AMIANTO: empresas particulares podem usar o produto que mata

OBS:  O USO DO AMIANTO  É PROIBIDO EM OBRAS PÚBLICAS E PERMITIDO EM OBRAS PARTICULARES? EMPRESAS PARTICULARES PODEM  VENDER UM PRODUTO QUE MATA? A PROIBIÇÃO  DA VENDA DEVERIA SER EM TODO BRASIL,  PARA EMPRESAS PÚBLICAS E PRIVADAS.

 Jorge Roriz

Brasília – O ministro do Meio Ambiente, Carlos Minc, assinou hoje (30.01), em Belém, a Portaria nº 43, que proíbe o uso do amianto em obras públicas e bens adquiridos pelo ministério e por órgãos vinculados. O anúncio foi feito durante o Seminário Mundial de Mudanças Climáticas, realizado na tenda da Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil (CTB), no Fórum Social Mundial (FSM). No Brasil quatro estados fizeram leis contra o uso do amianto: Rio de Janeiro, Pernambuco, São Paulo e Rio Grande do Sul. Segundo Minc, com a portaria, o governo brasileiro faz sua parte para a preservação do meio ambiente. Minc disse que o amianto é uma substância que mata por inalação da fibra, mas ressaltou que há muitas alternativas de fibras minerais, vegetais e sintéticas. “No mundo, 43 países já aboliram [o uso do amianto]. Queremos tecnologia limpa, que não agrida o meio ambiente e o pulmão dos trabalhadores.“ Entre as doenças causadas pelo amianto, estão a asbestose (doença crônica que provoca o endurecimento dos pulmões) e os cânceres de pulmão, de pericárdio (membrana que reveste o coração), do trato gastrointestinal, do rim e da laringe. O amianto é usado na indústria da construção civil, para fabricação de telhas e caixas d’água, em guarnições de freio (lonas e pastilhas) e no revestimento de discos de embreagem, entre outros produtos. ( Agência Brasil)

REPORTAGEM RECENTE SOBRE O ASSUNTO,  (21/02/2012) CLIQUE AQUI

32 comentários sobre “AMIANTO: empresas particulares podem usar o produto que mata

  1. Sou trabalhador de uma mina de amianto, vejo com os meus próprios olhos que a realidade hoje com relação ao amianto e muito diferente do que e divulgado na mídia brasileira, trabalho desde 1992 e vejo que e possível trabalhar de maneia segura através do uso controlado do amianto.

    Com tanta falta de emprego em nosso querido Pais querem gerar mais desemprego.

    Desafio a qualquer um destes políticos que prega o banimento do amianto a nos visitar pode ser de supressa nem precisa agendar para que depois saia por ai falar que limpamos a casa para receber as visitas.

    No Brasil existem muitas mineradoras que estão na idade da pré-história, comparado com a SAMA, estou falando dos quesitos de qualidade de vida dos trabalhadores, controle de poluição (trabalhamos de o indicie 10 vezes menor que e permitido pela as leis brasileiras), somos certificado pela as ISSO-14001 e ISSO-9000, segurança do trabalho.

    Para complementar gostaria que todos procurassem conhecer melhor o que esta falando e não condenasse tantos pontos de trabalho com uma decisão precipitada que pode acabar com uma cidade de 35000 habitantes (Minaçu-Goias).

    ass: Odair jose da silva

  2. SR ODAIR SILVA:
    O AMIANTO FOI BANIDO EM QUASE TODOS OS PAÍSES DO MUNDO. SÃO CENTIFICAMENTE PROVADOS OS PREJUÍZOS CAUSADOS A SAÚDE HUMANA.
    NÃO ADIANTA VOCÊ PRESERVAR SEU EMPREGO E PERDER SUA SAÚDE. VC PODE ADQUIRIR UM CÂNCER QUE SE MANIFESTARÁ MUITOS ANOS APÓS O CONTATO.
    QUEM DEFENDE O AMIANTO SÃO AS INDÚSTRIAS DE TELHA DE AMIANTO QUE LUCRAM COM A MORTE.
    NA MAIORIA DOS PAÍSES CIVILIZADOS DO MUNDO O AMIANTO É PROÍBIDO EM QUALQUER ÍNDICE.

  3. Meu amigo que não se identificou, acho que você esta muito mal informado sobre este assunto que você esta falando, na Europa os paises que estavam proibidos o uso do amianto Crisotila estão liberado o uso dele, exemplo os Estados Unidos à França e para seu governo não tem nem um estudo cientifico que comprovando que o amianto Crisotila faz mal, porem não estamos defendendo esta bandeira e sim a do uso controlado do amianto crisotila.

