e cunhada, ela própria, de um estuprador de menores, Maria do Rosário tinha todos os motivos para ficar com os nervos à flor da pele quando se discutia estupro e menoridade. Chamar de estuprador o algoz maior dos estupradores não fazia o menor sentido, evidentemente, exceto como inversão histérica da situação real.

Do ponto de vista penal, admitindo-se que ambos os parlamentares tenham cometido delitos, o da deputada foi bem mais grave. Nosso Código Penal pune com seis meses a dois anos de detenção o crime de calúnia (imputação falsa de ato delituoso) e com apenas um a seis meses de detenção o de injúria (ofender a dignidade e o decoro de alguém).

Pior: a lei concede atenuante ao delito de injúria se é cometido em revide a insulto anterior, e um segundo e maior atenuante se o revide foi imediato. Os dois atenuantes aplicavam-se à conduta do deputado Bolsonaro. Em comparação com Maria do Rosário, ele estava praticamente inocente no episódio.

Bem, esses são os dados objetivos da situação, mas a reação da esquerda nacional quase inteira, seguida de perto por toda a grande mídia, foi levantar um escarcéu dos diabos contra o deputado, chegando a pedir a cassação do seu mandato e apresentando Maria do

Rosário como vítima inocente de uma violência verbal intolerável.

Por mais intenso que seja o ódio político que se vota a um inimigo, simplesmente não é normal inverter de maneira tão flagrante a lógica dos fatos e o seu sentido jurídico para fazer do agredido o agressor e do revide injurioso, por mais grosseiro que fosse, um crime mais grave que o de calúnia.

Pior: todos os que incorreram nessa loucura faziam-no em tom de tão profunda indignação – alguns chegando até às lágrimas –, que não pareciam, de maneira alguma, estar mentindo deliberadamente. Ao contrário: a coisa era uma inversão histérica genuína, característica, indisfarçável. E coletiva.

A passagem do tempo não parece tê-la curado, mas agravado. Ainda esta semana, como o deputado Bolsonaro relembrasse o episódio, mostrando não arrepender-se do que tinha dito a Maria do Rosário, a deputada Jandira Feghali viu nisso, não, como seria normal, uma prova de falta de educação, mas – pasmem – uma confissão de estupro. E, aos berros, exigia a cassação do mandato de Bolsonaro, alegando que “não podemos admitir a presença de um estuprador nesta Casa”. Não deixa de ser significativo que, nessa mesma semana, uma pesquisa da Universidade da Califórnia revelasse que a incapacidade de perceber o sarcasmo pode ser um sintoma de demência.

Porém ainda mais significativo é que, também na mesma semana, a deputada, lendo uma frase minha segundo a qual todos deveríamos “atirar à cara dos comunistas, em público, todo o mal que fizeram”, lançou o alarma: Olavo de Carvalho prega assassinato de comunistas!

O histérico não enxerga o que está diante dos seus olhos, mas o que é projetado na tela da sua imaginação pelo medo e pelo ódio.

Maria do Rosário entra no STF com uma queixa crime contra Bolsonaro

maria-do-rosarioA deputada federal Maria do Rosário (PT-RS) protocolou hoje (16) no Supremo Tribunal Federal (STF) uma queixa-crime por injúria e calúnia contra o deputado federal Jair Bolsonaro (PP-RJ).

Segundo a parlamentar, Bolsonaro fez declarações de teor ameaçador e incitou a violência. No dia 9 deste mês,  em discurso no plenário da Câmara, o deputado disse que só não estupraria a deputada Maria do Rosário porque ela “não merece”. No dia seguinte, ele reafirmou a declaração em entrevista ao jornal Zero Hora.

Ontem (14), a Procuradoria-Geral da República (PGR) denunciou o deputado ao Supremo por incitação ao crime de estupro.

Aecio-Neves-Foto-George-Gianni-31

Vídeo – Entrevista com Aécio Neves

O presidente nacional do PSDB, senador Aécio Neves, reuniu-se, na tarde desta terça-feira (16/12), com os vice-presidentes nacionais e líderes do partido. Durante o encontro, Aécio avaliou com os parlamentares os novos escândalos do governo federal do PT envolvendo a Petrobras. Aécio afirmou que a oposição irá apresentar relatório paralelo à CPMI da Petrobras e colher assinaturas para nova CPMI a ser aberta em fevereiro.

Orientado por Daniela Mercury, Diogo Garcia vence o The Voice de Portugal

Diogo Garcia que  teve Daniela Mercury como técnica e orientadora,  foi o vencedor  do The Voice Kids, na versão portuguêsa.

Na final do programa, apresentado pelo o canal RTP1, o adolescente cantou “You Are Not Alone”, de Michael Jackson, e I Won’t Give Up, de Jason Mraz.

Diogo ganhou um contrato com a gravadora Universal e  uma viagem para a Eurodisney, em Paris, junto com a família.

Crise anunciada: Dólar dispara e ultrapassa R$ 2,70

dolar

Uma semana após ultrapassar R$ 2,60, a moeda norte-americana supera a barreira de R$ 2,70. O dólar comercial encerrou esta terça-feira (16) vendido a R$ 2,736, com alta de R$ 0,05 (1,87%). O valor é o mais alto desde 28 de março de 2005, quando a cotação tinha fechado em R$ 2,739.

O dia foi marcado pela volatilidade no mercado financeiro. Durante toda a sessão, a moeda operou em alta. Na máxima do dia, por volta das 13h, o dólar chegou a atingir R$ 2,756.  A moeda norte-americana acumula alta de 6,37% em dezembro e de 16,03% no ano..

Contribuiu para a alta o anúncio do presidente do Banco Central (BC), Alexandre Tombini, de que a autoridade monetária deverá reduzir as operações de swap cambial (vendas de dólares no mercado futuro) a partir de janeiro. Atualmente, o BC leiloa US$ 200 milhões por dia para segurar a divisa. Segundo Tombini, o montante diário ficará entre US$ 50 milhões e US$ 200 milhões no próximo ano.

PGR denuncia Bolsonaro por incitação ao crime de estupro

Jair_Bolsonaro

A Procuradoria-Geral da República (PGR) denunciou hoje (15) o deputado federal Jair Bolsonaro (PP-RJ) ao Supremo Tribunal Federal (STF) por incitação ao crime de estupro. No dia 9 deste mês, em discurso no plenário da Câmara, Bolsonaro disse que só não estupraria a deputada Maria do Rosário (PT-RS) porque ela “não merece”. No dia seguinte, o parlamentar refirmou a declaração em entrevista ao jornal Zero Hora. Na denúncia, a vice-procuradora-geral da República, Ela Wiecko, afirma que a declaração de Bolsonaro indica que um homem pode estuprar uma mulher que ele “entenda ser merecedora do estupro”. O pedido de abertura de investigação será julgado pelo ministro Luiz Fux. Além da denúncia na Justiça, o parlamentar é alvo de uma representação protocolada pelo PT, PCdoB, PSOL e PSB, no Conselho de Ética e Decoro Parlamentar da Câmara dos Deputados. Os partidos pedem a cassação do mandato de Bolsonaro pelas ofensas à deputada.

A perda da “PTBRAS” é de R$ 600 bilhões – A Petrobras não existe mais

petrobras

LULA

Em  maio de 2008, a Petrobras  chegou a ser cotada a R$ 737 bilhões (em valores corrigidos pela inflação).

A empresa que chegou a ser a 12º maior empresa do planeta, valia  em 2008, R$ 737 bilhões.

Hoje ela vale R$ 127 bilhões. No governo petista, a empresa perdeu R$ 61o bilhões.

Sua cotação passou a valer na Bolsa o mesmo que no primeiro ano do governo Lula. (2003) É como se a empresa estivesse paralisada há 11 anos.

ALGUÉM PRECISA SER RESPONSABILIZADO POR ESTE CRIME DE LESA PÁTRIA. UM CRIME CONTRA A ECONOMIA NACIONAL E INTERNACIONAL. (A EMPRESA POSSUI ACIONISTAS DE OUTROS PAÍSES)

Fontes: Estadão – Petrobras perde R$ 610 bilhões na Bolsa e vale menos do que antes do pré-sal

A PRESIDENTE DO BRASIL, DILMA ROUSSEFF E A PRESIDENTE DA PETOBRAS GRAÇA FOSTER, PODERÃO SER PROCESSADAS NO ESTADOS UNIDOS.

Em Nova York, as seguintes empresas processam a Petrobras: Bronstein, Gewirtz & Grossman, Wolf Popper, Rosen Law Firm, Pomerantz Law Firm, Brower Piven, Khan Swick & Foti (KSF) e Glancy Binkow & Goldberg. Todos alegam que a Petrobras enganou os investidores ao emitir material falso e não revelar o “esquema interno multibilionário de corrupção e lavagem de dinheiro” que afeta a companhia desde 2006.

O DINHEIRO ROUBADO, SERVIU PARA ALIMNTAR  CAMPANHAS POLÍTICAS DO PT  E PARA FINANCIAR A DITADURA COMUNISTA DA VENEZUELA E DE CUBA.

LEMBRANDO QUE “LULADILMA” APOIAM AS FARCS, COMO ORGANIZAÇÃO NÃO TERRORISTA, DILMA QUIS DIÁLOGO COM ENFORCADORES E TEM RECEBIDO ELOGIOS DO HAMAS.

DIVULGUEM O TEXTO LIVREMENTE. O BRASIL PRECISA SABER.

 

O incêndio da corrupção na Petrobras

 

Não foi nenhum oposicionista, nenhum representante da imprensa, nenhum defensor de golpe, mas o procurador-geral da República Rodrigo Janot que disse ontem, com todas as letras, que a corrupção devasta a Petrobras como um grande incêndio e sua diretoria deve ser substituída.

“Corruptos e corruptores precisam conhecer o cárcere e devolver ganhos espúrios que engordaram suas contas às custas da esqualidez do Tesouro Nacional e do bem-estar do povo”, afirmou Janot.

Ninguém da oposição disse, mas o próprio responsável por anos pela Controladoria Geral da União, Jorge Hage, que as estatais brasileiras não estão sob controle dos órgãos de fiscalização. Essa falha, inclusive, foi um dos motivos de seu pedido de demissão.

“É preciso trazer as estatais para o foco do controle porque atualmente elas têm sistema de licitações próprio, no caso da Petrobrás, não utilizam o sistema corporativo do governo, o que faz com que fique fora do alcance dessas atividades”, disse.

Não foi nenhum antipetista militante, mas o próprio juiz representante pela operação Lava-Jato, Sérgio Moro, quem afirmou que o esquema de desvios pode ir além da Petrobras.

