Destaques de 04/11

A votação da PEC DO CALOTE, mostrou porque não adianta votar o impeachment. Bolsonaro  tem votos para derrubar o impeachment. CONGRESSO É NA SUA MAIORIA DE CORRUPTOS COMPRADOS. O PDT QUE MUDOU DE LADO, GANHOU QUANTO PARA VOTAR EM FAVOR DA PEC?

“A viagem pode ter sido boa para ele e para os membros de sua comitiva. Para o Brasil e para os brasileiros, no entanto, foi péssima. Jamais um chefe de Estado havia envergonhado tão profundamente o País em uma agenda internacional. Mais uma vez, restou evidente que Bolsonaro não está à altura da Presidência da República.” Editorial do Estadão, 04/11, “Bolsonaro envergonha o Brasil, de novo”

 

“A viagem pode ter sido boa para ele membros de sua comitiva.P/ o Brasil e para os brasileiros,foi péssima. Jamais um chefe de Estado havia envergonhado tão profundamente o País em uma agenda internacional. evidente que Bolsonaro não está à altura da Presidência
Editorial Estadão

GOVERNO PINÓQUIO
Número de empregos “criados” pelo governo em 2020, foi 47% MENOR DO QUE FOI ANUNCIADO.

 

Nas últimas 24 horas, o Brasil notificou 186 mortes por covid-19, com total de 608,3 mil desde o início da pandemia. A média móvel semanal, que elimina as distorções entre dias úteis e fim de semana, é de 225, abaixo de 300 pelo terceiro dia.

Com impacto do ritmo de vacinação, os Estados do Amapá, Amazonas, Mato Grosso do Sul, Acre e Sergipe não relataram óbitos pela infecção.

Bolsonaro ausente – Indígena brasileira foi a única voz do Brasil no palco principal

Os líderes que faltaram a COP26 não puderam falar diretamente para os outros chefes de governo e Estado. Jair Bolsonaro não quis ir.

A ativista brasileira que  vestiu o cocar de guerreira, foi o destaque do Brasil Ela contou a emoção de representar todos os guardiões das florestas.

“A primeira pessoa em que eu pensei foi a minha mãe. Eu acho que ela ficou muito orgulhosa de mim. Então, acho que o meu povo, amigos meus, parentes, primos já me mandaram mensagem falando que estão muito orgulhosos de mim e que estão muito orgulhosos de eu estar levando a luta do nosso povo para o mundo”, afirmou Txai Suruí.

A indígena brasileira aprendeu com o pai, a ouvir as estrelas, a lua, o vento, os animais e as árvores, e Txai Suruí confirma que já não há mais tempo. Ela lembrou do amigo foi assassinado tentando proteger a floresta. Esse foi o recado da única voz do Brasil no palco principal.

Imagens do Jornal Nacional

 

Morre Nelson Freire, um dos maiores pianistas do mundo

Morreu na madrugada de hoje (1º) o pianista Nelson Freire, aos 77 anos. Ele estava em sua casa, no Rio de Janeiro, e as causas ainda não foram reveladas. A notícia foi divulgada por diversos veículos, com a confirmação atribuída à empresária do artista.

O site da rádio France Musique, especializada em música clássica, que pertence à rede pública Rádio França, noticiou que “é um monumento, um monstro sagrado do piano que nos deixa”.

“Com ele, uma extravagância incomum no teclado se extingue, misturada com uma rara sensibilidade e expressividade”, destacou a France Musique.

Mineiro de Boa Esperança, Freire começou a tocar piano aos três anos. O talento fez a família se mudar para o Rio de Janeiro, onde ele pudesse aprimorar os estudos. Aos 12 anos, foi finalista do Primeiro Concurso Internacional de Piano do Rio de Janeiro e ganhou uma bolsa de estudos na Europa, se mudando para Viena em 1959, onde estudou com o pianista Bruno Seidlhofer.

Com diversas premiações, Nelson Freire trilhou uma brilhante carreira internacional, tendo se apresentado em mais de 70 países, com orquestras como as filarmônicas de Berlim, Londres, Nova York e Israel, a Orquestra Real do Concertgebouw de Amsterdam, a Gewandhaus de Leipzig e as Orquestras de Munique, Paris, Tóquio, São Petersburgo, Viena, Boston, Filadélfia, Cleveland, Los Angeles, Chicago e Montreal.

Em sua extensa discografia, estão gravações desde Chopin, feita aos 12 anos, passando por Schumann, Brahms, Liszt, Grieg, Tchaikovsky e Villa-Lobos. Na década de 1980, ao lado da pianista argentina Martha Argerich, gravou obras de Rachmaninoff, Lutoslawski e Ravel, além das Bachianas Brasileiras número 3, de Villa-Lobos, com a Orquestra Sinfônica Brasileira, regida por Isaac Karabtchevsky.

Segundo o Instituto Piano Brasileiro, Nelson Freire é o único artista do país incluído no projeto Great Pianists of the XXth Century (Grandes pianistas do século XX, em tradução livre), uma coleção de 200 CDs lançados pela Phillips.