    Não acredito que eu ou qualquer um dos nossos companheiros daria a sua própria vida pela a SAMA ou por qualquer outra empresa, porem trabalhamos dentro de uma empresa que tem todas as cartas aberta e estão muito bem claro para que possamos afirmar com toda a certeza do mundo que e possível sim trabalhar com o amianto através do seu uso controlado.

    Gostaria de saber só por curiosidade porque estes políticos estão tão contra o amianto, porque a mídia brasileira bate tanto em nos, se não e o meu engano te mais de 45 produtos perigos na frente do amianto dentro do nosso amado Brasil, porque não bane estes que estão na nossa frente primeiro?????? Credito que esta resposta e muito simples pra tudo neste mundo esta perdido pela a corrupção e este pode ser um dos casos que esta na frente dos nossos olhos e não conseguimos ver, não importa a quantidade de pai de família que vai ficar desempregado, olha que estamos passando por uma crise mundial onde o governo federal brilhantemente teve a idéia de reduzir o IPI de alguns produtos só para não haver desemprego e remando contra a maré tem alguns políticos querendo gerar desemprego, o que fazer com estes pais de família que vão ficar desempregado estes mesmos políticos vão garantir o pão de cada dia para eles ou eles vão ter que roubar para não deixar seus filhos passar fome.

    Gostaria que os ministros de meio ambiente, ministro da saúde e presidente do STF, nos visitassem para ver uma realidade e conhecer como se trabalha com amianto com muita saúde, antes de tomar partido, tenho certeza que após esta visita eles vão mudar de opinião para sempre.

    Desculpem-me pelo o desabafo, porem e tantas pessoas falando mal do que não conhece que deixa a gente muito revoltado.

    Odair Jose da silva.

  4. Sr ODAIR

    Quem está mal, informado sobre o amianto é você. Pesquise e veja quantos países já proibiram definitivamente o amianto.
    Não tenho tempo a perder com este tipo de discussão.

    Chamado para uma proibição internacional do amianto Para eliminar a pesada carga de doenças e mortes causadas mundialmente pela exposição ao amianto, o Colégio Ramazzini faz um chamamento por um imediato banimento total da extração mineral e do uso de amianto. Para ser efetivo, o banimento deve ser em âmbito internacional e adotado em cada país do mundo.

    O amianto ou asbesto é um risco ocupacional e ambiental de proporções catastróficas. O amianto foi responsável por mais de 200.000 mortes nos Estados Unidos e causará milhões de mortes a mais em todo o mundo. A profunda tragédia da epidemia do amianto é que todas doenças e mortes causadas por ele são totalmente evitáveis.

    Substitutos mais seguros existem e foram introduzidos de maneira bem-sucedida em muitos países. Os graves riscos de exposição ao amianto e a disponibilidade de poder contar com materiais substitutos mais seguros levaram um número crescente de países a eliminarem totalmente a importação e seu uso. Nos Estados Unidos, os usos do amianto foram drasticamente reduzidos ao longo dos anos. O amianto já foi banido em vários países, entre os quais Suécia, Noruega, Dinamarca, Holanda, Finlândia, Alemanha, Itália, Bélgica, França, Áustria, Polônia e Arábia Saudita.

    O Colégio Ramazzini O Colégio Ramazzini é uma sociedade acadêmica internacional que examina assuntos críticos em medicina ocupacional e ambiental. O Colégio se dedica à prevenção de doenças e à promoção da saúde. O nome do Colégio deriva de Bernardino Ramazzini, o pai da medicina do trabalho, que foi professor de Medicina nas Universidades de Módena e Pádua no final dos séculos XVII e começo do XVIII. O Colégio é composto de 180 médicos e cientistas de 30 países, eleitos como membros. O Colégio é uma organização independente de interesses comerciais. Antecedentes