“Embora a investigação deva ser aprofundada quanto a este fato, é perturbadora a apreensão desta tabela nas mãos de Alberto Youssef, sugerindo que o esquema criminoso de fraude à licitação, sobrepreço e propina vai muito além da Petrobras”, disse, com base na lista de 750 obras pública apreendidas com o doleiro Youssef.

Não foi nenhum economista antipático ao petismo, mas os próprios acionistas da Petrobras nos EUA que entraram na justiça contra a empresa por perdas elevadas devido a contaminação da empresa pela corrupção. A lama foi escondida dos investidores.

Segundo um dos advogados, a Petrobras “falhou em expor um alto nível de corrupção na companhia, incluindo um esquema multibilionário de propina e lavagem de dinheiro”, além de ter superfaturado equipamentos e propriedades em suas demonstrações financeiras. (O Globo)

Não é nenhum pessimista de plantão, mas fontes do próprio governo que afirmam que houve redução de bilhões em investimentos na estatal devido ao processo de corrupção.

Não foi nenhum oposicionista mal-intencionado, mas 68% da população brasileira que acha que a presidente Dilma Rousseff tem responsabilidade sobre o desvio na Petrobras.

FontE: Democratas

BNDES SERÁ A BOLA DA VEZ. PETROLÃO É “FICHINHA”

“Vamos ter um escândalo de corrupção ainda maior do que o da Petrobrás. E será no BNDES” : O procurador federal mais temido de Goiás diz que o banco do governo será foco de rombos ainda maiores e desabafa: “Não estamos dando conta de defender a República dos ratos que estão corroendo suas estruturas”

Posted: 14 Dec 2014 10:15 AM PST

helio telho (27)

Foto: Fernando Leite/Jornal Opção
É raro achar um político que goste de Helio Telho Corrêa Filho. Eles têm razão de não ter muita afeição pelo procurador da República: além de já passado pelo Ministério Público Eleitoral (MPE) deixando estragos em várias candidaturas com gastos suspeitos nas eleições de 2004 e 2006, ele não costuma “alisar” com a classe. O fato agravante é que ele usa as redes sociais para dizer o que pensa — e geralmente o que ele pensa é o antônimo do que um questionável ocupante de cargo público consideraria um elogio.
Dessa forma, ele consegue a antipatia de partidários de todas as correntes. Ser tido por tanta gente diversa como “persona non grata” não parece lhe incomodar. Pelo contrário: mostra que o alcance de seu rigor com a coisa pública é imparcial e acaba “doendo” em todos. Ao mesmo tempo em que mostra a vigilância necessária aos fatos sombrios demonstrada nas redes sociais, ele tem também um lado reservado: prefere não falar sobre questões pessoais. “Minha vida particular é muito pouco interessante”, desconversa, embora ele mesmo diga que quem o quer destratar o acusa de gostar de aparecer.
Ao receber o Jornal Opção em sua sala, Helio Telho fez questão de puxar alguns temas por conta própria — embora já estivessem também na pauta. O principal alvo foi a necessidade de uma reforma político-eleitoral adequada. “Hoje as lideranças políticas, sociais e religiosas, em sua maioria, vendem o apoio. Há até mesmo uma tabela. E a cada eleição isso está mais caro”, resume.
O escândalo da Petrobrás ganha outro nome pela boca do procurador: “petropina”, uma junção dos termos “petróleo” e “propina”. “A ‘Veja’ foi de uma criatividade sem tamanho usando o termo ‘petrolão’. O que há é a ‘petropina’, a Petrobrás estava prospectando petróleo com propina.” Mas o pior ainda está por vir, diz ele. “Nós ainda vamos ver o maior escândalo de corrupção. E será no BNDES. Se na Petrobrás havia o TCU [Tribunal de Contas da União] investigando e denunciando fraudes, do BNDES nós não temos nada, não sabemos nada”, alerta Helio Telho, que estabelece até um prazo máximo para os novos podres virem à tona: dois anos. Continue a leitura aqui

Salvador – ACM Neto é o melhor prefeito do Brasil pelo 2º ano consecutivo

ACm Neto 3

Pesquisa do Vox Populi divulgada na noite de Sábado(13) pela Band indica que ACM Neto é o melhor prefeito do Brasil pelo segundo ano consecutivo.

Na última pesquisa, 51% da população de Salvador deu nota máxima ao democrata. Agora, a nota máxima subiu para 61%.

“Os gestores do PT precisam deixar a birra de lado para se inspirar no modelo de administração tocado por ACM Neto em Salvador. Ou eles vão continuar se inspirando no jeito Fernando Haddad de governar?”, questionou o presidente do Democratas de Camaçari, Helder Almeida, se referindo ao fato do prefeito de São Paulo, que é petista, ter ficado novamente como pior governante de capital do país, segundo o Vox Populi

 Helder Almeida citou o exemplo de Camaçari. “Em Camaçari o prefeito do PT, Ademar Delgado, se mostra um péssimo administrador, fazendo uma gestão sem nenhuma inovação ou mesmo sem conseguir prestar os serviços públicos à população com qualidade. Não vemos a mesma força e vontade política de ACM Neto nas gestões petistas, que parecem mais preocupadas com o partido, e não com a população. Esperamos que o governador eleito Rui Costa siga o exemplo de Neto”, frisou o democrata.

aleluia

Aleluia: “O petrolão é a ponta do iceberg do esquema de perpetuação do PT no poder”

aleluia

“O petrolão é só um exemplo de esquema de desvio de recursos públicos que tem como projeto maior o financiamento de partidos alinhados à esquerda na América Latina e a perpetuação no poder. É a ponta do iceberg”, afirmou o deputado federal eleito José Carlos Aleluia, fazendo correlação do esquema de corrupção da Petrobras com os projetos políticos do PT e do Foro de São Paulo, na manhã deste sábado, durante a Reunião de Parlamentares da União de Partidos Latinoamericanos, órgão vinculado à União Internacional Democrata, no Rio de Janeiro.

Aleluia assinalou que o nascimento desse movimento contra os princípios democráticos se deu no Foro de São Paulo, articulação entre governos da Venezuela, Cuba, Brasil, Bolívia, Argentina, Equador e outros, que atende a interesses partidários e não aos das nações. “A influência deste grupo sobre os representantes da esquerda latino-americana que se perpetuam no poder atacando as instituições democráticas de nossa região é motivo de preocupação internacional”.

Para Aleluia, a outrora respeitada diplomacia brasileira foi transformada em um instrumento a serviço da política partidária e ideológica do PT. O democrata mencionou a denúncia do ex-ministro das Relações Exteriores, Luiz Felipe Lampreia, de que a atual orientação do Itamaraty é pautada por interesses partidários. “Estaremos em prontidão no Congresso Nacional para combater veementemente essa tentativa de destruir a Democracia e a República Brasileira”. (Assessoria de Aleluia)

Parabenizamos o nobre deputado pela iniciativa e coragem de denúnciar o PT. Poucos parlamentares no país, falam sobre o Foro de São Paulo.

Jorge Roriz

Só um peixinho ou um camarão de vez em quando… – Martha Follain

 Martha Follain

É… muitas vezes, é isso que ouço, quando indago daquele velho amigo se ainda é vegetariano. Como se, um “peixinho”, no diminutivo, fosse mudar alguma coisa.

Vegetarianismo é muito mais do que não comer nenhuma espécie de carne. É idealismo, é amor ao Planeta, à espécie humana e às outras espécies animais. E, qual é a diferença entre comer peixe, caranguejo ou vaca? Alguns “vegetarianos” até confessam que ontem jantaram “arroz com camarão”, como se “frutos do mar” dessem em árvores. Mas, só de vez em quando…

Para começar: qualquer animal, que possua sistema nervoso, sente dor.

Camarões são crustáceos, como lagostas e caranguejos – segundo o Centro Vegetariano:

Lagostas: As lagostas são  crustáceos que podem viver mais de um século e têm uma vida social complexa. O seu sistema nervoso sofisticado torna-as sensíveis à dor: está disperso por todo o corpo e não apenas centralizado no cérebro. Tal significa que sofrem até que o seu sistema nervoso seja completamente destruído. Separar a sua espinal medula e o cérebro em dois faz com que sintam a mesma dor em cada uma das partes ainda vivas!
As lagostas também não dispõem de um mecanismo, do qual dispõem os humanos (entre outros animais), que faz com que em caso de dor extrema, um choque intervenha para fazer um curto-circuito na sensação. Segundo, Dr. Robb, da Universidade de Bristol, uma lagosta mergulhada diretamente em água a ferver permanece viva cerca de quarenta segundos. Colocada em água fria levada à ebulição, pode sobreviver durante 5 minutos. Morta pelo método industrial, que consiste em imergi-la simplesmente em água doce, agoniza durante duas horas. Desde a sua captura (feita por mergulhadores especializados ou por armadilhas) até à sua morte, as lagostas são ainda obrigadas a suportar outros sofrimentos. Suportam uma privação quase total de movimentos durante semanas em minúsculas caixas metálicas nos portos, nos aeroportos, depois nas câmaras frigoríficas, e mais tarde dentro de aquários das lojas e restaurantes. Por facilidade, mas também para evitar que sujem as caixas e aquários com dejetos, elas não são alimentadas durante todo esse tempo; por essa razão, com receio de que, esfomeadas, acabassem por se comer umas às outras, deixam-nas sempre com as pinças ligadas com fita adesiva.  Atualmente existem muito poucas lagostas grandes e idosas devido à intensa exploração a que estão sujeitas. Junto às costas, quase já não se encontram estes crustáceos. Os pescadores têm de usar um número cada vez maior de armadilhas para manter o mesmo nível de captura. A procura mundial de marisco está, pois, a dizimar os ecossistemas. No mundo inteiro, em cada ano, mais de 80 milhões de lagostas passam por este sofrimento. São consideradas um alimento de luxo, motivo pelo qual são bastante consumidas em épocas festivas como o Natal e a Passagem de Ano.

http://www.centrovegetariano.org/

Caranguejos: É óbvio que quando um caranguejo é cozido vivo, está sentindo dor, pois, à semelhança de outros animais, incluindo os humanos, tenta de todas as formas escapar. Os caranguejos, que são naturalmente territorialistas, são apanhados juntos e colocados em contentores ou caixas onde esperam pelo seu destino – assustados e confusos, muitas vezes chegam a lutar uns com os outros. Muitos partem as patas quando são apanhados de forma abrupta pelos pescadores. Uma boa parte deles morre antes de chegar aos locais de venda. O fim destes animais ocorre quando são atirados vivos para dentro de panelas de água fervendo – lutam tanto para fugir desta experiência horrível, que muitas vezes as suas pinças partem-se

www.anda.jor.br

Camarões: são também crustáceos muito delicados. Partilham a mesma capacidade básica para experienciar o sofrimento que outros crustáceos, como os caranguejos e as lagostas.

www.anda.jor.br

E o “peixinho”?