Já nos anos 2000, lançou álbuns com gravações dos Estudos e Noturnos de Chopin; seleções de obras de Liszt, Schumann, Beethoven, Bach e Debussy; e dois Concertos de Brahms, gravados com a Orquestra Gewandhaus, de Leipzig, sob regência de Ricardo Chailly. O álbum recebeu o prêmio de melhor disco do ano, pela revista Gramophone, de Londres.

Em 2012, Freire lançou o álbum Brasileiro, com obras de compositores como Villa-Lobos, Camargo Guarnieri, Lorenzo Fernandez, Henrique Oswald, Alexandre Levy, Barrozo Netto, Claudio Santoro e Francisco Mignone, sendo vencedor do Grammy Latino.

Sua trajetória artística foi registrada pelo pelo cineasta João Moreira Salles, em 2003, no documentário Nelson Freire.

Edição: Fernando Fraga

ABI e OAB repudiam as agressões de seguranças de Bolsonaro contra jornalistas

Jornalistas brasileiros que faziam a cobertura da presença do presidente Bolsonaro na Itália,  foram agredidos por seguranças do presidente. Os jornalistas registraram um boletim de ocorrência junto as autoridades italianas.

O presidente tratou de forma hostil os jornalistas e os seguranças que estavam ao redor dele foram violentos com quem tentou fazer pergunta”, disse o apresentador Tadeu Schmidt na abertura da matéria do Programa Fantástico do último domingo sobre o episódio.

“Ao perguntar o motivo de o presidente não participar de alguns dos eventos do G-20, o correspondente da Globo, Leonardo Monteiro levou um soco no estômago”, narrou.

Schmidt leu nota da emissora condenando as agressões. ” Quem contratou os seguranças? Quem deu a eles a orientação para afastar jornalistas com o uso da força? Os responsáveis serão punidos? A Globo está buscando informações sobre os procedimentos necessários para solicitar uma investigação às autoridades italianas”, disse em trecho da nota.

OAB classifica como “lamentável

Felipe Santa Cruz, presidente da Ordem dos Advogados no Brasil (OAB) também se manifestou contrário às atitudes do chefe de Estado. “Lamentável que incidentes como esse ocorram, refletindo uma postura frequente de desrespeito ao trabalho dos profissionais de imprensa”, disse, em nota.

Em carta aberta a Jair Bolsonaro (sem partido), a Associação Brasileira de Imprensa (ABI) repudia a atitude dos seguranças do presidente em Roma, na Itália, contra jornalistas.

CARTA ABERTA DA ABI A JAIR BOLSONARO

Mais uma vez o senhor envergonha o Brasil, presidente.
Repudiado por governantes do mundo inteiro, em cada evento de chefes de Estado o senhor mostra que o País foi relegado a uma situação de um pária na comunidade internacional.
Na reunião do G-20 neste fim de semana, mais uma vez, o senhor foi obrigado a ficar pelos cantos, como aqueles convidados indesejados a quem ninguém dá atenção.
Como reação, age como um troglodita, hostilizando e estimulando agressões a jornalistas que lhe fazem perguntas corriqueiras.
É de dar vergonha.
Na cerimônia de abertura do evento do G-20, no sábado, o primeiro-ministro italiano, Mario Draghi, cumprimentou os chefes de Estado e de governo com um aperto de mão, mas o evitou claramente, fato devidamente registrado pela imprensa italiana. Não quis ser fotografado ao seu lado.
Mas as coisas não ficaram por aí.
Percebendo que era quase um penetra na festa, o senhor preferiu não aparecer para a foto oficial com os estadistas do mundo inteiro. Sentiu a rejeição generalizada.
Tampouco sentiu-se à vontade para participar do passeio organizado pelo governo italiano para os líderes do G20, que tiraram fotos jogando moedas na Fontana di Trevi, tradicional ponto turístico de Roma.
Mas o vexame e a vergonha foram maiores. Não pararam por aí.
Seus seguranças agrediram jornalistas brasileiros e roubaram seus equipamentos em represália a perguntas simples sobre as razões pelas quais o senhor não cumpriria a agenda comum aos demais chefes de Estado.
Repórteres da TV Globo e do jornal “Folha de S. Paulo” e um colunista do Uol foram à delegacia de polícia formalizar queixa das agressões praticadas por seus seguranças. Foi, talvez, um acontecimento inédito.
Mesmo assim, o senhor e os demais membros de sua comitiva, aí incluídos representantes do Itamaraty, foram incapazes de uma palavra de desculpa aos profissionais que estavam apenas trabalhando. Ao contrário, continuaram hostilizando os jornalistas brasileiros.
A ABI mais uma vez faz o registro: com o seu comportamento avesso à democracia e com ataques constantes à imprensa e ao trabalho dos jornalistas, o senhor estimula essas agressões. Assim, torna-se também responsável por elas.
E, como numa bola de neve, elas só aumentam seu isolamento e o repúdio que o senhor recebe da comunidade internacional.
Pior, o isolamento não é só seu. Atinge e envergonha o país que o senhor representa.
O senhor está tornando o Brasil um pária na comunidade internacional, presidente.
Tenha compostura.”

Paulo Jeronimo, Presidente da Associação Brasileira de Imprensa (ABI).

Até o momento, o Palácio do Planalto não se manifestou sobre o caso e as autoridades que estão em Roma, incluindo Jair Bolsonaro, não se retrataram. Paulo Jerônimo expõe a atitude na carta

JR