    As conseqüências do uso do amianto na sociedade contemporânea internacional têm sido amplamente documentadas na literatura científica mundial. O número de doentes e mortos entre os trabalhadores expostos ao amianto na mineração, construção e indústria pesada é bastante conhecido. O pioneiro trabalho dos investigadores britânicos, sul-africanos e italianos criou a base para as investigações definitivas levadas a cabo por Irving Selikoff e seus colegas com os trabalhadores em isolamento térmico nos Estados Unidos. Os estudos monumentais de Selikoff mostraram primeiro o grande aumento de mortalidade dos trabalhadores em isolamento térmico, e mais tarde a relação sinérgica entre o fumo e o trabalho com amianto5. Homens que foram seguidos por mais de 20 anos a partir da primeira exposição ao amianto apresentaram um excessivo risco de adoecer de câncer de pulmão e mesotelioma, bem como risco de desenvolver outras neoplasias6. Estes riscos afetam não são somente trabalhadores expostos ao amianto, mas também suas famílias e vizinhos(pela poeira contida nas roupas ou através da emissão das fábricas), usuários de produtos contendo amianto e a população em geral.

    Amianto é um termo genérico aplicado a certas fibras minerais de há muito conhecidos por sua resistência térmica, à tração e isolamento acústico. Do ponto de vista mineral, o amianto se divide em 2 grandes grupos: serpentinas e anfibólios. Há um único tipo de amianto derivado da serpentina, chamado crisotila, também conhecido como amianto branco.

    O do tipo anfibólio incluem 5 espécies de amianto: amosita, crocidolita, tremolita, antofilita e actinolita. Dois destes são as formas de maior valor comercial: amosita, ou amianto marrom, e a crocidolita, ou amianto azul.

    Os outros anfibólios são de pouca importância comercial. Todos os tipos de amianto causam asbestose, uma fibrose pulmonar progressiva. Todos os amiantos podem causar câncer de pulmão e mesotelioma maligno. Amianto foi classificado com um reconhecido carcinogênico para os seres humanos pela Agência de Proteção Ambiental americana(EPA) e pela Agência Internacional de Pesquisa sobre o Câncer(IARC) da Organização Mundial da

    Saúde(OMS) Indicações iniciais que a crisotila poderia ser menos perigosa do que as outras formas de amianto não se sustentaram.

    A predominância de evidências científicas até o momento demonstram que a crisotila também provoca câncer, incluindo câncer de pulmão e mesotelioma. A crisotila canadense, que é isenta de anfibólios, tem sido associada com mesotelioma. Um importante pesquisador sobre amianto, Julian Peto, e seus colegas projetaram que as mortes por mesotelioma entre indivíduos do sexo masculino na Europa Ocidental aumentarão de aproximadamente 5.000 in 1.998 para em torno de 9.000 pelo ano de 2.018. Somente na Europa Ocidental, exposições passadas causarão 250.000 mortes por mesotelioma nos próximos 35 anos. O número de mortes por câncer de pulmão causadas por amianto é no mínimo igual ao número de mortes por mesotelioma, sugerindo que serão mais de 500.000 mortes por câncer provocado pelo amianto na Europa Ocidental nos próximos 35 anos.
    Na Suécia, Jarvholm relatou que o número de mortes causadas todo ano por mesoteliomas malignos é maior que o número de mortes causadas naquele país por todos os acidentes de trabalho.

    A necessidade da proibição

    Um imediato banimento internacional da extração mineral e uso do amianto é necessário porque os riscos não podem ser controlados por tecnologia nem por regulamentos sobre práticas no trabalho. O mais restritivo limite de exposição ocupacional para amianto crisotila no mundo de 0,1f/cc está associado com estimativa de risco de vida de 5/1.000 para

    câncer de pulmão e 2/1.000 para asbestose.17 Este limite de exposição pode ser tecnicamente obtido nos Estados Unidos e em outros poucos países altamente industrializados, mas os riscos residuais ainda são muito altos para serem aceitos. Em países de industrialização mais recente envolvidos em extração mineral, manufatura e construção, exposições ao amianto são muito mais freqüentemente elevadas e o potencial para epidemia de doenças do amianto é grandemente aumentado.18,19 Cientistas e autoridades responsáveis em países que ainda permitem o uso do amianto não deveriam ter ilusão que o “uso controlado do amianto” é uma alternativa realista ao banimento. Além disto, o melhor controle do ambiente de trabalho não pode prevenir exposições ocupacionais e ambientais aos produtos ainda em uso ou resíduos. Exposição ambiental ao uso contínuo do amianto é ainda um problema sério. Um estudo recente sobre mulheres residentes nas comunidades em áreas próximas da extração mineral no Canadá encontrou uma incidência 7 vezes aumentada na taxa de mortalidade por cânceres pleurais.20

    Grandes quantidades de amianto permanecem como herança de práticas anteriores de construção em muitos milhares de escolas, residências e prédios comerciais em países desenvolvidos e se acumulam em milhares de comunidades em países em desenvolvimento.