Os peixes agonizam em asfixia depois de retirados da água. Morrem por falta de oxigênio.

E, não há coisa pior que a tal “pesca esportiva” – a sensibilidade da boca dos peixes, é comparável à sensibilidade em nossos órgãos genitais. O que você acharia de ser “pescado”, várias vezes, pelos seus genitais e depois devolvido à sua casa? Além da dor, o estresse sempre renovado.

Segundo o Centro Vegetariano:

O sistema nervoso dos peixes
O sistema nervoso dos peixes é complexo e sofisticado… O olfacto está também muito desenvolvido em algumas espécies. Os salmões e outros peixes migradores apresentam o fenómeno “homing”, ou seja, voltam sempre ao rio onde nasceram para se reproduzirem. Está cientificamente provado que estas espécies “memorizam” o odor da água do rio onde nasceram, para um dia poderem voltar. Em muitas espécies, as papilas gustativas não se limitam à cavidade bucal, estão também noutras partes do corpo. Os ouvidos, além de permitirem a percepção de sons, funcionam também como órgãos do equilíbrio. Os peixes têm sistemas organizados de comunicação entre si. Emitem substâncias de alarme em presença de predadores…

Afinal, os peixes sofrem?
Pelo acima exposto, e que tem sido consubstanciado por estudos levados a cabo nomeadamente por cientistas ingleses, a resposta é simples: sim, os peixes sofrem. Enquanto criaturas do reino animal, dotadas de um sistema nervoso central, os peixes possuem um sistema de dor que é anatómica, fisiológica e biologicamente semelhante ao das aves e outros animais. Os peixes reagem a sensações de dor e de prazer e, na verdade, partilham até semelhanças com o sistema nervoso dos seres humanos, já que algumas espécies possuem neurotransmissores como as endorfinas, que induzem a sensação de bem-estar e de alívio da dor. Logicamente, se os seus sistemas nervosos produzem analgésicos naturais, é porque estão pré-determinados para sentirem dor.
Os referidos estudos constatam que a morte por laceração dos tecidos, sangramento e asfixia (que caracterizam a pesca) é extremamente cruel, porque fonte de grande sofrimento para estes animais, não só físico, mas também psicológico. Ao reagirem à dor, os peixes sentem também estresse emocional e apresentam uma série de espasmos e movimentos de contorção muito semelhantes ao comportamento dos vertebrados superiores, como os mamíferos, em iguais circunstâncias. E embora inaudíveis para os seres humanos, alguns peixes emitem sons para exprimir a sua agonia, conforme concluem pesquisas conduzidas por várias universidades dos Estados Unidos.
Sabe-se hoje que os peixes são animais inteligentes e que algumas espécies apresentam fenómenos interessantes ao nível da memória, da capacidade de aprendizagem e até da antecipação do sofrimento. Com efeito, alguns dos estudos feitos constataram que os peixes, não só emitiam uma espécie de grunhido ao serem submetidos a choques eléctricos, como grunhiam à simples visão do eléctrodo, numa clara antecipação do sofrimento que dessa forma lhes ia ser infligido.

http://www.centrovegetariano.org/

Por favor, se você come um peixinho de vez em quando, crustáceos, etc., você não é vegetariano. Pelo menos, tenha a dignidade de não se declarar como tal.

Para os do contra de plantão:

Penso que sim, claro, cada um come o que quiser, e isso pode não ter nada a ver com a índole da pessoa.

Mas… todos nós sabemos que a pecuária faz mal, muito mal ao planeta – desmatamentos, exorbitante quantidade de água gasta, etc.

E, ninguém pode negar a DOR  e o MEDO que os animais não humanos sentem ao serem abatidos ou pescados para consumo. Sinto-me melhor, ao não contribuir para as 2 situações e tantas outras.

Sou vegetariana porque acredito no que pratico ou vice versa. Simples assim. Acredito que o regime vegetariano é melhor para o planeta, para os animais não humanos e para o organismo de animais humanos.

Quem não pensar assim, que não faça.

E também que não se declare vegetariano, por achar que “está na moda”.

Não quero brigar com ninguém, mas  estou saturada desses argumentos. “Vegetarianos não são melhores que carnívoros, etc.” –   estou tão enfastiada desses argumentos, como os dos que se dizem vegetarianos comendo peixinho e camarão.

Sds,

Martha Follain

Texto registrado na Biblioteca Nacional – Direitos Autorais.

Reprodução permitida, desde que com todos os créditos.

Martha Follain: Formação em Direito, Neurolinguística, Hipnose e Regressão. Terapia Floral de Bach, Aromaterapia, Terapia Floral de Minas, Fitoterapia Brasileira, Cromoterapia, Cristaloterapia, Terapia Ortomolecular, Bioeletrografia, Terapia de Integração Craniossacral – para animais humanos e animais não humanos. Consultora da “Phytoterápica”.

CURSOS À DISTÂNCIA – via INTERNET – criados e ministrados por Martha Follain:

Curso de Aromaterapia para Uso em Animais;

Curso de Aromaterapia para Uso em Humanos;

Curso de Florais de Bach para Uso em Animais;

Curso de Florais de Bach para Uso em Humanos.

Curso de Cromoterapia para Uso em Animais:

Curso de Fitoterapia para Uso em Humanos;

Curso de Fitoterapia para Uso em Animais;

Curso de Cristaloterapia para Uso em Humanos;

Curso de Terapia de Regressão a Vivências Passadas.

INFORMAÇÕES:

www.floraisecia.com.br

mfollain@terra.com.br

Vem chumbo grosso por ai

 

Carlos Chagas

Dois números começam a circular em Brasília, levantando a curiosidade de muitos e o desespero de poucos. São 28 e 11. No caso, 28 deputados e 11 senadores que fizeram parte da delação premiada de Paulo Roberto Costa e Alexandre Youssef, acusados de participação na lambança da Petrobras. Seus nomes estão há alguns dias na posse do ministro Teori Zavaski, do Supremo Tribunal Federal. Quando se iniciar o processo contra eles, a partir de denúncia do Procurador Geral da República, não haverá como evitar sua divulgação. Claro que vão negar, argumentando perseguições políticas, mas pesará na equação o fator obvio de que os dois bandidos presos pela Polícia Federal jamais correriam o risco de mentir em seus depoimentos destinados a reduzir-lhes as penas. Podem ser tudo, menos bobos. Junto com os parlamentares implicados na roubalheira estão funcionários públicos, altos e baixos, além de uma tantas empreiteiras já conhecidas, cujos proprietários e executivos responderão pelos crimes praticados.

Em suma, um julgamento para ninguém botar defeito, caso não surjam na mais alta corte nacional de justiça empecilhos processuais e jurídicos daqueles que frustrariam a opinião pública e transformariam as instituições em frangalhos.

Mesmo os parlamentares que não se reelegeram estarão sendo julgados. Para os reeleitos, a perda de mandato, e para todos, a cadeia. Neste fim de semana pleno de novidades, mais uma: os órgãos de investigação concluíram que não apenas a Petrobras foi transformada na caverna do Ali Babá. Outras empresas e repartições do governo federal foram assaltadas, especialmente aquelas encarregadas de obras e serviços prestados por empresas privadas, todas com superfaturamento e distribuição de propinas a seus responsáveis e a partidos da base do governo. Logo virão a público nomes de mais implicados.

A pergunta que se faz é como tudo aconteceu sem que Dilma e Lula tivessem conhecimento. Youssef acha que não. Difícil será encontrar provas, certamente que não documentais. Quanto a testemunhas, teoricamente poderiam existir, em especial em se tratando de políticos que logo se interessarão pelo instituto da delação premiada, visando reduzir possíveis penas. Deve ser registrado que nenhum dos grandes condenados e presos por conta do mensalão apelou para esse expediente, mesmo ficando evidente que José Dirceu e Delúbio Soares, por exemplo, teriam muito a contar em troca da redução de suas condenações. A primeira linha do antigo comando do PT mantém-se firme na defesa do governo, mas em se tratando de beneficiados pelas tramóias paralelas, ninguém garante.

DELENDA EDUARDO CUNHA

Na semana agora iniciada uma preocupação maior percorre os corredores do palácio do Planalto: como evitar que Eduardo Cunha se torne o novo presidente da Câmara. A solução de se indicar alguém do PT encontra dificuldades, pois nessa hipótese o PMDB em peso apoiaria o seu líder. Não parece fácil encontrar um peemedebista disposto a remar contra a maré, melhor seria buscar um aliado nos partidos da base oficial. Por que não Miro Teixeira?

Carlos Chagas

Ex-diretor ligado ao PT capta R$ 650 milhões em propina em 8 anos, avalia força-tarefa

A força-tarefa do Ministério Público Federal avalia que já dispõe de elementos suficientes para afirmar que a Diretoria de Serviços da Petrobrás, na gestão do ex-diretor Renato Duque – nome indicado pelo PT -, captou cerca de R$ 650 milhões em propinas sobre contratos fechados de 2004 a 2012 com as seis empreiteiras que são alvo do primeiro pacote de denúncias criminais da Operação Lava Jato.( Estadão)

 

Acabou a maquiagem Dilmista eleitoral – Os sinais da crise são inegáveis

FORTE QUEDA DA BOVESPA

A Bovespa despencou nesta semana quase 4 mil pontos, em meio a um forte movimento de aversão ao risco no exterior e de desconfiança com a economia brasileira. Somente hoje, a Bolsa recuou 3,73%, quase perdendo os 48 mil pontos, encerrando aos 48.001,98 pontos.

FORTE ALTA DO DÓLAR

O dólar escalou hoje mais um degrau no Brasil, apesar de o Banco Central ter feito quatro leilões de moeda ao longo do dia. A derrocada nos preços do petróleo, que espalhou a aversão ao risco no exterior, pesou sobre as divisas de países exportadores da commodity, como o Brasil, e favoreceu a busca pela moeda americana. Na reta final, o dólar desacelerou um pouco os ganhos ante o real, mas ainda assim terminou em alta de 0,30% no balcão, aos R$ 2,6590, no maior patamar desde 1º de abril de 2005. Foi o terceiro dia consecutivo de ganhos para a moeda americana, sendo que em dezembro ela subiu até agora em sete de dez sessões.