    Uma proibição internacional da extração mineral e uso do amianto é necessária porque ações de país por país têm dispersado mais que eliminado os riscos à saúde pelo amianto. A indústria do amianto tem uma poderosa influência econômica e política sobre muitos países. Mesmo nos Estados Unidos, a indústria do amianto teve sucesso em 1991 ao derrubar a recomendação do banimento e eliminação progressiva do amianto por uma decisão técnica nos tribunais. Canadá, Rússia e outros países exportadores de amianto detêm importantes mercados nos países de industrialização recente. Condições atuais de uso em países em desenvolvimento se assemelham àquelas que existiam nas nações industrializadas antes dos perigos do amianto serem amplamente reconhecidos.

    As táticas comerciais da indústria do amianto são muito parecidas àquelas da indústria do tabaco. Na ausência de sanções internacionais, as perdas resultantes do consumo reduzido de cigarros nos países desenvolvidos são compensadas por grandes vendas aos povos dos países em desenvolvimento. De maneira semelhante, o mundo

    desenvolvido respondeu à catástrofe do amianto para a saúde humana com um progressivo banimento de seu uso. Em resposta a isto, a indústria do amianto está progressivamente transferindo suas atividades comerciais e riscos à saúde para os países em desenvolvimento.

    As corporações multinacionais do amianto apresentam uma deplorável história de exploração internacional. Estas empresas abriram grandes e rentáveis mercados internos e externos no Brasil, e em outros países na América do Sul e Índia, Tailândia, Nigéria, Angola, México, Uruguai e Argentina. Brasil é na atualidade o quinto maior produtor e consumidor de amianto do mundo, depois da Rússia, Canadá, Cazaquistão e China.21 Enquanto a quantidade de amianto usado nos Estados Unidos é menor que 100g/cidadão por ano, no Brasil, a média é mais do que 1.000g/cidadão por ano. Nos países em desenvolvimento, o uso de amianto tem aumentado a uma taxa média anual de 7%.

    Conclusão

    Os graves riscos do amianto à saúde são completamente evitáveis. Os riscos por exposição ao amianto não são aceitáveis nem em nações desenvolvidas, nem naquelas de industrialização recente. Além disto, existe disponibilidade de substitutos mais seguros e apropriados. Uma proibição mundial imediata da produção e uso do amianto é de há muito esperada, completamente justificada e absolutamente necessária.

    Collegium Ramazzini Sede Internacional Castello dei Pio 41012 Carpi/Modena Itália Secretariado General Castello di Bentivoglio 40010 Bentivoglio Bologna Itália

    TEL.: 39 051 6640650 FAX: 39 051 6640223

    Referências

    1. Doll R. Mortality from lung cancer in asbestos workers. Brit J IndustrNMed. 1955;12:81-86.

    2. Wagner JC, Sleggs CA, Marchand P. Diffuse pleural mesotheliomaNand asbestos exposure in the North Cape Province. Brit J Industr Med.N1960;17:260-271.

    3. Vigliani EC, Mottura G, Maranzana P. Association of pulmonary tumors

    with asbestos in Piedmont and Lombardy. Ann NY Acad Sci. 1964;132:558-574.

    4. Selikoff IJ, Hammond EC, and Churg J. Asbestos exposure andBneoplasia. JAMA. 1964;188:22-26.

    5. Selikoff IJ, Hammond EC, Churg J: Mortality experiences of asbestos insulation workers, 1943-1968. In: H.A. Shapiro: Pneumoconiosis. Proceedings of the International Conference, 180-186. Oxford University Press, Johannesburg, Cape Town, 1969.

    6. Selikoff IJ, and Seidman H. Asbestos-associated deaths amongBinsulation workers in the United States and Canada, 1967-1987. AnnNY Acad Sci., 1991;643:1-14.

    7. International Program on Chemical Safety: Environmental health Bcriteria 77: Man-madeBmineral fibres. World Health Organization, Geneva, 1988.

    8. Dement JM, Brown DP, Okun A. Follow-up study of chrysotile As bestos textile workers:

    cohort mortality and case-control analyses. Am J Ind Med. 1994;26:431-437.

    9. Environmental Protection Agency: Airborne asbestos health assessment update. EPA/6000/8-84/003E, EPA, Washington, DC, June l986.

    10. International Agency for Research on Cancer: IARC monographs on the evaluation of carcinogenic risks to humans. Suppl. 7., 106-16. IARC, Lyon, France, 1987.

    11. UNEP, ILO, WHO: Chrysotile Asbestos. Environmental Health Criteria

    203. World Health Organization, Geneva, Switzerland, 1998.

    12. Smith AH, and Wright CC. Chrysotile asbestos is the main cause of

    pleural mesothelioma. Am J Ind Med. 1996;30:252-266.

    13. Stayner LT, Dankovic DA, Lemen RA. Occupational exposure to

    chrysotile asbestos and cancer risk: a review of the amphibole

    hypothesis. Am J Public Health. 1996;86:179-186.

    14. Frank AL, Dodson RF, Williams MG. Carcinogenic implications of the

    lack of tremolite in UICC reference chrysotile. Am J Ind Med.

    1998;34:314-317.

    15. Peto J, Decarli A, La Vecchia C, Levi F, Negri E. The European

    mesothelioma epidemic. British Journal of Cancer, 1999;79:566-572.

    16. Jarvholm B, Englund A, Albin M. Pleural mesothelioma in Sweden:

    an analysis of the incidence according to the use of asbestos. Occup

    Environ Med. 1990;56:110-113.

    17. Stayner L, Smith R, Bailer J, Gilbert S, Steenland K, Dement J, Brown D, Lemen R. Exposure-response analysis of risk of respiratory disease associated with occupational exposure to chrysotile asbestos. Occup Environ Med. 1997;54:646-652.

    18. Giannasi F, and Thebaud-Mony A. Occupational exposures to asbestos in Brazil. Int J Occup Environ Health. 1997;3:150-157.

    19. Izmerov N, Flovskaya L, Kovalevskiy E. Working with asbestos in Russia. Castleman BI. Int J Occup Envir Health. 1998;4:59-61 (letter).

    20. Camus M, Siemiatycki J, and Meek, B. Nonoccupational exposure to chrysotile asbestos and the risk of lung cancer. New Engl J Med. 1998;338:1565-71.

    21. Harington JS and McGlashan ND. South African asbestos: production, exports, and destinations, 1959-1993. Am J Ind Med. 1998;33:321-325.

    Publicado por: ABREA – Visite: http://www.abrea.com.

  5. O virtual e o real são reais. O virtual não é algo que não exista. A internet apenas dimunui distâncias. Estamos falando de algo real. Vc defende o amianto por que deve ter ligaçoes empresáriais com este produto. O amianto conforme artigo que postei foi proibido em diversos países. Cigarro e álcool usa quem quer. É vício.
    Amianto envolve relações de trabalho e saúde do consumidor que compra produtos feitos de amianto sem saber dos males que o material possa causar.
    Uma telha de de amianto pode por exemplo causar câncer nos moradores da casa em que ela cobre. A maior parte das pessoas que compram as telhas não sabem disso.
    Cigarro e álcool é público e notório que faz mal. Um tanque de água de amianto pode causar câncer.
    Criar trabalho que produz um produto que pode causar câncer não é algo aconselhavel

  6. boa tarde!

    com toda essa polemica do usou ou nao uso do produto amianto, fico na dúvida, sou leigo no assunto, no predio aonde eu moro as telhas sa de amianto e como moro na cobertura fico mais proximo a esse material, mais quero retirar esse produto, o responsavel por ter colocado o material me informou que nao tem problema algum, mais como visto nesse site e outros, sei do problema de saude que ocasiona, quero saber se tem alguma lei que proibe o uso e aonde posso recorrer para que o predio retire essas telhas de amianto ?

    obrigado

  7. JORGE RORIZ, sou leitor do JORNAL DO COMMERCIO aqui de PE, sou policial militar há 17 anos, hoje ao ler o referido jornal, me deparei com sua página, que por curiosidade comecei a ler, após a leitura fiquei muito satisfeito, com certeza a partir desta data irei todos os dias entrar nesta página, para ver as próxima novidades vindas de você. Bem como me chamou muita a minha atenção foi os Direitos dos Homens, aqui postados, você está de parabéns.

  8. Recentemente comprei algumas telhas conhecidas como brasilit e no momento em que fui usar percebi que avia uma recomendação que dizia cuidado comtem amianto substancia perigosa a saude si e perigosa porque que esta a venda, me senti enganado pois eu achava que o amianto ja não estava sendo usado no brasil o que eu devo fazer.