PIBINHO BAIXO E A PREVISÃO É A MESMA PARA 2O15

INFLAÇÃO ALTA

PETROBRAS: A EMPRESA MAIS ENDIVIDADA DO PLANETA TEM QUEDA DE 5% EM SUAS AÇÕES.

Petrobrás ON cedeu 5,78%, a R$ 9,46, menor preço desde 20 de janeiro de 2005. Já o papel PN da estatal recuou 6,56% (R$ 10,11), o menor preço desde 5 de agosto de 2005.

 

Petrobras adia mais uma vez a divulgação do Balanço

Petrobrás decidiu adiar mais uma vez a divulgação do seu balanço não auditado do terceiro trimestre, conforme antecipou o Broadcast, serviço em tempo real da Agência Estado. Agora, esses números não analisados, que estavam previstos para esta sexta, deverão ser divulgados até 31 de janeiro do próximo ano. O fato relevante foi divulgado depois de o conselho de administração da estatal ter se reunido em São Paulo por cerca de 12 horas.

Segundo a nota, o adiamento se deve aos novos fatos ocorridos após o dia 13 de novembro de 2014, relacionados, direta ou indiretamente, à Operação Lava Jato, da Polícia Federal – que investiga as denúncias de corrupção na estatal. O balanço auditado da companhia deveria ter sido divulgado até o último dia 14 de novembro, mas a PriceWaterhouseCoopers (PwC) se recusou a assiná-lo por conta das denúncias de irregularidades. (Estadão)

Duque do PT está envolvido em vários crimes. O Rei e a Rainha não sabiam de nada?

O engenheiro Renato Duque, ex-diretor de Serviços da Petrobras que foi indicado pelo PT para os quadros da estatal petrolífera, não está entre os 36 denunciados nesta quinta-feira, 11, na Operação Lava Jato, mas o Ministério Público Federal já se convenceu de seu envolvimento direto no amplo esquema de cartel e propinas. Duque será formalmente acusado por corrupção passiva, organização criminosa e outros crimes, dentro do núcleo de agentes públicos da estatal responsáveis pela manutenção do esquema que abasteceu o caixa-2 de partidos da base aliada e da oposição.

Os procuradores da força-tarefa fizeram menção expressa a Duque nas cinco acusações entregues à Justiça Federal nesta quinta-feira. Quando descrevem os crimes de corrupção praticados pelos executivos, eles afirmam que “ofereceram e prometeram vantagens indevidas a empregados públicos da Petrobras, notadamente aos seus então Diretores de Abastecimento e de Serviços, Paulo Roberto Costa e Renato Duque”. ”Para determiná-los a praticar e omitir atos de ofício, sendo que tais empregados incorreram na prática do delito de corrupção passiva”, sustenta a força-tarefa. Duque e Costa são acusados de “não só aceitaram tais promessas de vantagens indevidas, em razão da função” como interferiram ou se omitiram contrariando seus deveres funcionais “tendo recebido vantagens indevidas para tanto”. O Ministério Público Federal prepara acusação formal contra o ex-diretor que ocupou cargo estratégico na Petrobras, em uma diretoria controlada politicamente pelo PT. Ele ainda não foi formalmente acusado porque não está entre os investigados presos em caráter preventivo – ­ condição que exige maior celeridade na apresentação de denúncia à Justiça porque o prazo legal é reduzido.

Agência Estado

A farsa da Comissão da mentira chamada de “Comissão da Verdade”

Relatório da Comissão Nacional da Verdade resolveu esconder 121 cadáveres; trata-se de mistificação, revanchismo e farsa

Depois de dois anos e meio, a Comissão Nacional da Verdade encerra o seu trabalho — ou o que pretende seja a primeira fase, já que propõe a criação de uma comissão permanente. Concluiu que foram 434 os mortos e desaparecidos entre 1964 e 1985 e aponta 377 pessoas como responsáveis pelos crimes cometidos, incluindo os cinco presidentes do regime militar. O texto, de 1.400 páginas, propõe a revisão da Lei da Anistia, omite os crimes das esquerdas e comete o desatino de não incluir entre os mortos as 121 pessoas assassinadas pelos terroristas de esquerda. O documento foi entregue a Dilma, que reconheceu, emocionada, a importância do trabalho. Não obstante, a presidente fez a defesa da Lei da Anistia.

Não existem comissões oficiais da verdade. Uma comissão oficial da verdade é, acima de tudo, uma comissão da mentira oficial. E esta conclui o seu trabalho desrespeitando de maneira contumaz a própria lei que a criou. Como pode um ente não seguir o próprio estatuto que lhe dá legalidade e legitimidade? Por que digo isso? Vamos ver:

Diz o Artigo 1º da Lei que criou a comissão que ela deve investigar os crimes ocorridos no país entre 18 de setembro de 1946 e a data da promulgação da Constituição. Isso foi feito? Não! Só se apuraram os crimes cometidos a partir de 1964.

O parágrafo 1º do Artigo 2º da lei que criou a comissão define:
“§ 1º Não poderão participar da Comissão Nacional da Verdade aqueles que:
II – não tenham condições de atuar com imparcialidade no exercício das competências da Comissão;”

A comissão era composta apenas por esquerdistas, alguns deles notórios defensores do revanchismo. Vamos seguir.
O Artigo 3º diz que são objetivos da comissão:
“III – identificar e tornar públicos as estruturas, os locais, as instituições e as circunstâncias relacionados à prática de violações de direitos humanos mencionadas no caput do art. 1o e suas eventuais ramificações nos diversos aparelhos estatais e na sociedade”.

Quando se fala em crimes cometidos na “sociedade”, isso inclui também aqueles praticados por terroristas. A comissão os ignorou. Insisto: as pessoas assassinadas pelas esquerdas desapareceram do relatório final, o que é uma indignidade.

Falemos um pouco a Lei da Anistia
A Lei da Anistia, a 6.683, que pacificou o país, conforme reconhece a própria presidente, é clara:
“Art. 1º É concedida anistia a todos quantos, no período compreendido entre 02 de setembro de 1961 e 15 de agosto de 1979, cometeram crimes políticos ou conexo com estes (…)”.

O § 1º define os crimes conexos: “Consideram-se conexos, para efeito deste artigo, os crimes de qualquer natureza relacionados com crimes políticos ou praticados por motivação política”.

A própria Emenda Constitucional nº 26, de 1985, QUE É NADA MENOS DO QUE AQUELA QUE CONVOCA A ASSEMBLEIA NACIONAL CONSTITUINTE, incorporou, de fato, a anistia. Está no artigo 4º:
“Art. 4º É concedida anistia a todos os servidores públicos civis da Administração direta e indireta e militares, punidos por atos de exceção, institucionais ou complementares.
§ 1º É concedida, igualmente, anistia aos autores de crimes políticos ou conexos, e aos dirigentes e representantes de organizações sindicais e estudantis, bem como aos servidores civis ou empregados que hajam sido demitidos (…)”.

Não fosse isso, o Supremo Tribunal Federal já declarou a validade da Lei da Anistia. O trabalho da Comissão Nacional da Verdade, entregue hoje à presidente, é uma farsa. Se não é uma farsa por aquilo que revela — vamos ver —, é uma farsa por aquilo que esconde.

De resto, ignora a própria lei que a criou, ignora a Lei da Anistia, ignora a lei que aprovou a Constituinte, ignora a decisão do Supremo, ignora os fatos e ignora o senso comezinho de decência ao excluir da lista final de mortos 121 pessoas. Pergunta-se: não eram pessoas humanas? Ou os que são assassinados por terrorista de esquerda perdem o direito até a uma sepultura?

Trata-se de uma farsa.

Por Reinaldo Azevedo

A Destruição dos petralhas comunistas contra o Brasil e os brasileiros

Eles não destruíram só a Petrobras.  A destruição maior não é dos prejuízos de bilhões de reais nas falcatruas,  e sim dos bens imateriais. Destruíram a mente do povo, a família tradicional,  a arte, educação, ética, justiça, a credibilidade dos parlamentares, a história, a vergonha, relações entre as pessoas  estão mais conflituosas. Já não se sabe o que é certo ou errado, legal ou ilegal. A ilegalidade é praticada com tanta naturalidade e frequência que os escândalos se tornam diários. No Brasil, roubar, enganar, mentir é a lei.  “O caixa dois vai passar a ser crime” diz o  notíciário. Sempre foi crime.  Corrupção será crime? Sempre foi crime. Mas o que adianta ser crime se os mensaleiros estão soltos? Todos vão passar o Natal em casas luxuosas, comida farta. No Brasil, só o crime de pequenos roubos não compensa. Os que roubam milhões são “heróis nacionais” do PT.

Invadir propriedades é crime? É. Mas o MST faz isto em nome do “social” e pelas “minorias” e tem apoio do governo.

Podemos ir comprar um pão na esquina e não voltar vivo. Nossos filhos vão para escola aprender homossexualismo e a usar drogas. Se procuramos a justiça, o bandido possui mais regalias, se procuramos um hospital público, sabemos que corremos risco não pela doença em si que motivou a ida ao hospital  e sim por infecção hospitalar, falta de leitos, falta de médicos, remédios, incompetência de médicos formados sem qualificação. Se procuramos uma empresa e pagamos pelo serviço, o serviço não é feito e nenhuma providência.

Nosso dinheiro está servindo para financiar as ditaduras de Cuba e da Venezuela com empréstimos secretos e doações.  As grandes  obras anunciadas  estão quase  todas superfaturaadas e não concluídas. A eleição possui um sistema fácil de se cometer fraude.

A cada dia mais um nome ligado ao governo “Luladilma” está nas páginas policiais. E Dilma promete que combate a corrupção……

Não podemos nem ao menos educar nossos filhos e netos com bons exemplos. Nossos jovens estão idiotizados e grande parte é viciado em drogas.  O POVO NÃO VER NADA DISSO E CONTINUA VOTANDO NOS SEUS ALGOZES.

No país onde a mentira é lei, bandido é rei e ex-presidente corrupto é santo. Ele  está imune a justiça. Afinal, é eles (Luladilma) que nomeiam os ministros do STF, o procurador  e os nomeados defendem seus interesses.  O que esperar deste país?

Desordem e atraso.

Jorge Roriz

.

PF descobre elo de José Dirceu com empreiteira da Lava Jato

Ricardo Brandt

A Polícia Federal apreendeu cópia de um documento que liga o ex-ministro José Dirceu (Casa Civil) com a empreiteira Camargo Corrêa, apontada como integrante do cartel que assumiu o controle dos maiores contratos das principais diretorias da Petrobrás. Trata-se de um contrato “de prestação de serviços” datado de 22 de abril de 2010, firmado pela construtora com a JD Assessoria e Consultoria, de José Dirceu, no valor global de R$ 900 mil. Na época, o ex-ministro já era réu no processo do mensalão.

O documento foi encontrado dia 14 de novembro de 2014 na sede da Camargo Corrêa, em São Paulo, durante buscas realizadas por ordem da Justiça Federal no âmbito da Operação Juízo Final, sétima fase da Lava Jato. Os investigadores constataram que na mesma ocasião do negócio entre o ex-ministro e a Camargo Corrêa, a Petrobrás fechou dois contratos com a empreiteira no valor global de R$ 4,5 bilhões.

Os investigadores ficaram intrigados com a natureza do serviço prestado pelo ex-ministro, definido no contrato de seis páginas como “análise dos aspectos sociológicos e políticos do Brasil”. Caberia à JD “prestar assessoria na integração dos países da América do Sul, inclusive e principalmente aqueles países integrantes do Mercosul”.

Gilmar Mendes vai rejeitar contas eleitorais de Dilma – Impeachment é o caminho legal

Ministro Gilmar Mendes vai rejeitar contas eleitorais de Dilma. Fica aberto o caminho para o impeachment.
O ministro Gilmar Mendes já tem elementos para rejeitar as contas de campanha eleitoral da presidente Dilma Roussef.

. Técnicos do Tribunal Superior Eleitoral argumentam que 13% das saídas dos recursos da campanha da presidente Dilma foram irregulares, assim como 5% das entradas, e se manifestaram pela rejeição das contas..

. O relatório será enviado ao ministro, que cuida do caso; voto de Gilmar será levado a plenário;.

. A rejeição das contas não impede a diplomação de Dilma, mas dá mais gás à oposição na estratégia para um eventual impeachment.

Fonte: Políbio Braga – http://www.polibiobraga.com.br

Mulher fica de calcinha por ter sido barrada na entrada do Banco

calcinha

Sorocaba – Uma cliente tirou a roupa e ficou seminua em protesto por ter sido barrada na porta giratória de uma agência da Caixa Econômica Federal, nesta quinta-feira, 4, em Sorocaba (SP). Depois de ter se despojado da bolsa e do celular e não ter o acesso liberado, ela discutiu com os seguranças começou a tirar a roupa, ficando só de calcinha e sutiã.
Mesmo assim, a porta giratória não destravou. Outra cliente registrou a cena com o celular e a foto foi parar nas redes sociais. A autora do protesto não foi identificada.

68% culpam Dilma pela corrupção e ela diz que combate mais a corrupção do que em governos anteriores

De cada 10 brasileiros, 7 acham que a presidente Dilma Rousseff tem alguma responsabilidade no escândalo da Petrobras, envolvendo Os dados são de uma  pesquisa Datafolha realizada em 2 e 3 de dezembro com 2.896 entrevistas.

Pesquisam comprovam que 68% das pessoas entrevistadas culpam a presidente Dilma pela corrupção. Dilma diz que nunca se combateu a corrupção como está sendo feito no governo dela. O povo está equivocado? Dilma mente? Ou será que quem mais combate a corrupção é culpada pela corrupção? Tenho algo errado nas afirmações…….

Jorge Roriz

 

Tesoureiro do PT foi responsável pelo Bancoop na epoca da falcatrua

O Sérgio Marino Pereira Passos, delegado titular do 18º  Distrito Policial de São Paulo,  instaurou inquérito  para apurar acusação  de estelionato contra a Bancoop (Cooperativa Habitacional dos Bancários de  Paulo) e a Construtora OAS, investigada pela Polícia Federal na Operação  Lava Jato.

O engenheiro Cláudio Martins Cabrera, registrou um Boletim de Ocorreência acusando a cooperativa habitacional de não ter entregue apartamento comprado em 2008 no bairro da Mooca, na zona sul da capital paulista.

O atual tesoureiro do PT, João Vaccari Neto, era o responsável pelo Bancoop . A OAS, que assumiu a obra posteriormente, revendeu o imóvel para outra pessoa.

Centenas de famílias pagaram e não receberam suas residências,mas o Lula recebeu um AP duplex, feito pelo Bancoop, avaliado em R$ 2 milhões.  Apartamento triplex na Praia das Astúrias, local mais nobre do balneário do Guarujá, na região de Santos, São Paulo. O imóvel de luxo tem cerca de 300 m² de área construída.

Por que o comunista Lula critica a elite? Os comunistas afirmam detestar o capitalismo, mas adoram o capital alheio e as mordomias que só o capitalismo pode oferecer.

ap de lula

 

Petistas tremei: as provas estão sendo apresentadas e as denúncias de “Paulinho” sendo confirmadas

Em acordo de delação premiada, Augusto Ribeiro de Mendonça Neto, um dos executivos da japonesa Toyo Setal, confirmou que participava de um cartel de empresas que comandava as obras da Petrobras e, em contrapartida, entregava uma parte de seus ganhos aos partidos do governo — exatamente como disseram o ex-diretor Paulo Roberto e o doleiro Youssef.

Augusto descreveu o funcionamento do cartel formado por algumas das maiores empreiteiras do país e entregou documentos contra Duque e o lobista Fernando Soares, o Baiano, apontado como o operador do PMDB

Barusco, outro delator, enfrenta um câncer ósseo e tenta escapar da prisão. Ele disse que vai devolver 97 milhões de dólares escondidos na Suíça e mais 6,5 milhões de reais, parte da propina que recebeu em espécie.

Barusco disse que gastou “apenas” cerca de 1,5 milhão de dólares do dinheiro desviado da Petrobras.

Assista ao trailer do “Whitney”, filme sobre a vida de Whitney Houston

Publicado originalmente em Diálogos Políticos:

Todos aguardavam ansiosos mais informações sobre o “Whitney”, filme sobre a vida da cantora Whitney Houston. Pois bem, chegou à web hoje (05), o trailer do longa que tem estreia marcada para o dia 17 de janeiro, nos Estados Unidos. A produção mostrará a trajetória da estrela – que faleceu em fevereiro de 2012, desde os tempos em cantava no coral da igreja em Nova Jersey até o topo da fama, abordando ainda seus problemas com drogas e seu conturbado relacionamento com Bobby Brown. A atriz e modelo Yaya DaCosta, que participou do filme O Mordomo da Casa Branca no ano passado, é quem dá vida à Whitney e a direção do filme é assinada pelo também atriz Angela Bassett. “Whitney” estreará no canal a cabo Lifetime e ainda não tem informação sobre estreia nos cinemas, nem no Brasil.

Confira o trailer de “Whitney”, filme sobre a vida de Whitney…

Ver original 3 mais palavras

Dilma se reúne com porcos da Unasul para transformar o Brasil em um chiqueiro

Publicado originalmente em Ceticismo Político:

dilma

A frase que melhor resume o relacionamento do governo petista com a escória dos governos latino-americanos é: “quem se mistura com porcos, farelo come”. Claro que sabemos que todo o projeto do PT não tem nenhum apreço por nossa sustentabilidade, somente pela manutenção do poder na mão de bolivarianos.

Conforme matéria do Último Segundo, a presença de Dilma na Cúpula Extraordinária da União das Nações Sul-Americanas (Unasul), em Quito, no Equador, foi recheado de momentos ridículos. Veremos alguns deles:

É preciso transformar esses recursos [naturais] em ferramentas efetivas de diversificação produtiva e desenvolvimento social, sob pena de ficarmos presos ao círculo vicioso da mera exportação de matérias-primas.

E eles são muito bons nisso! Na Venezuela, mesmo sendo privilegiados em recursos naturais como Petróleo, eles estão definhando. Na verdade, as informações que esse pessoal do Foro de São Paulo troca é sobre como explorar estatais que monopolizam o comércio de recursos…

Ver original 403 mais palavras

As bombas de 2015

 

Carta de Formulação e Mobilização Política – Sexta-feira, 5 de dezembro de 2014

Em maio, Dilma dizia que o país iria ‘bombar’ em 2015. As novas previsões contidas na LDO para o ano que vem indicam, porém, que as bombas serão de natureza bem distinta

Recordar é viver. No dia 6 de maio passado, Dilma Rousseff reuniu um grupo de mulheres jornalistas para um jantar no Palácio da Alvorada. Sua mais eloquente frase  foi esta: “É absurda essa história de o Brasil explodir em 2015. É ridículo. Pelo contrário, o Brasil vai bombar”. O site oficial do PT ainda foi além: disse que esta era uma “garantia”  dada pela candidata à reeleição. Pelo que prevê a lei de Diretrizes Orçamentárias enviada ontem ao Congresso, parece que nem a Dilma presidente crê na Dilma candidata. As bombas a explodir no ano que começa dentro de 26 dias são de natureza bastante distinta da prometida pela petista: crescimento menor, inflação ainda bastante alta e dívida pública – tanto a bruta, quanto a líquida – subindo mais.

A previsão oficial de crescimento do PIB baixou agora para 0,8%, o mesmo que preveem, na média, os analistas de mercado que o Banco Central consulta semanalmente. E também em linha com as estimativas da Cepal anunciadas no início da semana: em todo o continente, assim como neste ano, em 2015 o Brasil só deverá crescer mais que a Argentina e a Venezuela. Que bomba!

A previsão oficial anterior, feita durante o período eleitoral, era de crescimento de 3%. Em novembro, mês que acaba de acabar, o governo reviu a estimativa para 2%, mais que o dobro da ora adotada, segundo dizem, pela dupla Joaquim Levy-Nelson Barbosa. Como se consegue errar tanto em tão pouco tempo?

Os compromissos mais realistas da nova LDO para 2015 seriam os primeiros “atos de austeridade” da nova equipe econômica que ainda não assumiu a caneta. Antes, porém, o hábito de errar não dá trégua. Ontem foi a aprovação do projeto que achincalha a Lei de Responsabilidade Fiscal e anistia Dilma de crime de responsabilidade por não cumprir metas orçamentárias.

Anteontem, a equipe que está de saída passou o rodo e baixou um pacotão de lambanças fiscais. Aportou mais R$ 30 bilhões no BNDES para custear mais empréstimos camaradas para empresários amigos e autorizou o governo a usar dinheiro que deveria servir para momentos de crise para pagar despesas obrigatórias de 2014. Tudo por meio de medida provisória, na calada.