  9. O Sr Odair está correto em suas colocações e sua opinião deve ser respeitada. Para quem não tem tempo a perder, perdeu-se muito tempo. Ou Jorge Roriz é um delegado de grupos estrageiros interessados no comércio de artefatos de fibrocimento do Brasil, ou é um desinformado das tecnologias industriais modernas ou é mesmo mais um influenciado pela mídia, o que me parece mais provável. Assim como o Carlos Minc ele deve preferir o fibrocimento com fibras de maconha.

  10. Sr Roger:
    Se o produto É PROIBIDO em centenas de países do mundo, dispensa maiores comentários. Não é Jorge Roriz que afirma. São os médicos, cientistas, pesquisadores. O Amianto é prejudicial a saúde. Quem deseja divulgar o contrário possui interesses financeiros com a indústria do amianto.
    Da mesma forma centenas de agrotóxicos são proibidos em diversos países e usados livremente no Brasil. O Sr deve ter uma boa imaginação para escrever livros de ficcão sobre teorias conspiratórias internacionais. O artigo está ai, quem quiser concordar ou discordar pode pesquisar na própria internet e manter ou mudar sua maneira de pensar. A livre expressão do pensamento ainda é uma garantia constitucional. As informações sérias devem possuir fontes, de preferência científicas. Só não vale cientístas ligados a indústria do amianto.

  11. Ola, meu vizinho esta colocando telhas de amianto em seu telhado. É um metragem pequena, é permitido? Tenho duvidas e tenho medo desta proximidade com minha residencia. O que fazer?
    Grata, paula – paulletti@ig.com.br

  12. Sou do município de Bom Jesus da Serra – BA, aqui a extração do amianto foi desastre tanto ambiental como para a saúde das pessoas, a mina funcionou desde 1930 a até 1967. Quando foi para Minaçu – GO, deixou muita pobreza e agora lastro de doenças tanto para ex-trabalhadores e tantas pessoas que morreram com sintomas que não foram diagnosticado a causa, até o momento nada foi feito para recuperação da área degradada.

    A população vivem exposta diretamente, os índices de câncer nas pessoas cresce cada vez mais, e nenhum estudo foi feito para diagnosticar a origem, como se diz os sintomas contraído pela exposição ao amianto, aparecem só apartir dos 30 a 40 anos de idade após o contato. No meu ponto de vista mesmo leigo no assunto isto está se confirmando.

    A empresa sugou a força do trabalho, a riqueza da natureza, usou de forma escrava tanto os trabalhadores como o meio ambiente e nada ficou para o futuro, simplesmente doença e desastre ambiental. Qualquer pessoa pode chegar aqui e constatar isso.

    A nossa população precisa de apoio para que os responsáveis reparem parte dos danos causados, não só com exames sem relatórios detalhados, pois segundo os ex-trabalhadores e famílias atendidas, os médicos são pagos pela própria empresa SAMA!

    Deveria ter um centro especializado no município para dar atendimento especial a população, indenização justa a todos que trabalharam e seus descendentes, porque muitos já morreram deixando seus familiares em péssimas condições de vida digna, programa de apoio e prevenção a população exposta, devolver a segurança da saúde a população presente e futura e demais direitos que foram tirados de ter um meio ambiente saudável e devolver uma porcentagem de direitos dos lucros ao município para que seja empregados na geração de emprego e renda.

    Precisa que área seja recuperada são 700 hectares que encontra resto de resíduos de amianto, e a empresa cumpra com responsabilidade social para com a população, presente e futura, pois são milhares de pessoas expostas e sujeitas aos cânceres, assim como as centenas que já estão sendo descobertas os sintomas ou já são sintomáticos.

    Aqui a população desses municípios da região existem pouca mobilização e formação sobre esse assunto as conseqüência do amianto, eu mesmo tinha pouco conhecimento, mas agora participando dessa tema sobre meio ambiente comecei a ler sobre o assunto e pesquisar, então vejo que a conscientização pode ajudar a população reverter o quadro atual. Quem sabe algum órgão ambiental ou outro interessa nos ajudar nesse trabalho, aqui foi a 1ª mina de amianto extraída no Brasil.

    Agradeço ao meio de comunicação, por esse espaço para comunicar com o mundo.