Passados 40 dias da reeleição, Dilma Rousseff até hoje não se dignou a vir a público explicar por que se elegeu dizendo uma coisa e agora se prepara para governar fazendo outra, diametralmente oposta. O máximo que fez foi assinar uma carta, não ao povo brasileiro, como a ocasião exigiria, mas a um banco estrangeiro de investimento.

Nela, repete as mesmas profissões de fé no mercado que fez em 2010 e nunca cumpriu. Nada mais representativo da conversão envergonhada da presidente. Nada mais significativo de seu pouco caso pelos cidadãos. Ela até tem certa razão: em 2015, o país vai bombar. Mas de um jeito bem diferente.

 Fonte: Instituto Teotônio Vilela

O uso do Google prejudica nossa memória?

Jacinto Flecha
 

Jacinto cronicas

InternetNuma dessas trocas apressadas de informações, comuns entre vizinhos que só se conhecem dos múltiplos encontros casuais em elevador, eu disse à minha vizinha:

— A senhora é a terceira Lucinda que eu conheço.

— Ah é!? Com este nome, só conheci minha mãe. Posso saber quais outras o senhor conheceu?

— A primeira foi uma fazendeira já falecida, vizinha da fazenda do meu pai. A outra eu só conheci em livro. Era uma menina personagem de um soneto transcrito no Manual de Espanhol em que estudei.

Por coincidência, minha vizinha é viúva de um espanhol, e perguntou:

— E o senhor se lembra do soneto?

— Todinho. Só não me ofereço para declamá-lo agora, porque estou com horário marcado. Mas vou anotá-lo em papel, e depois lhe entrego.

A minha péssima memória tem façanhas como essa, de lembrar um soneto em espanhol que não releio há 58 anos. E consigo ainda hoje, nessa idade em que a memória de qualquer um já não ajuda, cantar todas as músicas que cantei quando era criança ou adolescente. Mas não me peçam para citar de memória nenhuma das 1.800 frases interessantes que colecionei ao longo da vida. Embora eu as tenha lido e relido várias vezes, lembro-me apenas do seu sentido geral.

Outro exemplo já me deixou em má situação, pois custo a lembrar-me da palavra gergelim (tive de procurá-la agora, para escrever), que só chegou ao meu conhecimento aos vinte e poucos anos. Durante uma conversa, quando eu precisava mencioná-la, tinha que recorrer à memória do interlocutor:

— … aquela espécie de alpiste que se usa sobre o pão.

E logo o interlocutor me fornecia essa palavra à qual minha memória é refratária. Para evitar esse constrangimento, elaborei uma triangulação mnemônica. Basta eu me lembrar de um professor prodigiosamente feio e fanhoso, que interrompeu sua primeira aula e nos brindou com esta pérola:

— Ô gente, mas eu sou feio, não sou?!

Lembrando-me do Prof. Ângelo, meu cérebro transforma em gergelim o Angelim – apelido carinhoso que lhe demos. Mas isso vem a propósito de quê? Ah, agora me lembro, nosso assunto é a memória.

Na moderna instituição mencionada aí no título, destaca-se um personagem onisciente: Google. Invejável memória, que deixou longe os terabytes (ou seria teratobytes?) e anda já pelos petabytes. Como não sentir-me humilhado e despeitado com os meus míseros kilobytes? A compensação para essa disparidade revoltante é que a memória dele está à minha disposição. Posso acessá-la a qualquer momento e obter tudo o que me interessa. Desde que minha escassa memória me ajude a encontrar o caminho, posso saber tudo (ou quase, para não exagerar) através do Google.

Não sei a que extremos de performance eu teria chegado, se na minha época de estudante já houvesse esse “secretário” infalível. Tão fácil! Basta digitar algumas palavras (bem, naquela época seriadatilografar, hoje uma atividade ultrapassada), e obtenho tudo aos milhões, em fração de segundo. O progresso da infernet é enorme, colossal, inimaginável, e a vantagem indiscutível.         Indiscutível? Vejamos:

1 – O que leio no computador, esqueço muito mais rapidamente do que se lesse no papel. Vários amigos confirmam ter notado o mesmo efeito psicológico. Talvez seja porque o texto em computador “apaga”, e o do papel permanece.

2 – A pletora de informações do computador não me induz a discutir, “ruminar” o assunto, e logo mudo para outro. A justificativa é mais ou menos esta: Se eu precisar dessa informação, ela está lá. Portanto, quem “sabe” é o computador, não eu. Mas o problema é que só posso raciocinar sobre qualquer assunto com os dados existentes na memória, não basta saber que estão ao meu alcance em algum outro lugar.

3 – Os anexos de mensagens que recebo têm dois tratamentos: se é bom, envio seletivamente para amigos (tão fácil!), depois guardo no arquivo; se não presta, como algumas piadas de submundo, vai para o lixo. Mas raramente fico sabendo o que pensa o outro, pois o assunto não foi discutido, colocado em comum. Se gostou, se sorriu, ninguém sabe, ninguém viu. Muito diferente da troca de ideias num contato pessoal.

4 – Muitos jornais estão fechando as portas (ou as páginas), e a causa mais incriminada é a expansão da infernet. Nada a lamentar nessa substituição de uma mídia por outra, mas uma enquete definiu que os leitores de jornal na infernet permanecem apenas um minuto por dia no site, em média. Só dá para ler os títulos das notícias, se tanto. Houve aproveitamento, interpretação, decisão? Não, o resultado foi superficialidade generalizada.

O que tem isso a ver com memória? Como já vimos, o raciocínio depende da memória. Ninguém pode raciocinar sobre informações que não estão disponíveis na memória, aí evidentemente incluídas as que estão sendo recebidas no momento. Mas a facilidade para encontrá-las quando se tornam necessárias dispensa-nos de mantê-las na memória. Será exagero afirmar que isso enfraquece a inteligência? Que reduz as aptidões do próprio ser humano? Que burrifica, em última análise?

Se o prezado leitor considera exageradas minhas conclusões, está em posição contrária à de levantamentos estatísticos recentes, bem fundamentados, comprovando que o homem atual é menos inteligente do que nos séculos passados. Provavelmente esta informação o surpreende, e não me estranharia sua suposição em sentido contrário, como a de quase todo mundo. Quanto disso se deve à infernet?

____________________

 (Para receber novas crônicas, inscreva-se no blog: http://www.jacintoflecha.blog.br)

 Esta coluna semanal pode ser reproduzida e divulgada livremente

 

Saldo político negativo

Dora Kramer

Nenhuma quebra de regimento justifica a truculência com que a polícia do Poder Legislativo cumpriu a ordem do senador Renan Calheiros para esvaziar as galerias da Câmara na noite de terça-feira, de onde pessoas que se manifestavam de maneira inadequada foram retiradas à força de tapas, empurrões, pescoções e armas de choque.

A foto de uma senhora de 79 anos levando uma “gravata” de um segurança é o registro maior da exorbitância. Impressiona mais quando contraposta à imagem da Mesa Diretora daquela sessão de onde o presidente olhava a cena, sereno e sorridente, cercado por parlamentares de esquerda que haviam pedido a interferência dele para conter os manifestantes.

Ficaram indignados ao ouvir o que lhes pareceu um insulto pesado dirigido à senadora do PC do B então com a palavra. Ofensa ou palavra de ordem, tudo a favor da defesa dos modos civilizados. Inclusive para serem adotados por integrantes de partidos que reclamaram, mas não costumam agir com o mesmo denodo contra violências quando elas atingem alvos adversários, a propriedade privada e o patrimônio público.

Houve quebra de regimento, de fato. Uma sessão no Parlamento não poderia transcorrer naquele clima de gritaria vindo das galerias. Mas a forma de distribuição de senhas para a entrada de visitantes para circular no Congresso ou mesmo acompanhar a votação foi o que originou protestos, levou à confusão e degenerou em grossa e inadmissível pancadaria. Sob os aplausos e o apoio da esquerda que antigamente costumava se posicionar de outro lado do balcão. No sentido do trato com as vozes e com os votos.

Por isso aquele lamentável pano de fundo estava de certo modo condizente com o conteúdo do assunto mais importante a ser tratado no plenário. A votação da mudança de uma lei para que ao governo seja permitido descumprir a legislação sem vigor. Isso sob a égide de um decreto que condiciona a liberação de R$ 444,7 milhões em emendas de parlamentares ao Orçamento da União à aprovação da Anistia. E com o Congresso com acesso restrito a parlamentares, funcionários e jornalistas.

Quando o projeto chegou ao Parlamento, em novembro, a oposição acreditava que poderia postergar a votação, mas não imaginava que seria tão bem sucedida sob o gentil patrocínio do atabalhoamento governista. Primeiro, a imposição à base de um assunto delicado sem gesto algum de diálogo. Depois, a colaboração dos aliados que por duas semanas proporcionaram a derrubada de sessões de votação por falta de quórum. Sem deixar de apontar a competência e veemência dos oposicionistas no exercício da obstrução.

Em seguida, o decreto da barganha, que expôs o governo à condição de chantagista explícito e seus correligionários no Legislativo ao constrangedor papel de vendidos. Para completar, a truculência dos brucutus nas galerias. Ora, como não poderia deixar de ser, a oposição deitou e rolou.

Afinal, tinha material à farta para discursar, como de fato fez. Ontem, já passava das 17h e os congressistas ainda não haviam conseguido concluir, em sessão iniciada pela manhã, a apreciação dos dois vetos presidenciais que trancavam a pauta, e ainda faltava votar um projeto objeto de acordo antes de partir para a discussão da proposta de mudança da LDO.

Se o dia hoje amanhecer com a meta do superávit posta na lata do lixo, estará atingido o objetivo do Planalto. Mediante um esforço desproporcional ao tamanho da maioria em tese à sua disposição. Pela tranquilidade com que o governo transgrediu a legislação e a ligeireza com que pediu ao Congresso que apagasse os sinais do delito, acreditava que bastava ligar o trator e passar facilmente por cima do Parlamento.

Não foi assim, precisou fazer “o diabo”. Se a votação tiver sido de novo adiada, independentemente do resultado final, o saldo político é negativo.

Com muito desgate e adiamentos, governo aprova PL que estupra lei e legaliza o crime cometido

CONGRESSO

A APROVAÇÃO É UMA ANISTIA PARA O CRIME DE RESPONSABILIDADE FISCAL COMETIDO POR DILMA.

A APROVAÇÃO É UMA ABERRAÇÃO JURÍDICA E UMA DESMORALIZAÇÃO DO CONGRESSO. (JORGE RORIZ

 

Título:

Congresso aprova texto-base do projeto que muda cálculo do superávit primário

AGÊNCIA BRASIL:

Em uma sessão que durou mais de 18 horas, o Congresso Nacional aprovou no fim da madrugada desta quinta-feira (4) o projeto de lei que altera a Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) de 2014, permitindo a revisão da meta de resultado fiscal deste ano. Apesar da longa obstrução dos oposicionistas, o governo conseguiu manter o quórum e aprovar o projeto por votação nominal. Foram 240 votos a favor, na Câmara,  e 39 no Senado.

Após a aprovação do texto principal, os parlamentares rejeitaram, por votação simbólica, três destaques que propunham mudanças ao projeto. O último destaque, por falta de quórum, não foi votado. Em função disso, o presidente Renan Calheiros (PMDB-AL) marcou nova sessão para terça-feira (9) da próxima semana, às 12 horas, a fim de apreciar e votar o último destaque. Em seguida, às 5h, Renan encerrou a sessão.

Na prática, a matéria aprovada permite ao Executivo descontar da meta fiscal os investimentos no Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) e as perdas de receita geradas por incentivos fiscais concedidos no último ano.

A oposição considera que a revisão da meta fiscal compromete a credibilidade da economia brasileira com investidores internacionais e entende como uma manobra para evitar que a presidenta Dilma responda por descumprir a Lei de Responsabilidade Fiscal. Os governistas, no entanto, alegam que o projeto visa a evitar que o governo tenha que fazer cortes radicais em todas as áreas e programas para alcançar a poupança prevista inicialmente.

Antes de apreciar o projeto que revê a meta de resultado fiscal, o Congresso aprovou o Projeto de Lei (PLN) 31/14, que abre crédito especial no valor de R$ 248 milhões para o pagamento de dívida do Instituto Aerus de Seguridade Social. O Aerus reúne aposentados e pensionistas das extintas empresas aéreas Varig, Transbrasil e Cruzeiro.  Os recursos são para o cumprimento de execução provisória de ação movida contra a União pelo Sindicato Nacional dos Aeronautas e pela Associação dos Funcionários Aposentados e Pensionistas da Transbrasil. O projeto segue agora à sanção presidencial.

Os parlamentares também limparam a pauta em relação aos vetos presidenciais que ainda estavam pendentes de apreciação. Com isso, será possível analisar em breve o projeto da LDO e o Orçamento Geral da União para 2015. Ambos, contudo, ainda precisam ser aprovados na Comissão Mista de Orçamento.

Editor Aécio Amado ( AGÊNCIA BRASIL)

Sem quórum para aprovar a última emenda, votação da meta fiscal é adiada

A VITÓRIA NÃO FOI DO GOVERNO E SIM DA OPOSIÇÃO. O GOVERNO SAIU DESGASTADO.EMBORA POSSUINDO A AMPLA MAIORIA, FAZENDO CHANTAGEM E OFERECENDO VERBAS,  POR TRÊS VEZES , O GOVERNO TEVE A VOTAÇÃO ADIADA (JORGE RORIZ)

ESTADÃO

Projeto de lei que flexibiliza meta do superávit primário está a um passo de ser aprovada, após sessão de mais de 18 horas

Após mais de 18 horas de sessão, a oposição conseguiu adiar mais uma vez a votação do projeto de lei que flexibiliza a meta do superávit primário, a economia mínima que o governo precisa fazer para o pagamento de juros da dívida pública. Apesar disso, os aliados do Palácio do Planalto conseguiram vencer a grande maioria das manobras regimentais movida pelos oposicionistas e deixaram a proposta, considerada vital pela presidente Dilma Rousseff, a um passo de ser definitivamente chancelada pelo Congresso e enviada à sanção.

O presidente do Congresso, senador Renan Calheiros (PMDB-AL), marcou para a próxima terça-feira (9) a sessão que, segundo espera o governo, liquidará o assunto. A alteração nas regras da política fiscal, assunto sobre o qual a base e a oposição se digladiaram desde as 10 horas e 30 minutos de ontem, esteve a ponto de ser aprovada em definitivo pelo Congresso nesta madrugada. Mas, na votação da última emenda que antecedia a conclusão da tramitação, por volta de 5 horas da manhã, não houve o quórum necessário de 257 deputados para dar prosseguimento aos trabalhos. Apenas 192 marcaram presença, levando ao adiamento.

Para o relator do projeto, senador Romero Jucá (PMDB-RR), mesmo com mais uma postergação o governo saiu vitorioso da longa reunião realizada ontem e hoje de madrugada. “Liberamos a pauta, votamos todos os requerimentos e os destaques (espécies de emendas), a não ser um”, comemorou.

As mais de 18 horas de debates foram marcadas por trocas acusações e embates no Plenário Ulysses Guimarães, na Câmara. O PSDB e o DEM alegaram que a presidente Dilma “chantageou” o Congresso com promessas de emendas e pediu uma “anistia” ao Legislativo, enquanto que o PT argumentou que as mudanças nas regras da política fiscal servem para garantir os investimentos e o baixo nível de desemprego.

“Esse é o debate da eleição, quando a presidente Dilma disse que não faríamos política fiscal às custas do desemprego”, declarou o senador Lindbergh Farias (PT-RJ). “Não queremos que o País fique com dinheiro na poupança precisando de investimentos”, afirmou o senador Wellington Dias (PT), eleito governador do Piauí.

“Não podemos avalizar essa irresponsabilidade fiscal de forma alguma”, rebateu o líder do DEM na Câmara, Mendonça Filho (PE). “O que ela (Dilma) quer é apenas se livrar da consequência de ter infringido a lei orçamentária”, acrescentou o líder do PSDB no Senado, Aloysio Nunes (SP). No meio da sessão, ontem, o senador Aécio Neves (MG) subiu na tribuna para atacar o projeto que altera a meta fiscal, momento no qual foi vaiado por petistas. Ao citar o decreto de Dilma editado na segunda-feira (1º) que condicionou a liberação de R$ 444 milhões em emendas parlamentares à aprovação da alteração da meta do superávit primário, Aécio disse que a presidente estava colocando o Congresso de “cócoras”.

‘Aperto’. Com um déficit fiscal acumulado e diante da impossibilidade de cumprir a economia mínima para o pagamento de juros da dívida pública prevista na Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) em vigor, de R$ 49 bilhões, a equipe econômica enviou ao Parlamento um projeto de lei que permite que sejam descontados da meta todos os gastos com o Programa de Aceleração de Crescimento (PAC) e as desonerações de impostos. Na prática, a medida abre uma brecha para que a legislação seja dada como alcançada mesmo em caso de um resultado fiscal negativo ao final do ano.

Na sessão encerrada há pouco, Renan foi o maior avalista da aprovação do texto principal do projeto no Congresso e da mobilização para deixá-lo a um passo de ser aprovado. Ele comandou as votações, que entraram madrugada adentro, e contornou a obstrução realizada pela oposição. Deixando claro ser o fiel da balança da governabilidade num tema tido como fundamental pelo Planalto, os peemedebistas esperam garantir mais espaço no novo ministério de Dilma. A meta do partido é comandar seis pastas, uma a mais do que controlam hoje. Dentre os pleitos, está na mira do PMDB manter o Ministério de Minas e Energia e emplacar um indicado na Integração Nacional.

Tumulto. Na manhã desta quarta-feira, a reunião do Congresso começou sob o clima de confronto que marcou a tentativa anterior de votação da proposta, anteontem à noite. Na ocasião, um grupo de cerca de 30 manifestantes vaiavam os pronunciamentos de governistas quando Renan, alegando que o público atuava de forma “partidarizada”, determinou que as galerias fossem esvaziadas. Deputados oposicionistas correram ao local para evitar a remoção e instalou-se uma confusão generalizada, com agressões entre parlamentares, seguranças do Senado e manifestantes. O impasse fez com que Renan suspendesse a sessão, retomada no dia seguinte, mas com as galerias fechadas ao público.

Boa parte da reunião que ocorreu ao longo do dia de ontem e nesta madrugada, por sua vez, foi destinada a analisar dois vetos presidenciais que estavam trancando a pauta. A apreciação desses dispositivos, ao final mantidos, era pré-requisito para que a proposta que modifica as regras da política fiscal entrasse na pauta de votações. Depois dos vetos, os parlamentares ainda se debruçaram sobre um projeto de lei que abriu R$ 248 milhões em créditos para que a União cumpra uma decisão judicial e pague pensões a aposentados e pensionistas do Fundo Aerus, das extintas empresas aéreas Varig e Transbrasil.

Com todo esse périplo, o projeto de lei que flexibiliza a meta de superávit primário só entrou efetivamente em deliberação depois das 23 horas desta quarta-feira, após uma determinação de Renan que invalidou uma série de requerimentos da oposição que visavam atravancar a votação.

Estadão

 

As verdades do ex- diretor da Petrobras, Paulo Roberto Costa

PAULO

“O esquema que acontece com obras da Petrobras se repete em todos os outros contratos públicos do país, incluindo ferrovias, portos, aeroportos, entre outros” ( em outras palavras, os roubos acontecem em todas as obras do governo)

“Não tem nada da delação que eu falei que eu não confirme. Porque a delação é um instrumento extremamente sério, não pode ser usado de artifício, não pode ser mentira, de coisas que não possam depois se confirmar”, disse. E completou: “Falei de fatos, falei de dados, falei de pessoas. Na época oportuna, essas pessoas serão conhecidas”.

As afirmações foram feitas ontem (02/12), na CPI da Petrobras quando ocorreu uma acareação entre ele (Paulo) e  outro ex-presidente da Petrobras,  Nestor Ceveró.

Paulo disse ainda que existem dezenas de políticos envolvidos no petrolão e que todos os diretores da Petrobras, só ocupam o cargo de diretor por indicação política.

Mais uma vez a votação o projeto da flexibilização do superavit foi adiado

confusão

 A confusão ocorrida na noite desta terça-feira, 2, nas galerias do plenário da Câmara pode ajudar a oposição na estratégia de tentar adiar a votação do projeto que flexibiliza a meta de superávit primário a ser cumprido pelo governo este ano. Parlamentares da oposição permanecem nas galerias, onde a maioria das pessoas presentes foi retirada a pedido do presidente do Congresso Nacional, senador Renan Calheiros (PMDB-AL).

“Foi ótimo para a gente. Ganhamos mais uma semana”, disse o líder do DEM na Câmara, Mendonça Filho (PE). Apesar da comemoração, ainda não há previsão de Calheiros encerrar as atividades, convocando uma nova sessão para esta quarta-feira, 3.