  13. Apenas darei uma noticia a respeito do julgamento dos donos da Eternit, julgados em Turim na ITALIA dia 13 de fevereiro de 2012.
    Depois disso ,continua usando AMIANTO em qq forma de utilização quem quizer. Eu não utilizo ,nunca utilizei , muito menos vou utilizar!

    Ex-diretores da Eternit condenados por uso de amianto

    France Presse

    TURIM, Itália, 13 Fev 2012 (AFP) -O tribunal de Justiça de Turim (norte da Itália) condenou nesta segunda-feira a 16 anos de prisão dois ex-diretores da multinacional Eternit por terem causado a morte de 3.000 pessoas com o uso do amianto em seus materiais de construção.

    O julgamento foi considerado “histórico” e a sentença, recebida com gritos, aplausos e choro, tanto por familiares das vítimas, que pediam justiça há anos, quanto pela condenação exemplar de ex-executivos da empresa, de alto escalão.

    O ex-proprietário do grupo, o bilionário suíço Stephan Schmidheiny, de 65 anos, e o ex-acionista belga, o barão Jean-Louis Marie Ghislain de Cartier de Marchienne, de 91 anos, foram condenados por terem provocado de modo intencional uma catástrofe, além de terem violado regras de segurança em suas fábricas da Itália, que funcionaram de 1976 a 1986.

    Trata-se do maior julgamento organizado até agora pelo uso de amianto, um mineral fibroso – do qual faz parte o asbesto – um produto responsabilizado por entidades médicas internacionais de causar câncer e provocar uma elevada mortalidade.

    Seu uso foi proibido há anos em todos os países industrializados, embora ainda continue sendo utilizado em outras nações em desenvolvimento, quase todos da América Latina, entre elas o Brasil.

    A defesa negou a responsabilidade direta dos dois acusados, que nunca estiveram presentes às audiências, sendo condenados à revelia.

    O Ministério Público pediu a pena mais severa, isto é, de vinte anos, devido à gravidade do crime: as pessoas expostas ao amianto podem ficar doente muitas décadas depois.

    Tanto o barão belga quanto o bilionário suíço, mesmo sabendo que o amianto era perigoso, decidiram manter suas fábricas abertas sem preocupação de aconselhar aos empregados o uso de luvas e máscaras, como primeira medida de proteção, para evitar que milhares de pessoas contraíssem tumores nos pulmões e sofressem de asbestose – pneumoconiose produzida pela inalação de fibras de asbesto e que, além de ocasionar fibrose pulmonar, pode estar acompanhada de câncer brônquico – pela inalação do pó.

    O processo começou em dezembro de 2009 em Turim (norte) e reuniu mais de 6.000 queixosos.

    “Foi uma sentença histórica, tanto pelos aspectos sociais quanto por seu caráter técnico-jurídico”, comentou o ministro da Saúde italiano, Renato Balduzzi, destacando o apoio do Estado e das instituições italianas aos familiares das vítimas.

    “Trata-se de uma sentença equilibrada, agora é preciso ver se os condenados vão cumprir com suas obrigações”, reagiu Sergio Bonetto, um dos advogados dos familiares, que teme a interposição de recursos legais impedindo o pagamento das indenizações estabelecidas.

    A sentença dispôs do pagamento de dezenas de milhões de euros, entre outros, à Asociação Medicina Democrática e a várias prefeituras, como a de Casale Monferrato, a cidade com o maior número de mortos.

    “Foi o maior julgamento realizado no mundo relacionado a um assunto de segurança no trabalho”, admitiu o promotor Raffaele Guariniello, elogiado por associações e familiares.

    Uma enorme faixa com os dizeres “Eternit Justiça” foi colocada na sala de audiências, na qual estavam também representantes das vítimas de outros países, entre eles numerosos provenientes da França.

    “Trabalhávamos sem nenhuma proteção”, recordou Piero Ferraris, filho de Evasio, que morreu de câncer, em 1988, aos 63 anos, depois de ter trabalhado na fábrica da Eternit de Casale Monferrato de 1946 a 1979.

    “Casale é uma cidade mártir, cheia de gente doente”, comentou Remo Viotto, de 77 anos, que trabalhou por 32 anos como caminhoneiro da Eternit e luta há 18 anos contra um câncer.

    O amianto, usado durante décadas como material milagroso por sua resistência ao calor e ao fogo, foi proibido em toda a União Europeia em 2005 quando entrou em vigor uma diretriz, em 1999, lutando-se, agora, por uma proibição mundial para pôr um ponto final a esse drama.