Mais cedo, Calheiros suspendeu a sessão do Congresso e mandou esvaziar as galerias do Plenário. Para suspender a sessão, ele alegou “partidarização” das galerias e disse que não seria possível continuar os trabalhos da Casa com as manifestações dos populares.

Sob um clima tenso, parlamentares da oposição subiram às galerias, com o intuito de tentar impedir o esvaziamento de público. Na pauta desta terça, estão dois vetos da presidente Dilma Rousseff, além do polêmico projeto de lei que altera a Lei de Diretrizes Orçamentárias e flexibiliza a meta de superávit fiscal. (Estadão)

PT precisa reaprender a conviver com o povo nas galerias, diz Aécio Neves

O presidente nacional do PSDB, senador Aécio Neves (MG), defendeu nesta terça-feira (2) os brasileiros que foram ao Congresso protestar contra o PLN 36, projeto que altera a Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) e livra a presidente Dilma Rousseff de cumprir a meta fiscal de 2014.

Após uma tumultuada sessão, que acabou com o manifestantes retirados à força por ordem do presidente Renan Calheiros, Aécio afirmou que a base da presidente Dilma cometeu um grave equívoco ao impedir o acesso do público às galerias da Câmara.

“Esta é a casa do povo. E o PT tem que aprender a conviver novamente com o povo nas galerias. A população brasileira acordou. A verdade é que existe um Brasil diferente, que hoje o PT e seus aliados ainda não perceberam”, afirmou Aécio Neves.

Para Aécio, o erro começou com a tentativa da base governista de votar o projeto longe dos olhos da população. “As pessoas estão participando do que está acontecendo no Brasil. Elas querem saber e algumas querem vir aqui no Congresso Nacional. Vamos fechar as galerias para atender a uma base que quer votar escondido uma proposta desta gravidade com estas consequências para o país? Não, esta é a casa da democracia”, ressaltou.

Logo no início da sessão, o presidente nacional do PSDB protestou contra a medida, sugerindo que as senhas distribuídas e não usadas por partidos da base do governo fossem disponibilizadas para o público que ficou do lado de fora.

“Eu presidi essa Casa durante dois anos. Quando havia isso, os partidos que pegavam as senhas e não as distribuíam, nós liberávamos a galeria para aqueles que quisessem participar das sessões. Infelizmente, o ato truculento da Mesa do Congresso Nacional acabou prejudicando o próprio governo”, lamentou.

Chantagem

Aécio também criticou o decreto da presidente Dilma que vincula a liberação de R$ 444 milhões em emendas parlamentares à aprovação do PLN 36. “É como se a presidente tivesse colocado um cifrão na testa de cada parlamentar dizendo ‘vocês valem R$ 700 mil reais cada um”. Isso não engrandece o parlamento”, disse o tucano.

PSDB divulga nota respondendo Rui Falcão

 

Nota à imprensa (DO PSDB)

As declarações do presidente do PT, Rui Falcão, de que interpelará Aécio Neves, nos leva a crer que seu partido terá que fazer, nos próximos meses, uma quantidade incontável de interpelações, pois, a cada dia, mais e mais vozes se levantam para reconhecer que foi instalada uma quadrilha criminosa na Petrobras durante os governos de Lula e Dilma.

Poderia começar interpelando agentes e delegados da Polícia Federal que definiram o grupo nomeado para dirigir a Petrobras como uma verdadeira “organização criminosa”. Em seguida, poderia interpelar o ministro do Superior Tribunal de Justiça Félix Fischer, que afirmou que o Brasil nunca viveu “tamanha roubalheira”. Poderia, ainda, interpelar o ministro Newton Trisotto, também do STJ, que afirmou ser a corrupção brasileira “uma das maiores vergonhas da humanidade”.

Por fim, poderia interpelar o procurador-Geral da República, Rodrigo Janot, que considera já comprovada a engrenagem que movimentou o esquema de corrupção da Petrobras.

A verdade é que o Brasil já sabe que sua maior empresa, a Petrobras, foi utilizada em benefício de partidos políticos, por meio de um esquema de desvio de recursos públicos. As delações premiadas de alguns dos membros do esquema revelam que há indícios sérios de que o dinheiro desviado da Petrobras foi utilizado em favor de campanhas eleitorais de diversos partidos da base de Dilma Rousseff. Foi essa a realidade que o PSDB enfrentou nas eleições.

Essa verdade é inegável, inexistindo qualquer outro esclarecimento necessário a quem quer que seja. Os fatos são notórios, o que demonstra a ineficácia da interpelação que o presidente do PT, Rui Falcão, promete fazer.

Não nos preocupam acusações infundadas ou interpelações do PT. Não é o nosso partido que tem um histórico de tratar como heróis os criminosos presos que desviaram dinheiro público. Não foi o presidente nacional do nosso partido quem puxou palmas, no último fim de semana, para um tesoureiro acusado de se beneficiar do esquema de corrupção da Petrobras. Portanto, não somos nós, o PSDB, que devemos explicações ao país.

Carlos Sampaio
Coordenador jurídico do PSDB

PETROLÃO CHEGOU NO PRÉ-SAL

Delegados e procuradores da força-tarefa da Operação Lava Jato suspeitam que Pedro Barusco, ex-gerente-executivo da área de Serviços da Petrobras, comandada pelo diretor Renato Duque, tenha levado o megaesquema de corrupção que drenou recursos da estatal para dentro da companhia Sete Brasil. A empresa foi criada em 2011 com a missão de gerenciar a construção e o fretamento para a Petrobras de 29 navios-sonda para águas ultraprofundas. A PF descobriu que Barusco, como diretor de Operações da Sete Brasil, intermediou os contratos da empresa com estaleiros, empreiteiras e agentes financeiros nacionais e internacionais. Réu confesso no inquérito da Lava Jato, em que admitiu ter embolsado R$ 250 milhões em propinas, Barusco comandou a estruturação de offshores da Sete Brasil na Holanda, pelas quais circularam nos últimos três anos quase US$ 7 bilhões – cerca de R$ 18 bilhões.

Para a PF, Barusco trocou a Petrobras pela Sete Brasil com uma missão clara: montar um novo esquema de propina, exclusivo do PT e sem a participação de doleiros. PP e PMDB até se queixaram quando a companhia venceu sozinha a concorrência, mas o executivo os desdenhou. Passou o chapéu junto à Petrobras, fundos de pensão e bancos privados. Colocou o dinheiro num fundo de investimentos e abriu 29 offshores em Amsterdã, uma para cada navio-sonda. Batizadas com nomes de praias famosas, como Copacabana e Ipanema, as empresas estão sediadas em endereços virtuais e não possuem funcionários. Servem apenas para escoar os dólares.

E aí começam os problemas. Com esse esquema, o dinheiro para pagar materiais e serviços, por exemplo, não caía direto na conta dos fornecedores. Ele saía da Petrobras, dos bancos e dos fundos de pensão e passava primeiro nas contas das offshores, dificultando o controle de órgãos como o COAF e o Banco Central. Até 30 de setembro, a Sete Brasil já havia desembolsado US$ 6,5 bilhões para o pagamento dos estaleiros, quase todos formados por empreiteiras investigadas pela Operação Lava Jato, como Camargo Corrêa, Queiroz Galvão e Engevix. As obras, porém, caminham lentas.

A empresa alega que 16 sondas já começaram a ser construídas e que cumpriu 23% da execução dos contratos. Mas não há como ter certeza disso. No Estaleiro Atlântico Sul, por exemplo, as obras estão paralisadas por falta de um parceiro tecnológico. Segundo um dirigente ligado ao negócio, a coreana Samsung e a japonesa Mitsui desistiram da empreitada porque o “pedágio” cobrado era alto demais. Os chineses estão sendo sondados para assumir a responsabilidade. Oficialmente, ninguém comenta o caso.

Integrantes da força-tarefa da Lava Jato suspeitam que para o pagamento de propinas a Barusco e seus parceiros a Sete Brasil usou como cobertura legal a contratação de serviços de “supervisão e gerenciamento” das obras, um modelo similar ao utilizado pelo doleiro Alberto Youssef e o ex-diretor de Abastecimento da Petrobras Paulo Roberto Costa. No relatório da operação Juízo Final, que prendeu Duque e os empreiteiros, o juiz Sérgio Moro destacou como principais elementos probatórios as notas fiscais frias e contratos de prestação de serviços forjados.

Youssef, por exemplo, firmou com o Consórcio Ipojuca Interligações (IESA) um contrato de “gerenciamento da implantação do canteiro de obras” da Refinaria de Abreu e Lima. Costa combinou com a Engevix o pagamento de propina por meio de contrato de “gestão empresarial”. No caso da Sete Brasil, os contratos de gerenciamento ganharam um nome pomposo em inglês: “Construction Management Agreement (CMA)”. Na descrição do serviço a ser prestado, a empresa diz que a finalidade é “o acompanhamento dos contratos de EPC”. Os contratados deveriam monitorar as obras nos estaleiros no Brasil.

Ocorre que o pagamento por esses serviços também foi feito lá fora. Ao todo, a empresa já desembolsou com os contratos de CMA US$ 181 milhões, ou R$ 462 milhões, quase o dobro do valor de propinas que Barusco prometeu repatriar. Até a entrega dos 29 navios-sonda, a Sete Brasil pretende gastar US$ 828 milhões para supervisionar a construção – o valor equivale a 3,7% do total das sondas, percentual parecido ao das propinas da Petrobras. A PF ainda não tem provas de que esses contratos foram fraudados. Primeiro, ela quer ouvir Barusco sobre o caso. E se necessário solicitar à empresa cópia dos contratos e das notas fiscais.

“Como as obras estão atrasadas, há um forte indício de que os serviços de supervisão citados não foram prestados de forma adequada ou simplesmente não foram executados”, avalia um integrante da força-tarefa. Barusco, que sofre de um câncer agressivo, tem deixado o governo preocupadíssimo com suas revelações. A força-tarefa já tem em mãos cópia de uma auditoria realizada pela PricewaterhouseCoopers, que encontrou um rombo de R$ 10,9 bilhões nas contas da Sete Brasil. Situação que, segundo os auditores, indica uma “incerteza material que pode suscitar dúvidas significativas sobre a continuidade operacional da companhia”.

A Sete Brasil se defende. Garante que tem cumprido a lei, desconhece qualquer prática ilícita de Barusco na empresa e trabalha para cobrir os compromissos de curto prazo. Chegou a recorrer a empréstimos internacionais e aguarda ansiosa a liberação de um total de R$ 10 bilhões já aprovados pelo BNDES e pelo Fundo da Marinha Mercante.

Revista IstoÉ