    Na América Latina, foi dado um primeiro passo em 2008, quando uma lei do Estado de São Paulo, que proibia o uso do amianto na região, foi considerada constitucional, apesar de um recurso apresentado por industriais, recordou Mauro de Azevedo Menezes, advogado da Associação brasileira de Vítimas (Abrea).

    mg-kv/erl/ma/sd

    Fabio Bahiense
    Eng Civil Ambiental
    Fundador da ABRACAM – Associação Brasileira dos Consumidores Expostos ao Amianto
    Rio de Janeiro -RJ
    AMIANTO NÃO , AMIANTO MATA !!!!!

  14. Boa noite. Por favor, tenho duas caixas d’ água de amianto em meu prédio há mais de 40 anos. Bem agora que tomei conhecimento de todo mal que o amianto causa, gostaria de saber o que posso fazer, porque se eu for trocá-las, vou ter que quebrá-las para saírem do prédio. O fato é que tomando conhecimento do perigo do amianto vou ter que me livrar das caixas d’ água, mesmo depois de tantos anos utilizando-as. Peço ajuda para procedimentos que eu não prejudique ninguém ao tentar descartar os materiais de amianto. Grato pela atenção.

  15. Alex Costa
    Basta que você subistitua a caixa de amianto por outro material. Para descartar,coloque os pedaços e restos da caixa de amianto em um saco plástico e embale separadamente do seu lixo normal. Infelizmente em grande parte do nosso Brasil, não existe uma reciclagem de lixo separada por tipo de materiais. ( vidros, madeira, alimentos, plásticos, materiais perigosos e corrosivos, entre outros) Não existe uma empresa que receba lixo de pedaços de amianto. Parabéns por sua preocupação com os nossos semelhantes e com a ecologia.

  16. Olá! Em pesquisas recentes a imóveis, deparei-me com um que gostei muito; porém, fui informada de que a parte exterior é revestida de amianto. Fiquei preocpada e gostaria de perguntar: há algum perigo real em comprar uma casa deste tipo – lembrando-se que é um condomínio fechado em que há mais quinze casas feitas deste modo?

    Grata!

  17. Olá!Entendo e respeito todas as opiniões descritas acima. A realidade é única, AMIANTO é prejudicial à saúde, tanto para quem produz, como para os vizinhos das indústrias e minas como pra quem compra o protuto!!! Galera, quanto inocentes vão precisar sofrer e morrer para que seja tomada uma atitude? Comece por você, diga não ao uso, assim pode ser que uma vida seja salva.
    Michelle – Eng de Seg do Trabalho

  18. POIS BEM : TODOS QUE ESTÃO EM DEFESA DO AMIANTO , PORQUE TEM UMA EMPRESA QUE TRABALHA NELA : AS EMPREITEIRAS QUE USUFRUI DA DESGRAÇA DOS CHÃO DE FABRICA DA MESMA FORMA QUE A SAMA , QUEM SÓ TRABALHA LA DENTRO SABE QUANTO É POLUÍDO

  19. I am going to being finishing my General Education at the college Iam going to. I want to get my Associates Degree in Drafting Technology but at another college. Do you think I will be able to? . . For example, will my general education classes transfer to the to the other college?.

  20. Acompanhei de perto uma pessoa que comprovadamente adquiriu cancer nos pulmões provocado pela exposição ao amianto crisotila. É realmente muito triste presenciar e constatar os malefícios que esse produto traz para as pessoas. O que mais doi é o descaso da empresa em relação a saúde das pessoas, não dão valor a vida.

  21. RORIZ MUITO BOM O SEU TRABALHO, PROCURAVA POR ESSAS INFORMAÇÕES, NOTA 10, O HOMEM TEM POR NATUREZA SER EGOISTA E VISÃO PRIMEIRO OS SEUS LUCROS INDEPENDENTE DO QUE ACONTEÇA O SEU PROXIMO.

  22. My spouse and I absolutely love your blog and find almost all of your post’s to be exactly I’m looking for. Does one offer guest writers to write content to suit your needs? I wouldn’t mind creating a post or elaborating on some of the subjects you write in relation to here. Again, awesome web site!

  23. Bom dia Jorge,
    mesmo com todos os questionamentos acima e de outros sites venho a te perguntar. O uso de água armazenada em caixas de amianto ( NÃO SENDO PARA BEBER), apenas uso doméstico e fazer comida, ainda assim pode provocar doenças ?
    Grata, Gisele Feitosa

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s